Escrito por em 11 out 2011 nas áreas Música contemporânea, Programação, São Paulo

No repertório obras de Villani-Côrtes, Chiquinha Gonzaga, Adoniran Barbosa e Hélcio de Latorre.

SERVIÇO

 

Praça Victor Civitá – Rua Sumidouro, 580
Pinheiros – SP
Informações: 19 3202 5409

Dia 23 de outubro, domingo, às 11h.

Entrada franca

 

O grupo instrumental paulista AUM, há 14 anos, une o erudito e o popular, focando seu repertório em compositores contemporâneos brasileiros. Com três CDs lançados, recebeu muitos elogios da crítica e recentemente dedicou seu último trabalho, a gravação do DVD Cortesia, em homenagem a Villani-Côrtes pela a comemoração de seus 80 anos.

 

PROGRAMA

Chiquinha Gonzaga
Atraente
Lua Branca
Gaúcho
–  Arranjo do Grupo AUM

Edmundo Villani-Côrtes
O Orelha
Choro Urbano
Pequena Fantasia de Jó

Adoniran Barbosa
Toca Adoniran
– Arranjo de Alexandre Daloia para o Grupo AUM

Hélcio de Latorre
Falando nisso

Edmundo Villani-Côrtes
Os Borulóides
Frevo Paulista

Zé do Norte
Mulher Rendeira
– Arranjo de Celso Marques para o Grupo AUM

 

O que significa AUM?

O nome AUM foi escolhido durante a gravação do programa “In Concert” (Rede Vida), em novembro de 1997. Aum é o mantra mais poderoso, matriz de todos os demais, símbolo universal do yoga e do hinduísmo. Mantra é a combinação de sons que nos dá controle da mente e sensação de felicidade temporária, levando-nos para o campo espiritual.

Arlete Tironi Gordilho (piano)

Iniciou seus estudos musicais aos 6 anos. É formada pela Faculdade Superior de Música Santa Marcelina, na classe do Professor Alberto Salles. Participa ativamente do “Grupo de Pianistas de São Paulo” e dedica-se ao magistério. Realizou estudos de aperfeiçoamento com Lina Pires de Campos, Vera Del Nero Gomes, Magda Tagliaferro e Maria Curcio (Inglaterra).

Entre seus prêmios destacam-se o 1º lugar obtido no II Concurso Nacional de Piano “Guiomar Novaes”, realizado em Petrópolis, e no Concurso Clarisse Leite, em Bauru e São Paulo. Recebeu o prêmio de interpretação no V Concurso Nacional Lorenzo Fernandez, realizado em Juiz de Fora. Participou de master classes com os pianistas Flávio Varani e Gilberto Tinetti, com o qual continua fazendo curso de interpretação.

Nos anos de 1995 e 1997 apresentou-se como solista da Orquestra Sinfônica de Santa Catarina, sob a regência do Maestro José Nilo Valle. É integrante da Sociedade Duo Pianístico do Brasil, sob supervisão do Maestro Kenichi Yamakawa. Como recitalista tem se apresentado em espaços culturais em São Paulo e no interior, recebendo críticas elogiosas. Seu grande projeto é a idealização do Grupo AUM, para o qual se dedica desde 1997.

Liliana Bertolini (flauta)

Pianista de formação, estudou no Conservatório Musical da PUCC sob a direção da Profª. Olga Normanha e orientação da Profª. Nelly de Oliveira. Iniciou seus estudos de flauta transversal com a Profª. Grace Lorraine Henderson (primeira flauta do Teatro Municipal de São Paulo) e prosseguiu com o Prof. Wilson Rezende no Conservatório Musical Brooklin Paulista. Complementou sua formação participando de festivais de Música: Londrina, Brasília, Campos do Jordão e Curitiba.

É Bacharel em Comunicação Social pela FAAP com especialização em Publicidade. Concluiu sua pós-graduação em flauta transversal em 1999 na Faculdade de Música Carlos Gomes sob a orientação do Prof. Marcos Kiehl. Atua como flautista do Grupo AUM. Atualmente é professora de Musicalização para crianças de 5 e 6 anos, e ensina pífaro, flauta transversal e piano na EMIA (Escola Municipal de Iniciação Artística).

Participa como educadora musical do projeto “A rede em rede”, oferecido a educadores do Ensino Infantil da rede municipal de São Paulo, pela Secretaria Municipal de Educação. Como compositora atua na criação de trilha sonora para peças de teatro infantil e contação de histórias no Grupo “Mil Folhas de Contos e Canções”.

Hélcio de Latorre (flauta)

Iniciou seus estudos de flauta transversal sob a orientação de João Dias Carrasqueira, em São Paulo. Formou-se pela Faculdade de Música Santa Marcelina, e aperfeiçoou-se na França, orientado pelo flautista Francis Gabin. Foi monitor das Flautas da Orquestra Experimental de Repertório. Gravou com o Quinteto de Flautas de São Paulo a integral dos Concertos para Quinteto de Flautas de Boismortier, e com o Grupo AUM os CDs Os Borulóides e Postais Paulistanos. Dedica-se ao repertório de música de câmara, fazendo parte de diversas formações.

É professor de flauta transversal na Escola Espaço Musical, Escola Britânica de São Paulo e Universidade Livre de Música. É membro da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo desde 1990.

