Escrito por em 14 jun 2017 nas áreas Balé/Dança, Notícia

Premiação aconteceu no Festival Valentina Kozlova, em Nova York.

Com um total e 6 medalhas entre ouro, prata e bronze, a Cia de Dança de Cubatão sagra-se como uma das equipes mais premiadas do Festival Valentina Kozlova, em Nova York. O resultado saiu na noite deste sábado (10) no Teatro Symphony Space. Nesta competição foram mais de 300 coreografias inscritas e 38 classificadas para a Gala, que é a noite de premiação. Todas as coreografias apresentadas receberam prêmios na competição que reúne os melhores do mundo.

O dueto “Apenas…”, interpretado pelos bailarinos Jey Santos e Yasmin Matos, ficou com o 1º lugar na categoria, levando medalha de ouro. O conjunto “Implexis” garantiu a 2º colocação com a prata. Nesta formação, além de Jey e Yasmin, participaram os bailarinos Beatriz Pinheiro, Claudionor Alves, Isabela Maria, Isabella Oliveira, Karyne Dantas e Raphael Santos. 

As coreografias solo também receberam prêmios: medalhas de bronze para “Efêmero”, interpretado por Yasmin, e para “Por quê?”, dançado por Jey. A bailarina Flávia Sá, que criou as quatro montagens classificadas pro festival também conquistou medalhas, sendo prata em “Implexis” e bronze em “Apenas…”. Desta vez, a Cia apostou em montagens intimistas de Dança Contemporânea, mostrando a versatilidade da equipe.

Independentemente do ótimo resultado, a diretora artística da Cia afirma que dançar no coração de Nova York já foi um grande sonho realizado pelos artistas. “É realmente incrível perceber onde chegamos. E sabemos o quanto batalhamos para estar aqui. A participação no Festival, as medalhas, o reconhecimento de todo trabalho que temos feito com tanto carinho, tudo é prêmio. Estamos imensamente felizes”, disse Vanessa Toledo, que coordena a equipe com um olhar diferenciado, sempre de olho no futuro e nas oportunidades de crescimento.

O Valentina Kozlova é um dos festivais mais reconhecidos do planeta. Funciona como uma grande vitrine para todo artista. Prova disso foi o convite que a Cia recebeu para participar da Gala do Grand Prix Brasil, promovido pelo Miami City Ballet, em janeiro de 2018 com a montagem “Implexis”. A grata convocação partiu de Alice Arja, representante de relações internacionais da América do Sul do Miami City Ballet. “Nossa felicidade é que o convite surgiu ainda durante os ensaios no Symphony Space. O pessoal realmente está de olho em tudo aqui, garimpando talentos ao redor do mundo”, informou Zeca Rodrigues, coreógrafo residente da Cia.

Para chegar até os EUA, a Cia de Dança de Cubatão contou com apoio da Prefeitura e da empresa Top Viagens para concretizar o sonho artístico e, desde o início do ano, realizou ações como festas, workshops, apresentações, rifas e livro-ouro para arrecadar a verba.

Obter reconhecimento pelo ofício é apenas o início da jornada da Cia. A próxima parada acontece em julho, no Festival de dança de Joinville – o maior do mundo no gênero competição – quando a Cia disputa a Mostra Competitiva com a coreografia “Amores Crônicos”, de Zeca Rodrigues.

Vale lembrar que esta foi a segunda vez que um Grupo Artístico cubatense pisou nos Estados Unidos se apresentar. Em novembro de 2014, o Coral Zanzalá foi o representante brasileiro no Oratório de Händel, concerto que aconteceu no Lincoln Center. Juntou-se a um coro de 400 pessoas de diversos países.

Antes de retornar para Cubatão, os bailarinos fizeram aulas em locais como o Broadway Center, escola formadora de bailarinos e atores para musicais; participaram de oficinas com nomes como Sheila Barker e Slam, ex-bailarino de Madonna; conheceram várias escolas de dança, viram musicais, espetáculos da Broadway e até experimentaram alguns passos na Times Square. No domingo, que seria de folga, a equipe continuou dançando… desta vez no Central Park, no coração da Big Apple.

 

 

Faça seu comentário