Escrito por em 6 out 2018 nas áreas Música sinfônica, Programação, São Paulo

Doze solistas se apresentam na Sala São Paulo com a Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro, sob regência de Carlos Moreno.

 

Ao fundar o Mozarteum Brasileiro, em 1981, Sabine Lovatelli se propôs ir além de trazer ao país atrações internacionais de excelência. Com foco em ações socioeducativas, a instituição vem também, desde então, incentivando jovens músicos, compositores e cantores brasileiros, identificando talentos e concedendo bolsas de estudos em academias, escolas e universidades estrangeiras. Para coroar, reconhecer e aplaudir a habilidade musical desses artistas, nos dias 8 e 9 de outubro, às 21h, o Mozarteum promove o concerto Noite das Estrelas, que os coloca sob os holofotes da Sala São Paulo, na capital.

Os solistas são acompanhados pela Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro (OAMB), sob regência de seu maestro titular, Carlos Moreno. No repertório, a composição inédita de Eduardo Frigatti (também bolsista da instituição, que viabilizou seus estudos com o compositor polonês Krzysztof Penderecki), a Aquarela Trancoso, peça inspirada em ritmos e melodias da música brasileira, composta em homenagem ao Festival Música em Trancoso. O programa também tem peças de diferentes períodos e estilos, que marcaram época. Mozart, Verdi, Puccini e Bizet estão entre os compositores escolhidos.

“Procuramos montar um programa que permitisse dar vazão ao talento dos solistas e encantar o público. São composições que exigem muito de cada um, justamente para mostrar suas habilidades, já comprovadas em outros grandes concertos dos quais participaram. Temos orgulho em poder contribuir para essa evolução. Os concertos da Noite das Estrelas serão um marco na vida artística desses artistas e na história do Mozarteum”, afirma Sabine Lovatelli.

Um aspecto comum entre os músicos da OAMB e os solistas do concerto é o fato de terem tido sua formação e carreira incentivadas pelo Mozarteum. Esse apoio abriu oportunidades em várias frentes: entre as 656 bolsas concedidas, 149 foram para instituições na Europa, nos Estados Unidos e na Ásia, 186 para o Canto em Trancoso e 321 para a OAMB.

O reconhecimento é unânime. “Essa iniciativa do Mozarteum é um presente para quem busca crescer musicalmente em outro país, em um ambiente onde a cultura e a música clássica são mais fortes”, diz José Batista Junior, primeiro viola da Israel Chamber Orquestra. “Nós sabemos que muitas vezes o que mais falta para decolarmos na carreira é oportunidade, e o Mozarteum nos abriu as portas, permitindo que os melhores possam aprender com grandes nomes da música nacional e internacional”, afirma a mezzo Marcela Rahal.

 

Jovens solistas

Oriundos de várias regiões do país e intérpretes de diferentes modalidades musicais, os doze solistas de canto e instrumentos, apoiados e revelados pelo Mozarteum, têm uma trajetória de sucesso.

 

Bruno de Sá

Bruno de Sá (soprano)
Nascido em Santo André/SP, iniciou seus estudos de canto na Universidade Federal de São Carlos, onde se graduou em educação musical em 2011. É formado também em Canto Lírico pela Universidade de São Paulo (USP). Bolsista da 1ª academia Canto em Trancoso, foi selecionado para estudar na Chorakademie Lübeck, na Alemanha. No Brasil, venceu o 14º Concurso Maria Callas, conquistou o primeiro lugar na categoria Grande Prêmio Masculino, e obteve outras colocações no Prêmio Especial de Público e no Prêmio Festival de Ópera de Manaus. Também é um dos premiados do 2º Concurso Internacional de Música de Manhattan, com o Prêmio Prata. Durante a temporada 2016/2017, integrou a Academia de Ópera no Theatro São Pedro (SP) e, em 2017, fez sua estreia no festival Música em Trancoso. Atualmente é aluno da professora Margreet Honig, no programa School of Excelence da Musik Akademie Basel, Suíça.

 

Camila Rabelo

Camila Rabelo (soprano)
Nascida em Taubaté/SP, começou seus estudos em 2008, na Escola Municipal de Artes Maestro Fêgo Camargo. É graduada no curso de Canto e Arte Lírica na USP e formada no Ópera Studio da Emesp. Em 2016 foi premida no 14º Concurso Brasileiro de Canto Maria Callas, nas categorias Grande Prêmio Feminino, Prêmio Ópera La Bohème (Mimì) e Prêmio Festival Ópera de Manaus. Já participou da academia Canto em Trancoso e foi uma das selecionadas para o curso de verão da Chorakademie Lübeck, na Alemanha. Recentemente recebeu bolsa para a JSB Bach Akademie, em Stuttgart.

