Escrito por em 27 fev 2018 nas áreas Música sinfônica, Programação, São Paulo

Municipal de São Paulo recebe Orquestra Sinfônica Municipal, Coral Paulistano, Coro Lírico Municipal, Coro Infantojuvenil e solistas para a Sinfonia dos Mil.

 

O Theatro Municipal de São Paulo abre a sua Temporada 2018 com a grandiosa Sinfonia n. 8, de Gustav Mahler, no dia 2 de março às 20h. O mesmo concerto se repete no dia 3, às 16h30.

Conhecida como Sinfonia dos Mil Cialis Super Active cheap devido ao grande número de músicos e cantores requisitados pelo compositor, a obra inclui, além de grande orquestra, oito solistas vocais, coro adulto e coro infantil. Neste recital, a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo (OSM), sob a regência de seu maestro titular, doxycycline without prescription Roberto Minczuk, executa a obra em conjunto com Coral Paulistano, Coro Lírico Municipal de São Paulo e Coro Infantojuvenil da Escola Municipal de Música de São Paulo.

Os solistas são Gabriella Pace (soprano), Rosana Lamosa (soprano), Raíssa Amaral (soprano), Ana Lucia Benedetti (mezzo-soprano), Female Viagra order Denise de Freitas (mezzo-soprano), Fernando Portari (tenor), Licio Bruno (barítono) e Sávio Sperandio (baixo).

 

Sinfonia dos Mil

A Oitava Sinfonia foi a última que o Mahler estreou em vida, no dia 12 de setembro de 1910, em Munique, na Alemanha. “É a sinfonia mais grandiosa já escrita na história. Esta peça foi executada uma única vez no Theatro Municipal, em 1981, quando estreou no Brasil. Teremos praticamente todos os artistas da casa participando”, explica o maestro Minczuk.

A obra tem dois movimentos, ambos amplamente marcados pela participação dos coros. As duas partes abordam a redenção por meio do poder do amor divino e incluem a cena final da segunda parte de Fausto, de Goethe.

 

Concerto informal

No mesmo fim de semana, a Sinfônica Municipal, sob a regência de Minczuk, realiza a primeira apresentação da série Concertos Informais no domingo, 4 de março, às 16h30.

O concerto conta com interação entre o regente e a plateia. No intervalo de uma música e outra, o maestro conta detalhes e curiosidades sobre as composições e seus autores. Além disso, dez espectadores serão convidados a assistir à apresentação sentados no palco, junto da orquestra.

Uma das obras do repertório será a abertura da ópera Carmen, de Georges Bizet. O maestro Minczuk também rege a abertura da ópera Nabucco, de Giuseppe Verdi, alvorada da ópera Lo Schiavo, de Antônio Carlos Gomes, Bachiana Brasileira n. 4, de Villa-Lobos, Sinfonia n. 6 e Romeu e Julieta, de Tchaikovsky.

 

Concerto em homenagem às mulheres

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, nos dias 9, às 20h, e 10 de março, às 16h30, a OSM, sob a regência da maestrina Mônica Meira Vasques, realiza um concerto especial com obras das compositoras Fanny Hensel Mendelssonhn (Abertura em dó maior), Clara Schumann (Concerto para piano e orquestra em lá menor) e Amy Marcy Beach (Sinfonia em mi menor, Op. 32). A pianista Maria Cecília Moita é a solista deste concerto.

 

buy doxycycline Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo

Até o começo do século 20, as companhias líricas internacionais que se apresentavam no Theatro Municipal traziam da Europa seus instrumentistas e coros completos, pela falta de um grupo orquestral em São Paulo especializado em ópera.

Somente a partir da década de 1920 uma orquestra profissional foi criada e passou a realizar apresentações esporádicas, tornando-se regular em 1939, sob o nome de Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal. Uma década mais tarde, o conjunto passou a se chamar Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e foi oficializado em lei de 28 de dezembro de 1949, que vigora ainda hoje.

A história da Sinfônica Municipal se confunde com a da música orquestral em São Paulo, com participações memoráveis em eventos como a primeira Temporada Lírica Autônoma de São Paulo, com a soprano Bidu Sayão; a inauguração do Estádio do Pacaembu, em 1940; a reabertura de Theatro Municipal, em 1955, com a estreia da ópera Female Viagra cheap Pedro Malazarte, regida pelo compositor, Camargo Guarnieri; e a apresentação nos Jogos Pan-Americanos de 1963, em São Paulo.

Estiveram à frente da orquestra os maestros Arturo de Angelis, Zacharias Autuori, Edoardo Guarnieri, Lion Kasniefski, Souza Lima, Eleazar de Carvalho, Armando Belardi e John Neschling. Roberto Minczuk é o atual regente titular.

 

Coro Lírico Municipal de São Paulo

Formado por cantores que se apresentam regularmente como solistas nos principais teatros do país, o Coro Lírico Municipal de São Paulo atua nas montagens de óperas das temporadas do Theatro Municipal, em concertos com a Orquestra Sinfônica Municipal, com o Balé da Cidade e em apresentações próprias.

