Escrito por em 4 out 2018 nas áreas Jazz/Blues, Programação, Rio de Janeiro, São Paulo

Cantora norte-americana de jazz faz shows no Rio de Janeiro e em São Paulo.

 

Ganhadora de cinco Grammy Awards e considerada uma das mais expressivas vozes do jazz mundial, a norte-americana Dianne Reeves volta ao Brasil para concertos no Rio de Janeiro (dia 8 de outubro) e em São Paulo (dia 10). A cantora vem acompanhada de seu quarteto composto por Peter Martin (piano), Romero Lubambo (violão), Reginald Veal (contrabaixo) e Terreon Gully (bateria). No repertório, músicas de seu mais recente álbum, Beautiful Life, vencedor do prêmio Grammy.

Na capital carioca, o show ocorre no dia 8, segunda-feira, às 20h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O evento faz parte da série Jazz All Nights, com produção da Dell’Arte Soluções Culturais e realização da Gaia Produções Artísticas.

Já no dia 10, a apresentação ocorre às 21h, na Sala São Paulo, como parte da série Tucca Música pela Cura, em comemoração aos 20 anos da Tucca – Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer. Toda a arrecadação da bilheteria é doada para o tratamento de crianças e adolescentes carentes com câncer, operando em parceria com o Hospital Santa Marcelina.

 

Dianne Reeves

Considerada por público e crítica como a maior vocalista de jazz da atualidade, Dianne Reeves possui um arsenal de talentos que se evidencia nas músicas do seu ilimitado repertório. O virtuosismo, a destreza no improviso e seu estilo único de jazz e R&B, levaram-na a receber cinco Grammy de melhor álbum vocal de jazz, um doutorado honorário em música da Juilliard School e, mais recentemente, em 2018, a nomeação como jazzmaster do National Endowment of the Arts.

“A voz mágica e atemporal de Dianne, a personalidade excepcional e a força de seu desempenho fazem dela uma artista cativante de classe mundial”. O grande ás do trompete Wynton Marsalis prossegue: “Ela possui uma das vozes mais poderosas, peculiares e precisas do nosso ou de qualquer outro tempo”.

 

Banda

Aclamado pianista de jazz, compositor, arranjador e educador, Peter Martin já percorreu todos os continentes em um sem número de turnês. Foi o responsável pelos arranjos do álbum de Dianne Reeves A Little Moonlight, vencedor do Grammy. Já gravou e participou de turnês com Wynton Marsalis, Chris Botti, Betty Carter, Christian McBride e Joshua Redman e atuou com as Filarmônicas de Berlim e Nova York, e com a Sinfônica de Chicago. Frequentou a Juilliard School e é membro das faculdades da Northwestern University e Southern Illinois University. Além disso, ministra masterclasses em algumas das mais importantes instituições musicais do mundo.

O violonista Romero Lubambo foi para os Estados Unidos em 1985, levando com ele a nova sonoridade do violão de jazz brasileiro. Suas interpretações são uma simbiose da sua herança de ritmos e estilos brasileiros com a fluência na tradição do jazz norte-americano, criando assim um peculiar novo som. Romero se sente à vontade tanto nos ritmos do Brasil, quanto no hard bop ou em qualquer outro estilo jazzístico. Solista excepcional e mestre do improviso, gravou e apresentou-se com alguns dos maiores nomes da música contemporânea, como Michael Brecker, Yo-Yo Ma, Kathleen Battle, Diana Krall, Herbie Mann, Wynton Marsalis, Gal Costa, Kurt Elling, Kenny Barron, Luciana Souza, Sergio e Odair Assad, Ivan Lins, Grover Washington Jr., Flora Purim e Airto, Paquito D’Rivera, Gato Barbieri, Leny Andrade e Cesar Camargo Mariano.

O contrabaixista Reginald “Swingdoom” Veal representa o ideal do equilíbrio artístico entre ideias estéticas e espirituais, mescladas com a consciência do mundo que o cerca. Com uma carreira de mais de três décadas, um dos elementos que mais contribuiu para sua genialidade musical e o impulsionou para a galeria dos maiores baixistas vivos foi sua abertura para todos os gêneros de músicas que tocam a alma. Ele acredita que quando a música vem do coração ela toca o coração… Pessoas próximas a ele dizem que Veal pode ser um não-conformista, mas ele acha que o que os fãs mais gostam é o fato de poderem inspirar-se nele para não seguir a norma. Reginald é previsível, mas de maneira imprevisível. Em outras palavras, ele é um “sopro de ar fresco”.

