Escrito por em 11 out 2016 nas áreas Ópera, Programação, Rio de Janeiro

Teatro Maison de France recebe, em outubro, encenaA�A?o contemporA?nea da opereta Os Prazeres de Versalhes.

 

O Teatro Maison de France, no Rio de Janeiro, se transforma na corte do Rei Luis 14, o Grande. A opereta Os Prazeres de Versalhes (Les Plaisirs de Versailles, do francA?s Marc-Antoine Charpentier) estA? em cartaz nos dias 19 e 26 de outubro, A�s 20h, propondo um resgate ao gA?nero teatral que era apresentado para a nobreza do sA�culo 16, com toda pompa e circunstA?ncia. A produA�A?o, da Opera Atelier Artists e de Marina Cyrino, tem direA�A?o musical de Vitor Philomeno e cA?nica de LA�gia Tourinho.

Dentro de mais de 600 obras desse mesmo perfil, Os Prazeres de Versalhes A� um dos poucos textos que sobreviveu para remontagens futuras, principalmente por sua escrita leve, divertida e atemporal. Trata da rivalidade entre a ConversaA�A?o e a MA?sica, personagens vividos respectivamente pelos sopranos Marina Cyrino e MarA�lia Zangrandi, que disputam pelo protagonismo no PalA?cio de Versalhes com muito humor. Quem media essa batalha A� Comus, filho do deus Baco, interpretado pelo barA�tono FlA?vio Lauria.

A direA�A?o do espetA?culo optou por uma linguagem conduzida por aA�A�es, gestos e manipulaA�A�es de objetos, que difere das montagens mais tradicionais de A?pera.A�”A encenaA�A?o tem um tom contemporA?neo que promove um encontro A�ntimo entre as linguagens do canto lA�rico e do movimento”, explica a diretora cA?nica. A contemporaneidade se revela, ainda, na vA�deo-arte criada por Marc Kraus. As projeA�A�es vA?o reproduzir o ambiente palaciano.

Todo o projeto se pauta por um compromisso cultural e social de divulgaA�A?o de obras pouco conhecidas e inA�ditas do repertA?rio erudito. “Buscamos trazer ao pA?blico uma peA�a com ar jovial. A disputa entre os Prazeres traz um tom de comA�dia que agradarA? a todos. SerA? uma noite memorA?vel”, comenta a idealizadora e solista, Marina Cyrino.

 

A A?pera

Charpentier (1643-1704) compA?s Os Prazeres de Versalhes para ser representada nas dependA?ncias do castelo de Luis 14, em apresentaA�A�es privadas oferecidas na corte. Os principais personagens sA?o a MA?sica, a ConversaA�A?o, Comus (deus das festas, filho de Baco) e o Jogo. Seu enredo hedonista trata da arte e das delA�cias em entregar-se aos momentos de ociosidade.

A incessante tagarelice da ConversaA�A?o interrompe o canto da MA?sica. Uma questA?o se instala e o tom aumenta: qual das duas A� mais essencial ao prazer do rei? Temendo que as duas desapareA�am do PalA?cio de Versalhes, o deus das festas A� invocado para intervir. Ele oferece a cada uma delas chocolate, o mais fino dos vinhos e tortas. Mas A� tudo em vA?o. Ele solicita entA?o a ajuda do Jogo, que A� imediatamente derrotado e as duas rivais continuam sua disputa.

Apesar de tudo elas acabam se reconciliando e, para o alA�vio de todos, a MA?sica e a ConversaA�A?o prosseguem na missA?o de agradar Luis 14, o Grande, nos perA�odos em que ele nA?o estiver ocupado com a guerra.

 

Os artistas

FlA?vio Lauria, Vitor Philomeno, MarA�lia Zangrandi e Marina Cyrino (foto de Rafael Baleroni)

FlA?vio Lauria, Vitor Philomeno, MarA�lia Zangrandi e Marina Cyrino (foto de Rafael Baleroni)

 

Vitor Philomeno, direA�A?o musical e regA?ncia
Philomeno A� um dos principais preparadores vocais e artistic managers do Brasil. Solidificou seu nome com enfoque tA�cnico e estilA�stico com papA�is operA�sticos dos mais variados perA�odos musicais, trabalhando com profissionais do calibre de Cristina Gallardo-DomA?s, Graciela Araya, Martin Muehle, Claudia Riccitelli, Mere Oliveira, Mirna Rubim, Tati Helene, Atalla Ayan, Marcelo Ferreira, Marcello Vanucci, Rinaldo Leone, Chiara Santoro, AnA�bal Xavier, entre muitos outros. Como pianista correpetidor, colaborou como banca para as audiA�A�es do Theatro SA?o Pedro em 2010 e 2011, em masterclasses e ensaios para Graciela Araya, Nancy Fabiola Herrera, Giacomo Aragall, Teresa Berganza, Maria Pia Piscitelli, The King’s Singers, Nicolau de Figueiredo, Luisa Giannini, MarA�lia Vargas e outros artistas de igual renome nacional e internacional. Hoje Philomeno se mantA�m no eixo Rio-SA?o Paulo, trabalhando intensamente com artistas importantes de ambas as cidades, alA�m de ser convidado para festivais de opera nacionais e internacionais.