O Coro Lírico foi criado em 1939 e teve como primeiro diretor o maestro Fidélio Finzi, que preparou o grupo para a estreia em Turandot, em 13 de junho de 1939. Em 1947, Sisto Mechetti assumiu o posto de maestro titular, e somente em 1951 o coro foi oficializado, sendo dirigido posteriormente por Tullio Serafin, Olivero De Fabritis, Eleazar de Carvalho, Armando Belardi, Francisco Mignone, Heitor Villa-Lobos, Roberto Schnorremberg, Marcello Mechetti, Fábio Mechetti e Bruno Greco Facio.

Atualmente regido por Mário Zaccaro, o Coro Lírico Municipal de São Paulo recebeu os prêmios de melhor conjunto coral de 1996, pela APCA, e o prêmio Carlos Gomes 1997 na categoria Ópera.

 

Coral Paulistano

Com a proposta de levar a música brasileira ao Theatro Municipal de São Paulo, em 1936, por iniciativa de Mário de Andrade, foi criado o Coral Paulistano. O então diretor do Departamento Municipal de Cultura queria mostrar à elite paulistana a importância do movimento nacionalista que contagiava os compositores brasileiros da época e que era até então desconhecida.

Marco da história da música em São Paulo, o grupo foi um dos muitos desdobramentos do movimento modernista da Semana de Arte Moderna de 1922. Ao longo de décadas, o grupo esteve sob a orientação de alguns dos mais destacados músicos do nosso país, como Camargo Guarnieri, Fructuoso Vianna, Miguel Arqueróns, Tullio Colacioppo, Abel Rocha, Zwinglio Faustini, Antão Fernandes, Samuel Kerr, Henrique Gregori, Roberto Casemiro, Mara Campos, Tiago Pinheiro, Bruno Greco Facio e Martinho Lutero Galati.

Após sua missão original se perder em anos de decadência, em 2013 o grupo foi novamente fortalecido e revalorizado, passando a se chamar Coral Paulistano Mário de Andrade. Com uma programação extensa de apresentações de música brasileira erudita em diferentes espaços da cidade, renovou seu fôlego e retomou suas atividades resgatando sua autenticidade.

Atualmente o Coral Paulistano tem como regente titular a maestrina Naomi Munakata e é um dos grupos que integram a Fundação Theatro Municipal de São Paulo, da Secretaria Municipal de Cultura.

 

Coro Infantojuvenil da Escola Municipal de Música de São Paulo

O Coro Infantojuvenil da Escola Municipal de Música de São Paulo foi criado durante a gestão de Marisa Fonterrada, coordenadora artística da Escola Municipal de Música de 1977 a 1986, e teve inicialmente como regentes a maestrina Naomi Munakata e assistência do prof. Dante Cavalheiro. Findada a gestão de Marisa Fonterrada, o Coro Infantojuvenil foi desativado, tendo sido retomado somente na gestão de Henrique Autran Dourado (1989-1997), então sob a regência de Mara Campos.

O grupo foi assumido pela maestrina Regina Kinjo em 2011, que o dirige até os dias atuais. Atividade obrigatória para os alunos da Escola Municipal de Música com até 14 anos de idade, a participação no Coro Infantojuvenil objetiva o desenvolvimento de repertório coral adequado à referida faixa etária, além da prática de solfejo e de exercícios técnicos vocais e respiratórios. O Coro Infantojuvenil tem obtido destaque nas temporadas musicais da cidade de São Paulo, como, por exemplo, em sua participação na ópera I Pagliacci, título integrante da temporada lírica de 2014 do Municipal de SP, e no musical Os Saltimbancos, apresentado junto à Banda Sinfônica do Estado de São Paulo.

 

SERVIÇO: Cialis Soft

 

Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo

Coro Lírico Municipal de São Paulo

Coral Paulistano

Coro Infantojuvenil da Escola Municipal de Música de São Paulo

Solistas

Roberto Miczuk, regência

 

2 de março, sexta-feira, às 20h; e 3 de março, sábado, às 16h30

 

Ingressos: de R$ 30 a R$ 80, com meia-entrada para aposentados, pessoas com mais de 60 anos, professores da rede pública e estudantes

 

Sugestão etária: 12 anos

Duração aproximada: 80 minutos

 

Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo

Roberto Minczuk, regência

 

4 de março, domingo, às 16h30

 

Ingressos de R$ 12 a R$ 30, com meia-entrada para aposentados, pessoas com mais de 60 anos, professores da rede pública e estudantes

 

Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo

Maria Cecília, piano

Mônica Vasques, regência

 

9 de março, sexta-feira, às 20h; e 10 de março, sábado, às 16h30

 

Ingressos: de R$ 12 a R$ 60, com meia-entrada para aposentados, pessoas com mais de 60 anos, professores da rede pública e estudantes

 

Sugestão etária: 12 anos

 

Theatro Municipal de São Paulo (Praça Ramos de Azevedo, s/n, República – São Paulo. Tel.: 11 3053-2090)

 

Faça seu comentário