Vencedor do Grammy e músico extraordinário, o baterista Terreon “Tank” Gully é um dos artistas mais influentes de sua geração. Amplamente reconhecido por sua criatividade, versatilidade e autenticidade, é altamente requisitado. Sua sonoridade inovadora e peculiar levou-o a ser convidado para integrar as bandas de Dianne Reeves, Christian McBride e Stefon Harris. Ele aborda com maestria os mais diversos gêneros musicais. Atuou em turnês e gravações com artistas que vão das lendas do jazz aos modernos mestres da música. Gente como Kurt Elling, David Sanborn, Nicholas Payton, Kenny Barron, Sting, Benny Green Trio, Yerba Buena, Abbey Lincoln, Lizz Wright, Jacky Terrasson, Eldar, Me’Shell NdegeOcello e Lauryn Hill. Professor na University of Manitoba, em Winnipeg, ele também ministra masterclasses em todo o mundo.

 

Jazz All Nights

A série Jazz All Nights foi criada em 2007 com o objetivo de estabelecer uma nova plataforma de música para o Brasil e criar uma nova ponte entre a plateia e o gênero de música do jazz. A série se solidificou rapidamente como um dos principais eventos musicais no calendário do país e, em suas sete edições, já apresentou nomes do quilate de Toots Thielemans, Madeleine Peyroux, Freddy Cole, Terence Blanchard, Arturo Sandoval, Esperanza Spalding, Keith Jarrett, Brad Mehldau e Preservation Hall Jazz Band. Em 2013, a série trouxe o grande Paco de Lucia, para a sua última turnê brasileira.

Em 2018, o projeto foi inaugurado com enorme sucesso pelo baixista americano Thundercat. Em setembro, o PianOrquestra fez a pré-estreia de seu mais recente espetáculo, antes de partir para a Europa, dentro do projeto. A programação inclui, ainda: Michel Camilo Trio e Branford Marsalis.

 

Tucca e Música pela Cura

A Tucca – Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que oferece tratamento multidisciplinar de excelência a crianças e adolescentes carentes com câncer, sem custos ao paciente ou à família. Em 20 anos de atividade, já assistiu mais de 3.000 pacientes, atingindo taxas de cura próximas a 80%, índice 60% acima da média brasileira, igualado somente aos da Europa e dos Estados Unidos. Para otimizar recursos, a Tucca mantém parceria com o Hospital Santa Marcelina e aplica os valores arrecadados direta e exclusivamente no tratamento, pesquisa, diagnóstico precoce e capacitação de profissionais.

Em busca de alternativas para levar adiante a iniciativa de prestar assistência integral a crianças e adolescentes carentes com câncer, começam a vislumbrar novos tons e acordes. Chegam, então, a uma nova ideia: cativar pela música. Naquele momento foi criado o projeto Música pela Cura. Toda a renda obtida com os espetáculos é destinada ao tratamento dos pacientes assistidos pela associação em parceria com o Hospital Santa Marcelina. “A arte a serviço do cuidado traz benefícios a todas as partes envolvidas, ao parceiro, ao colaborador e, em especial, ao paciente”, esta é a tônica do bem-sucedido projeto.

 

Foto: Jerris Madison

 

SERVIÇO:

 

Dianne Reeves e banda

 

8 de outubro, segunda-feira, às 20h

Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Praça Floriano s/n, Centro – Rio de Janeiro. Tel.: 21 2332-9191)

 

Ingressos: R$ 200 (plateia e balcão nobre), R$ 120 (balcão superior) e R$ 60 (galeria), com meia-entrada para estudantes, pessoas com mais de 60 anos e membros do Clube O Globo Sou + Rio; e 30% de desconto para compras feitas pelo site da Dell’Arte

 

10 de outubro, quarta-feira, às 21h

Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos – São Paulo. Tel.: 11 3367-9500)

 

Ingressos: R$ 320 (setor 1), R$ 260 (setor 2), R$ 200 (setor 3), R$ 120 (setor 4) e R$ 100 (setor 5), com meia-entrada para estudantes, pessoas com mais de 60 anos, jovens pertencentes a famílias de baixa renda com idade de 15 a 29 anos, pessoas com deficiências e um acompanhante e servidores da educação (servidores do quadro de apoio – funcionários da secretaria e operacionais – e especialistas da Educação – coordenadores pedagógicos, diretores e supervisores – da rede pública, estadual e municipal, do estado de São Paulo)

 

Faça seu comentário