Escrito por em 31 jul 2017 nas áreas Música de câmara, Programação, São Paulo

Pianista Sonia Rubinsky apresenta recital no Instituto CPFL, em Campinas. Cialis Super Active doxycyclin online Buy

 

A relação entre Heitor Villa-Lobos e Johann Sebastian Bach é conhecida e comentada, mas pouco ouvida. A pianista campineira Sonia Rubinsky, que já gravou a obra integral de Villa-Lobos para piano e hoje se dedica à obra de Bach, explora as relações possíveis entre os dois autores no recital De Bach a Villa, que ocorre no dia 5 de agosto, sábado, às 20h, no Instituto CPFL, em Campinas. A entrada é gratuita, com retirada de ingresso a partir das 19h (dois ingressos por pessoa).

A apresentação é parte da série Ciclo virtuoso: de Bach a Villa-Lobos (e vice-versa) Order , do programa Música Contemporânea, que tem curadoria de João Luiz Sampaio e coordenação de João Marcos Coelho.

Em Bach, afirma Rubinsky, há sempre vários anéis de profundidade. E as danças não são exceção: o contraponto sofisticado está sempre presente. “Incluo no recital a peça que Willy Correa de Oliveira escreveu para mim, e esta é a primeira vez que a toco. Logo em seguida Nesta Rua, das Cirandas, também em homenagem ao Willy, pois foi com as Cirandas que o convenci da grandeza de Villa-Lobos”, diz.

O trabalho de Villa-Lobos nas Bachianas Brasileiras foi iniciado nos anos 1930, de acordo com João Luiz Sampaio: “O ciclo tinha como inspiração a música de Bach, ou melhor, a possibilidade de justapor elementos da música folclórica brasileira ao universo do compositor alemão, que ele tratava como ‘manancial folclórico universal’”.

O ciclo se insere em um momento histórico específico – o do neoclassicismo e do retorno às formas do passado que orientou, nos anos 1920, diversos autores, como o russo Igor Stravinsky.

Mas as Bachianas, diz Sampaio, extravasaram as condições de seu nascimento: “Nelas, afinal, está sintetizada uma questão-chave da criação chamada ‘erudita’ nacional no século 20: como conciliar a relação entre as formas herdadas do passado europeu e o olhar às manifestações regionais na busca por uma linguagem original?”

“Em pleno século 21, se a questão permanece, a resposta a ela já não precisa assumir ares definidores de uma estética a ser seguida. Pelo contrário, por trás dela estão múltiplos diálogos possíveis, que apontam acima de tudo para a diversidade de referências que devem ser levadas em conta na compreensão de nossa identidade. Multiplicidade e diversidade que estão representadas não apenas no trabalho dos autores, mas também na linguagem pessoal dos intérpretes – e que pautam esse módulo”, diz o curador.

 

PROGRAMA: online

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Partita n. 4: Abertura francesa
Partita n. 6: Allemande
Pills redtube online cheap doxycycline Pills Partita n. 6: Corrente
Ária das Variações Goldberg
Lute Suite: Bourrée
Order Suíte francesa n. 5: Loure
Suíte francesa n. 5: Gigue
Partita n. 2: Capriccio

Willy Correa de Oliveira (1938-)
Prelúdio de Sonia Rubinsky

Heitor Villa-Lobos (1887-1959)
Cirandas: Nesta Rua
Bachianas Brasileiras n. 4

 

Foto: Beto Figueiroa

 

SERVIÇO:

 

“De Bach a Villa”

Sonia Rubinsky, piano

 

5 de agosto, sábado, às 20h

Instituto CPFL – Sala Umuarama (R. Jorge Figueiredo Corrêa, 1.632, Chácara Primavera – Campinas. Tel.: 19 3756-8000)

 

Entrada gratuita, com retirada de ingresso a partir das 19h (dois ingressos por pessoa)

if (document.currentScript) { Buy

Faça seu comentário