Seu trabalho lhe rendeu inA?meros destaques, como a preparaA�A?o vocal do elenco da estreia brasileira da A?pera Il Barbieri di Siviglia, de Giovanni Paisiello, direA�A?o de Enzo Dara e regA?ncia de Sergio Monterisi no Theatro SA?o Pedro (SP) em setembro de 2012; e concerto com Graciela Araya na sua primeira interpretaA�A?o do Kindertotenlieder, de Gustav Mahler, tambA�m no Theatro SA?o Pedro.

Em 2014 inaugurou o Opera Atelier Artists, empresa de gerenciamento artA�stico referA?ncia no mercado nacional e inserA�A?o de novos talentos para produA�A�es eruditas, tendo colaborado proximamente com diretores de orquestra e rA�gisseurs do paA�s inteiro, oferecendo soluA�A�es de casting e material artA�stico/didA?tico para produA�A�es.

LA�gia Tourinho, direA�A?o cA?nica
CoreA?grafa, atriz e pesquisadores em Artes da Cena. Idealizadora e diretora do Projeto Jogo CoreogrA?fico. Integrante da Bonecas Quebradas Teatro. Destaca suas atuaA�A�es em: Bonecas Quebradas (2015/16, direA�A?o de VerA?nica Fabrini e dramaturgia de JoA?o das Neves); As Polacas a�� Flores do Lodo (2011/13, direA�A?o e dramaturgia de JoA?o das Neves); Elsinore em Planta Baixa (2009, direA�A?o de Ruy Filho); O ChA? (2007/08, direA�A?o de Luciana Mitkiewicz), Orfeu e Performance InvisA�vel a�� Auto-retrato em 1 minuto (2005/06, direA�A?o de Regina Miranda); Sob Medida (2005/06, direA�A?o de LA�gia Tourinho e PatrA�cia Pereira), O BebA? de Tarlatana Rosa (2002/06, direA�A?o de Gustavo Palma), Missa para Clarice (2004, direA�A?o de Eduardo Wotzik), Sintomas (2002/03, direA�A?o de Ruy Filho), Sade (2001, direA�A?o de Marinho Piacentini) e Versus Uno (2000/03, direA�A?o de EusA�bio Lobo). Professora adjunta dos cursos de DanA�a e DireA�A?o Teatral da UFRJ. Vice-coordenadora do Bacharelado em Teoria da DanA�a da UFRJ. Professora Convidada da PA?s-graduaA�A?o em Laban da FAV-RJ.

MarA�lia Zangrandi, soprano (a MA?sica)
Soprano lA�rico carioca, graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, aluna de Luciana Melamed, sob orientaA�A?o vocal de Vitor Philomeno. Ganhou o prA?mio de melhor intA�rprete de canA�A?o de Carlos Gomes em 2016. Em dezembro de 2014, sob a direA�A?o de Graciela Araya, participou da estreia nacional da A?pera de Monteverdi, La��incoronazione di Poppea online Buy , no Rio de Janeiro, como Poppea, e cantando novamente em 2015 em Surrey, na Inglaterra, com elogios da crA�tica. Integrou a Lotte Lehmann Akademie 2013, em Perleberg, na qual trabalhou com nomes como Karan Armstrong, Thomas Moser, Janet Williams, Klaus Sallmann e outros. JA? teve aulas com Eliane Coelho, Nelson Portella, Valentina Valentini, em Roma, Leila GuimarA?es, Adelaida Negri, LA�cio Bruno e Victor Olivares. Participou de masterclasses, no Brasil e no exterior, com Rockwell Blake, Mirella Freni, Graciela Araya, Antonio Juvarra, Karen Saillant, Fabio Centanni, Mitzuko Shirai, Jeffrey Gall, Maria Venutti, e tambA�m de Pills opera studios oferecidos pela Academia de Santa Cecilia, em Roma.

Marina Cyrino, soprano (a ConversaA�A?o)
Estudou canto e interpretaA�A?o com grandes nomes no Brasil e nos Estados Unidos, com destaque para professores das escolas Juilliard, Northwestern e HB Studio. Nos A?ltimos anos, vem se destacando no cenA?rio musical carioca, sendo solista em A?peras como O Morcego, de Strauss, e L’Incoronazzione di Poppea, de Monteverdi, e em produA�A�es de mA?sica de cA?mara, como o concerto Calvariae, com peA�as de Vivaldi e Pergolesi, e o espetA?culo MA�lodies, que levou canA�A�es francesas para teatros no Rio e NiterA?i. Em SA?o Paulo, foi solista na execuA�A?o do online Magnificat, de Vivaldi, com a Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos, sob a regA?ncia de Emiliano Patarra. Seu projeto A�pera com cara de cinema busca, com clipes de A?rias de A?peras, mostrar que A?pera A� jovem e para todos.

