Escrito por em 30 jul 2018 nas áreas Música de câmara, Programação, Rio de Janeiro

Em concerto no Rio de Janeiro, Trio Nobile destaca contrastes entre obras dos dois compositores.

 

A série Música de Câmara leva ao palco da Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro, no dia 3 de agosto, às 20h, o Trio Nobile, formado por destacados artistas do cenário internacional: a pianista brasileira radicada na Inglaterra Clélia Iruzun, o violinista inglês radicado no Brasil Anthony Flint e o violoncelista norte-americano Johann Sebastian Paestch.

O repertório do recital traz o Trio para piano em si bemol maior, Op. 97 – Arquiduque, de Ludwig van Beethoven (1770-1827), e o Trio para piano em lá menor, de Maurice Ravel (1875-1937). A proposta é salientar os contrastes entre as duas obras.

 

Trio Nobile

A feliz junção do espírito brasileiro com uma musicalidade espontânea levou a brasileira radicada em Londres Clélia Iruzun a ser considerada como uma das artistas mais interessantes, no cenário mundial, nos últimos anos. Estudou na Escola de Música da UFRJ e na Royal Academy de Londres. Trabalhou com pianistas de prestígio como Nelson Freire, Jaques Klein, Stephen Kovacevich, Fou Ts’Ong e com Mercês de Silva Telles em Paris. Grandes compositores como Francisco Mignone e Marlos Nobre dedicaram-lhe obras.

O inglês Anthony Flint estudou no Conservatório Real de Toronto e na Universidade de Indiana, Bloomington, na qual foi aluno de James Buswell, Larry Shapiro, Franco Gulli e Joseph Gingold. Foi líder de várias orquestras no Canadá e nos EUA, incluindo a Sinfônica da Rádio da CJRT, em Toronto e a Orquestra de Illinois, Chicago. A partir de 1989, atuou como concertmaster da Orchestra della Svizzera Italiana, Lugano. Recentemente foi nomeado spalla da Filarmônica de Minas Gerais.

Johann Sebastian Paetsch nasceu em Colorado Springs, EUA, em 1964, em uma família de músicos. Desde a infância, desenvolveu uma vasta experiência em música de câmara. Estudou nas Universidades Butler e Yale, na qual fez graduação e mestrado. Participou de masterclasses com Yo-Yo Ma, Rostropovitch, e Micha Maisky, e ganhou inúmeros prêmios, como o Emmanuel Feuermann e o Young Musicians Foundation Competition. Toca em um violoncelo de 1730 construído por Matteo Goffriller. Desde 1992, é o líder do naipe de violoncelos da Orquestra della Svizzera Italiana, em Lugano, na Suíça.

 

Foto: Raphael Iruzun Martins

 

SERVIÇO:

 

Trio Nobile

 

3 de agosto, sexta-feira, às 20h

Sala Cecília Meireles (R. da Lapa, 47, Lapa – Rio de Janeiro. Tel.: 21 2332-9223)

 

Ingressos: R$ 40, com meia entrada para estudantes e pessoas com mais de 60 anos

Faça seu comentário