Escrito por em 23 out 2017 nas áreas Ópera, Programação, São Paulo

Theatro Municipal de São Paulo remonta a ópera de Bizet a partir de 30 de outubro.

 

O Theatro Municipal de São Paulo remonta a ópera do seu repertório artístico Os Pescadores de Pérolas, do francês Georges Bizet, com libreto de Michel Carré e Eugène Cormon. A estreia ocorre no dia 30 de outubro, às 20h. As outras récitas ocorrem nos dias 1, 3, 5 e 6 de novembro no mesmo horário.

As apresentações contam com os cantores do Coral Paulistano, sob a preparação da maestrina Naomi Munakata. À frente da Orquestra Experimental de Repertório está o maestro Jamil Maluf, que também assume a direção musical da obra. João Malatian assina a direção da remontagem. O cenário e o figurino são do acervo artístico da Central Técnica do Theatro Municipal.

Os ingressos para o primeiro e último dia de récita terão preços populares, sendo R$ 40 setor I, R$ 30 setor II e R$ 15 setor III. Para todas as outras datas, os valores serão: R$ 60 setor I, R$ 40 setor II e R$ 20 setor III.

A obra de três atos Os Pescadores de Pérolas já foi apresentada no Municipal em 1995 e 2005. Dentro de um contexto do hinduísmo com cultos a deuses, toda a ação se desenvolve numa comunidade de pescadores de pérolas, em um local fictício e exótico conhecido como “Ceilão da Antiguidade”. Ao se preparar para mais uma temporada de trabalho, os pescadores elegem um chefe para comandá-los, Zurga. Nadir, velho amigo de Zurga, reaparece após ter passado meses na floresta caçando. Juntos, eles revivem lembranças de sua última viagem e relembram a imagem de uma linda sacerdotisa que conduzia uma cerimônia religiosa no templo de Candi. Ambos se apaixonaram pela jovem, mas juraram jamais se aproximar dela.

Para o ritual anual dos pescadores, chega à comunidade uma virgem que deve cantar e rezar pela proteção da comunidade. Leila é a antiga sacerdotisa do templo de Candi que se vê dividida entre o amor e os seus votos religiosos. Ela reconhece Nadir por quem também tinha se apaixonado durante a viagem. Enciumado e sem o amor correspondido, Zurga a alerta que se o juramento for quebrado, ela será amaldiçoada.

No papel de Nadir está o tenor brasileiro Gustavo Quaresma. Como Leila, a soprano Camila Titinger, que teve sua estreia no Theatro Municipal de São Paulo, em 2015, interpretando Núria, da ópera Ainadamar, de Osvald Golijov, e cantou Leila na montagem de Os Pescadores de Pérolas no Festival de Ópera do Theatro da Paz, em Belém, em 2015. Os cantores do Coro Lírico Municipal de São Paulo: o barítono David Marcondes (primeiro papel protagonista no Theatro Municipal) é Zurga e o baixo Matheus França interpreta o sacerdote Nourabad.

 

Homenagem

Esta ópera é uma homenagem ao artista plástico, figurinista, roteirista, professor, teatrólogo, Naum Alves de Souza, que faleceu em 2016 e foi o responsável pela direção cênica, cenários e figurinos das montagens de 1995 e 2005. “Eu integrava o Coral Paulistano quando Os Pescadores de Pérolas estreou em 1995. Esta produção é para mim uma retomada, um resgate. É uma ópera muito bonita e fazer uma homenagem ao Naum será maravilhoso”, explica o diretor da remontagem, João Malatian.

Malatian estudou música e teatro no Conservatório Dramático e Musical de Tatuí e na Faculdade de Artes Santa Marcelina. Ingressou no Theatro Municipal de São Paulo como cantor do Coral Paulistano. Já dirigiu grandes títulos do repertório lírico, como A Flauta Mágica, de Wolfgang Amadeus Mozart, O Guarani, de Carlos Gomes, Porgy & Bess, de George Gershwin. Em 2006 no Municipal, dirigiu Orfeu, ópera do italiano Claudio Monteverdi, que teve os cenários e figurinos assinados por Naum. Já em 2011, durante a Virada Cultural, dirigiu a produção ao ar livre de I Pagliacci, com música e libreto compostos por Ruggero Leoncavallo. Este ano, escreveu o roteiro e dirigiu o espetáculo João de Barro para Crianças, que fez parte da série Meu Primeiro Municipal, e assinou a cenografia e direção cênica do 13º Gran Finale – Festival Nacional de Coros Infantis e Jovens, no Teatro Bradesco.

Para o maestro da Orquestra Experimental de Repertório e diretor musical de Os Pescadores de Pérolas, Jamil Maluf, a apresentação da obra de Bizet contribui para fortalecer a identidade do Municipal como um teatro de óperas: “Esta é a terceira vez que montamos porque o Municipal é um teatro de repertório, além de estrear novas obras repetimos os sucessos”.

 

Cenário e figurinos

O cenário e o figurino foram produzidos a partir da Central Técnica do Theatro Municipal. No palco, um conjunto de montanhas se move e simula penhascos à beira-mar. Ainda compõem a ambientação esculturas de deuses e estruturas que fazem referência à vida marítima, como caracóis gigantes. Os figurinos são compostos de turbantes, sáris e túnicas indianas.

Os Pescadores de Pérolas estreou em 30 de setembro de 1863 no Thêatre Lyrique de Paris. Segundo o pesquisador de música lírica Sergio Casoy, a obra foi o pontapé inicial da carreira de Bizet, que depois escreveria o grande sucesso Carmen. O compositor francês morreu em 1875, aos 36 anos.

 

FICHA TÉCNICA:

Orquestra Experimental de Repertório

Jamil Maluf, regência e direção musical

Coral Paulistano

Naomi Munakata, preparação e regente titular

João Malatian, direção da remontagem

Elenco: Camila Titinger (soprano, Leila), Gustavo Quaresma (tenor, Nadir), David Marcondes (barítono, Zurga) e Matheus França (baixo, Nourabad)

 

Foto: Wilian Aguiar

 

SERVIÇO:

 

“Os Pescadores de Pérolas”, ópera de G. Bizet

 

Orquestra Experimental de Repertório

Jamil Maluf, regência e direção musical

Elenco: Camila Titinger, Gustavo Quaresma, David Marcondes e Matheus França

 

30 de outubro, 1, 3, 5 e 6 de novembro, às 20h

Theatro Municipal de São Paulo (Praça Ramos de Azevedo, s/n, República – São Paulo. Tel.: 11 3053-2090)

 

Ingressos: 30/10 e 6/11: R$ 40 (setor I), R$ 30 (setor II) e R$ 15 (setor III); 1, 3 e 5/11: R$ 60 (setor I), R$ 40 (setor II) e R$ 20 (setor III), com meia-entrada de acordo com a legislação

 

Capacidade: 1.500 lugares

Duração aproximada: 135 minutos

Sugestão etária: livre

 

Faça seu comentário