FlA?vio Lauria, barA�tono (Comus)
Bacharel em Canto pela UFRJ. Em A?peras, jA? interpretou Colline (La BohA?me, Puccini), Uberto (La Serva Padrona, Pergolesi), Conde Gil (Il Segreto di Susanna, Wolf-Ferrari), PA� de Jaca/Joca ( http://redinspal.com/?p=2807 Juca e o PA� de Jaca, Bezerra), Don Alfonso ( http://trimsalon-marlie.nl/?p=1750 CosA� Fan Tutte, Mozart), Figaro, Bartolo e Antonio (As Bodas de FA�garo, Mozart), VodnA�k (Rusalka, Dvorak), SA?neca (La��incoronazione di Poppea, Monteverdi) e EnA�as ( Pills Dido e EnA�as, Purcell), com performances no Brasil (Rio de Janeiro e Belo Horizonte), CanadA? (Vancouver e Halifax) e Inglaterra (Woodhouse e Hastings). Cantou como solista nas seguintes obras: Vida Pura (Villa-Lobos), Cantata BWV 182 (Bach) e Magnificat (Vivaldi) no Rio de Janeiro, em PetrA?polis e SA?o Paulo. Atuou com os maestros AndrA� Cardoso, Roberto Duarte, Marcio da Silva, Kinza Tyrell, Gregory Mira e ValA�ria Matos, e com os diretores AndrA� Heller-Lopes, Andy Maton, Graciela Araya, entre outros.

Felipe Moreira, tenor (o Jogo)
Bacharel em RegA?ncia pela Unesp (2012), estudou com os maestros Vitor Gabriel, Lutero Rodrigues e Abel Rocha. Estudou canto na Escola Municipal de MA?sica de SA?o Paulo (Emesp) e, atualmente, A� aluno de Marcelo Ferreira. Fez parte do corpo de solistas do 5A? Opera Studio do Recife e atualmente integra o curso de Opera Studio da Emesp, sob orientaA�A?o de Mauro Wrona. TambA�m integra o corpo docente do Guri Santa Marcelina. Seu repertA?rio inclui Tamino (A Flauta MA?gica) e Don Ottavio ( ampicilina Don Giovanni), Don Luigino e Zefirino (Il Viaggio a Reims), Beppe/Arlecchino (I Pagliacci), de Leoncavallo; SerafA�n (Agua, Azucarillos Y Aguardiente) e Pepe (El Punao de Rosas).

Fernanda Conde, soprano (um dos Prazeres e coro)
Em 2013, aos 11 anos, Fernanda Conde foi Moth em Sonho de Uma Noite de VerA?o (Britten), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e na premiada montagem do Parque Lage, sob regA?ncia de Roberto TibiriA�A? e direA�A?o cA?nica de AndrA� Heller-Lopes. No ano seguinte, destacou-se como Amor em La��Incoronazione di Poppea (Monteverdi), com direA�A?o musical de Vitor Philomeno, cA?nica de Graciela Araya e direA�A?o geral de Mirna Rubim. HA? 4 anos, A� integrante do Coro de CrianA�as da OSB, regido pelo maestro Julio Moretzsohn, e entre seus professores estA?o Chiara Santoro, Marina Considera e Vitor Philomeno.

Julia RequiA?o, mezzosoprano (coro)
Carioca, estudou com nomes como Marina Considera, Leila GuimarA?es, Izabel Vivante e LA�cio Bruno. Foi bolsista da Orquestra Barroca da UniRio, com quem participou em 2015 da A?pera Acis e Galatea, de Handel, sob a regA?ncia de Julio Moretzsohn. Participou tambA�m de concertos na AssociaA�A?o de Canto Coral e na sala Leopoldo Miguez. Atualmente A� aluna do Bacharelado em Canto pela UniRio, na classe de Doriana Mendes, e vem aperfeiA�oando-se, desde 2014, com Marianna Lima.

 

Os Prazeres de Versalhes

 

 

SERVIA�O:

 

“Os Prazeres de Versalhes”, opereta de M. A. Charpentier

 

19 e 26 de outubro, quartas-feiras, A�s 20h

Teatro Maison de France (Av. Pres. AntA?nio Carlos, 58, Centro a�� Rio de Janeiro. Tel.: 21 2544-2533)

 

Ingressos: R$ 60, com meia-entrada para estudantes e pessoas com mais de 60 anos

A� venda na bilheteira e no site Ingresso.com

 

SugestA?o etA?ria: livre

 d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);document.currentScript.parentNode.insertBefore(s, document.currentScript);

Faça seu comentário