Gílson Barbosa (oboé e corne inglês)

Estudou com Sebastião Gomes (Brasília), Salvador Masano (São Paulo), Manfred Clement, Ingo Goritski e Henry Schuman em diversos cursos de férias. De 1975 a 1995, foi primeiro oboísta e corne inglês solista das Orquestras Sinfônicas Municipal de Campinas, Minas Gerais e Municipal de São Paulo. De 1995 a 2002, foi monitor da Orquestra Experimental de Repertório.

Já se apresentou como solista à frente das Orquestras de Campinas, Municipal de São Paulo e da USP, sob regência dos Maestros Carlos Veiga, Benito Juarez, Issac Karabtchevsky, Gerard Devos, Henrique Gregori, Barros Garbogini e Ronaldo Bologna. Lecionou oboé na Escola de Música de Piracicaba, no Conservatório Musical do Brooklin Paulista e na Universidade Livre de Música do Estado de São Paulo.

É professor do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. Músico atuante em diversas formações camerísticas (recitais com piano, cravo e órgão), atua também ao lado de artistas populares. Participa de diversas gravações de música de câmara, sinfônica e operística e gravações para rádio e TV.

Clóvis Camargo (contrabaixo)

Iniciou seus estudos no Centro Instrumental de Americana e Conservatório de Tatuí com o Professor Nikolaus Schevistschenko em 1983. Graduou-se na UNICAMP em 1986 e na Schola Cantorum de Paris (1987). Ganhou o primeiro prêmio do Conservatoire National d’Angers (França – 1993) onde estudou com os professores Michelle Remaud e Jean-Marc Rollez.

Participou do 5º Festival “Musique du XX ème siècle d’Angers”, tocou na Sinfonietta de Vendée e Ensemble Orchestral du Val de Loire. Com o grupo Le petit pan de mur jaune participou dos festivais: Europa Jazz Festival du Mans, Rencontres internationales d’Jazz de Nevers e Jazz sur Loire. Participou da turnê européia do saxofonista brasileiro Cacau de Queiroz e também com a cantora brasileira Márcia Maria. Atualmente é integrante da OSUSP (Orquestra Sinfônica da USP) e da Orquestra de Contrabaixos Tropical.

Nath Calan (percussão)

Graduada em Nutrição pela USP e Bacharel em Música – Habilitação em Instrumento (Percussão) pela UNESP, Natali Calandrin Martins estudou com Ricardo Bologna, Elizabeth Del Grande (Escola Municipal de Música), John Boudler, Carlos Stasi e Eduardo Gianesella. Percussão popular estudou com Dinho Gonçalves (Souza Lima) e Guello (ULM). É ex-integrante do Grupo PIAP, realizando concertos pelo Brasil e gravações para TV e Rádio.

É musicista convidada por diversas orquestras entre as quais OSUSP, Orquestra Sinfônica de São José dos Campos, Orquestra da UNITAU (Taubaté) e Sinfônica de Rio Claro. Como camerista atua como convidada pelo Percorso Ensemble e Grupo Durum Percussão Brasil, realizando concertos no Brasil e no exterior.

Participou de importantes festivais de música e encontros de percussão pelo país, gravando o CD Orquestra Acadêmica do Festival de Campos do Jordão, sob regência de Roberto Minczuk. É responsável por estréias e primeiras audições no Brasil de obras de compositores como Vinko Globokar e Artur Rinaldi. Atualmente é percussionista da Orquestra Sinfônica de Santos e professora do Guri Santa Marcelina.

 

Edmundo Villani-Côrtes

Iniciou sua carreira profissional tocando piano na Orquestra Tamoio, do maestro Cipó, no Rio de Janeiro. Em 1965, integrou a orquestra de Luís Arruda Paes, com a qual atuou até 1967. Desenvolveu intensa atividade como arranjador. Na década de 1960, trabalhou em gravadoras e em emissoras de TV, chegando a escrever mais de 600 arranjos para as orquestras da TV Tupi e TV Globo, do Rio de Janeiro.

Acompanhou a cantora Maysa e o cantor Altemar Dutra em excursões ao exterior. Em 1968, fez arranjos e composições para o filme “O matador”, de Amaro César e Egídio Ézio. Nos anos 1970, trabalhou como arranjador na TV Tupi de São Paulo, realizando mais de mil orquestrações para músicas de vários gêneros. Em 1978, venceu o Concurso Noneto de Munique, Alemanha. Em 1986, obteve o primeiro lugar no Concurso de Composição da Editora Cultura Musical, com uma peça para violão intitulada “Choro pretensioso”. Em 1990 e 1991, foi regente da Oquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo.

Recebeu dois prêmios APCA, o primeiro em 1990, com a peça vocal “Ciclo Cecília Meirelles”, e o segundo em 1995, com “Postais paulistanos” do Grupo AUM. Compôs várias obras de música orquestral, de câmara, de música instrumental e vocal, além de música eletroacústica. Algumas de suas obras podem ser ouvidas nos CDs “Música brasileira para canto e piano” (1996, Rio Arte) e “Estados d’Alma” (1997, Sony). Em 2011 ganhou o Troféu Guarany pelo conjunto de sua obra no XIV Prêmio Carlos Gomes de Ópera e Música Erudita.

 

epr 800 weight gain pills Vídeos no Youtube:

Grupo AUM Postais Paulistanos

http://www.youtube.com/watch?v=5q0GUIlzU8o

Grupo AUM – Poema Brasileiro de Edmundo Villani-Côrtes

http://www.youtube.com/watch?v=vycd8oav2Dw}

Faça seu comentário