Escrito por em 30 jan 2018 nas áreas Música de câmara, Programação, São Paulo, Teatro

Espetáculo Chopin ou O Tormento do Ideal une teatro e música, e  tem direção de José Possi Neto.

 

Depois de apresentações no Sesc 24 de Maio, em São Paulo, além das cidades de Porto Alegre, Salvador e Fortaleza, a atriz Nathalia Timberg e a pianista Clara Sverner voltam ao palco do Teatro Porto Seguro, também na capital paulista, para nova temporada, sob a direção de José Possi Neto, do espetáculo Chopin ou O Tormento do Ideal. Montagem consagrada ao compositor romântico, que associa música e poesia, reestreia dia 2 de fevereiro, sexta-feira, às 21 horas.

Partindo de recortes textuais da vida de Frédéric Chopin (1810-1849), cartas de George Sand entrelaçadas com declarações e poemas de Musset, Liszt, Baudelaire, Gérard de Nerval e Saint-Pol-Roux, o espetáculo ilumina, neste encontro de música e palavras, 20 anos da vida e da obra do compositor, criando uma possível subjetividade acerca de sua biografia com a objetividade e a poética do seu contexto histórico. Em Chopin ou O Tormento do Ideal, texto e música marcam os acontecimentos e apresentam uma personagem dividida entre um cotidiano vivido, às vezes, dolorosamente e um ideal inatingível.

A montagem original teve sua estreia nos primeiros meses do ano de 1987, no Théâtre de la Gaîté-Montparnasse, em Paris. O pianista Erik Berchot, vencedor do prêmio Frédéric Chopin de Varsóvia (1980), uniu seus talentos aos do ator e autor Philippe Etesse para compor o espetáculo.

 

Concerto da palavra

Para a pianista Clara Sverner, indicada em 2011 ao Grammy Latino pelo disco Chopin por Clara Sverner na categoria de melhor álbum de música clássica, Chopin ou O Tormento do Ideal é, na verdade, um recital camerístico, de força e delicadeza que reúne teatro e música. “Tecemos no palco, entre textos e música uma união de rara sensibilidade“, conta ela.

Trata-se de um concerto da palavra”, define Nathália, que volta a experimentar o prazer de unir teatro e música clássica – no ano passado, ela encenou 33 Variações, peça do venezuelano Moisés Kaufman, com direção de Wolf Maya, que gira em torno das 33 variações criadas por Beethoven, no século 19, para a valsa do compositor austríaco Anton Diabelli.

“Se lá o enredo traçava o paralelo entre a história de uma musicóloga que luta contra a esclerose e o genial autor que enfrenta a surdez, aqui são iluminados 20 anos da vida e obra de Chopin a partir de cartas e declarações de seu grande amor”, conta a atriz que, pela primeira vez em sua carreira, vai interpretar um personagem masculino.

 

FICHA TÉCNICA:

Concepção original: Philippe Etesse
Tradução: Nathalia Timberg
Direção e adaptação: José Possi Neto
Elenco: Nathalia Timberg
Piano ao vivo: Clara Sverner
Cenografia: Chris Aizner
Desenho de luz: Wagner Freire
Figurinos: Miko Hashimoto
Videografismo e projeções: Alexandre Gonzales
Direção de produção: Danielle Cabral e Ricardo Grasson
Produção executiva: Jessica Rodrigues e Victória Martinez
Coordenação de projetos: Contorno Produções e Dcarte
Realização: Dcarte e Gelatina Cultural

 

Foto: Ligiane Braga

 

SERVIÇO:

 

“Chopin ou O Tormento do Ideal”

 

Com Nathália Timberg e Clara Sverner

 

2 a 18 de fevereiro, sexta-feira, às 21h; e sábado e domingo, às 19h

Teatro Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 740, Campos Elíseos – São Paulo. Tel.: 11 3226-7300)

 

Ingressos: R$ 80 (plateia) e R$ 50 (balcão/ frisas)

 

Capacidade: 496 lugares

Acesso para pessoas com deficiência e 10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos

 

Sugestão etária: 14 anos

Duração aproximada: 70 minutos

 

O Teatro Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro

 

Faça seu comentário