Escrito por em 5 ago 2018 nas áreas Lateral, Música sinfônica, Programação, Rio de Janeiro, São Paulo

Orquestra Sinfônica de Jerusalém faz concertos em comemoração pelo símbolo da reconstrução do judaísmo após o holocausto.

 

Em comemoração aos 70 anos da fundação do bairro Kfar Chabad, próximo a Tel Aviv, em Israel, a Orquestra Sinfônica de Jerusalém (OSJ), sob regência do consagrado maestro Yeruham Scharovsky e com a participação, como solista, do violinista israelense Itamar Zorman, se apresenta no domingo, dia 19 de agosto, às 17h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Nos dias 20 e 21, o conjunto toca na Sala São Paulo, na capital paulista.

No programa dos dias 19 e 20, Danza Hora, do poema sinfônico Emek, de Mark Lavry (1903-1967); Concerto para violino em ré maior, Op. 35, de Piotr Ilitch Tchaikovsky (1840-1893); e Sinfonia n. 7 em ré menor, Op. 70, de Antonín Dvořák (1841-1904). Na última récita (21), além da Danza Hora, estão o Concerto para violino em mi menor, Op. 64, de Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847); e a Sinfonia n. 1 em dó menor, Op. 68, de Johannes Brahms (1833-1897).

 

Orquestra Sinfônica de Jerusalém

Fundada em 1930 com o nome de Orquestra do Serviço de Radiodifusão Palestino, tornou-se Orquestra da Rádio de Israel a partir de 1948, data da independência do Estado de Israel. Adotou seu nome atual nos anos 1970, mantendo-se sempre ligada à Autoridade de Radiodifusão. Em sua condição de orquestra sinfônica da rádio, a maioria de seus concertos realizados em sua sede, Auditório Henry Crown, é gravada e transmitida para o público israelense.

A orquestra possui amplo repertório, do período clássico ao romântico e tem promovido estreias mundiais de obras de compositores contemporâneos. Primeira orquestra israelense a executar obras de Sofia Gubaidulina, Henry Dutilleux e Alfred Schnittke, entre outros contemporâneos, a OSJ encomenda e interpreta obras de compositores israelenses desde sua fundação.

Ao longo de sua história, o conjunto já se apresentou com artistas como Igor Stravinsky, Otto Klemperer, Arthur Rubinstein, Yehudi Menuhin, Mstislav Rostropovich, Isaac Stern, Pablo Casals, Igor Markevitch, Henryk Szeryng, Yo-Yo Ma, Pierre Boulez, Neville Mariner, Christa Ludwig, Tabea Zimmermann, Martha Argerich, Radu Lupu, Jose Carreras, Jean-Pierre Rampal, Maxim Vengerov e Yefim Bronfman. Entre as estreias mundiais promovidas pela OSJ estão:a ópera Davi (Milhaud, 1954); a cantata Abraão e Isaac (Stravinsky, regida por Robert Craft em 1964); e As Sete Muralhas de Jerusalém (Penderecki, sob a batuta do maestro Lorin Maazel), encomendada ao polonês na passagem dos 3.000 anos de Jerusalém.

A OSJ fez turnês pela Europa e EUA, apresentando-se em salas de concertos como a Musikverein de Viena, a Philharmonie em Colônia e teatros em Düsseldorf, Frankfurt e Lucerna, o Carnegie Hall de Nova York e o Colón de Buenos Aires.

 

Yeruham Scharovsky

O maestro Yeruham Scharovsky iniciou sua formação musical em seu país natal, Argentina, estudando flauta, contrabaixo, composição e direção com professores do Conservatório Nacional de Música de Buenos Aires e do Teatro Colón.

Nos anos 1970, mudou-se para Israel e continuou seus estudos na Rubin Superior Music Academy, em Jerusalém, na qual estudou música e direção de orquestra com o professor Mendi Rodán.

Em 1990, foi eleito por Zubin Mehta para receber o prêmio de Jovem Artista do Ano, consequentemente dirigindo o concerto de gala da Orquestra Filarmônica de Israel.

Regeu a Orquestra Sinfônica Brasileira por seis anos (1998-2004), além de 50 orquestras ao redor do mundo, em mais de 25 anos de profissão.

Paralelamente à sua carreira como maestro internacional, vem desenvolvendo vasta atividade no campo da educação musical, dando masterclasses de Regência orquestral em Israel, Brasil, Colômbia, Alemanha, Itália e Espanha.

Yeruham Scharovsky

 

Itamar Zorman

Desde que venceu o Concurso Tchaikovsky, em Moscou, em 2011, aos 26 anos, e solou ao lado da Orquestra Mariinsky, regido por Valery Gergiev, o violinista Itamar Zorman, nascido em Tel Aviv, tem acumulado outros prêmios importantes e internacionalmente reputados, como a Avery Fisher Career Grant, em 2013, e o Borletti-Buitoni Trust Award de 2014 (concedido por um júri do qual participou a pianista Mitsuko Uchida).

Nos últimos cinco anos, tem-se apresentado ou feito turnês com a Filarmônica de Israel, Sinfônica do Carnegie Hall, Het Gelds Orkest de Amsterdã, Sinfônica de Tóquio, Orquestra de Câmara da Rádio Polonesa, Sinfônica do Estado Russo Novaya Rossiya, Filarmônica de St. Petersburgo, Sinfônica Haifa de Israel e Filarmônica de Baden Baden, entre outras.

Apoiado pela Fundação América-Israel Cultural, tem atuado em inúmeras masterclasses em todo o mundo, trabalhando em conjunto com Itzhak Perlman, Pinchas Zuckerman, Shlomo Mintz, Ida Haendel e Ivry Gitlis, entre outros. Em 2014 lançou seu primeiro CD, Portrait, pelo selo alemão Hänssler, com peças de Schubert, Brahms, Chausson, Hindemith e Messiaen, ao lado do pianista Kwan Yi.

Itamar Zorman se apresenta com um violino Pietro Guarneri, da coleção particular de Yehuda Zisapel.

Itamar Zorman (foto de Richard Blinkoff)

 

Foto do post: David Vinocur

 

SERVIÇO:

 

Orquestra Sinfônica de Jesuralém

Itamar Zorman, violino

Yeruham Scharovsky, regência

 

19 de agosto, domingo, às 17h

Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Praça Floriano, s/n, Centro – Rio de Janeiro. Tels.: 21 2332 9191 e 2332 9134)

 

Ingressos: R$ 420 (plateia e balcão nobre), R$ 300 (balcão superior), R$ 120 (galeria) e R$ 75 (galeria promocional), com meia-entrada para estudantes e pessoas com mais de 60 anos

 

20 e 21 de agosto, segunda e terça-feira, às 21h

Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos – São Paulo. Tel.: 11  3367-9500)

 

Ingressos: R$ 360 / R$ 270 / R$ 180 / R$ 90 / R$ 72, com meia-entrada para estudantes e pessoas com mais de 60 anos

 

Duração aproximada: 90 minutos, com 1 intervalo

 

Livre para todos os públicos

 

Faça seu comentário