 

Eder Grangeiro

Eder Grangeiro (violino)
Natural de São José dos Campos/SP, iniciou seus estudos musicais aos 7 anos de idade e é formado em música pela Unesp. Atualmente, com 27 anos, é um dos spalla da Camerata Fukuda, da Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro e também da Orquestra Sinfônica de Santo André. Ao lado do violinista Lorenz Nasturica-Herschcowici, interpretou o Concerto para dois violinos, de Bach, no Festival Música em Trancoso de 2017. No mesmo ano, como bolsista do Mozarteum Brasileiro, participou da Summer Academy – Collegium Musicum, em Pommersfelden, Alemanha, onde atuou como chefe de seção e solista. Também foi vencedor do prêmio de melhor Capricho de Paganini, no 16º Concurso de Cordas Paulo Bosísio.

 

Eduardo Frigatti

Eduardo Frigatti (compositor)
Quando adolescente, na Cidade Gaúcha/PR, teve o primeiro contato com as peças do polonês Krzysztof Penderecki, um dos mais importantes compositores vivos de música clássica, e passou a admirá-las. Mais tarde, aos 33 anos, conquistou, por meio de uma bolsa de estudos do Mozarteum Brasileiro, a chance de estudar na Academia de Música de Cracóvia (Polônia), onde começou a ter aulas justamente com Penderecki. Graduado em Música pela Escola de Música e Belas Artes da Universidade Estadual do Paraná e Musicoterapia na FAP/Unespar, fez mestrado na Universidade Federal do Paraná, sob orientação do compositor Maurício Dottori. Realizou também curso de aperfeiçoamento na Emesp.

 

Gabriel Henrique

Gabriel Henrique (tenor)
Nascido em Belo Horizonte/MG, é aluno do professor Roland Schubert na Hochschule für Musik und Theater Felix Mendelssohn Bartholdy, em Leipzig, Alemanha. Estudou canto lírico no Centro de Formação Artística do Palácio das Artes (2009-2012), em Belo Horizonte, parte do bacharelado em música na Pontificia Universidad Católica de Chile (2013-2015), e também teve aulas na Hochschule für Musik Franz Liszt (Weimar, Alemanha). Aprovado pela Academia Internacional Teatro del Lago em Frutillar (Chile), teve a oportunidade de cantar A Paixão Segundo São João, de J. S. Bach, com o especialista Helmuth Rilling.

 

Geisa Santos

Geisa Santos (viola)
Natural de Salvador/BA, começou a estudar violino em um projeto social, aos 14 anos de idade. Aos 17, passou a se dedicar à viola. Em 2007, ingressou no Neojiba e, no mesmo ano, tornou-se a principal violista da Orquestra Juvenil da Bahia. Após diversos intercâmbios e participações em festivais internacionais, como o Summer Academy – Collegium Musicum, em Pommersfelden, Alemanha, e o Festival de Ópera Barga, na Toscana, Itália, Geisa conquistou, com apoio do Mozarteum Brasileiro, em 2013, uma bolsa para estudar na Karajan-Akademie, onde teve aulas com Máté Szucs, primeiro viola solo da Filarmônica de Berlim. Em 2016, foi aprovada para estudar na Frankfurt University of Music and Performing Arts, com a professora Ingrid Zur. Atualmente é integrante da Kammerphilharmonie Frankfurt, na Alemanha.

 

Ian Spinetti

Ian Spinetti (tenor)
O brasiliense iniciou seus estudos em canto erudito na Escola de Música de Brasília, com 23 anos. Após participar da 1ª edição do Canto em Trancoso, destacou-se e conquistou uma bolsa para a Chorakademie Lübeck, na Alemanha, país que escolheu para viver e se aperfeiçoar. Atualmente, cursa bacharelado em Canto Erudito no Leopold Mozart Zentrum, da Universidade de Augsburg.

 

Jessé Reis

Jessé Reis (violino)
Nascido em São Paulo, começou seus estudos de violino aos 3 anos de idade. Seu primeiro professor foi seu pai, Deoclecio Reis, que é violinista. Aos 6 anos, prosseguiu seus estudos com John Splinder (formado pela The Juilliard School de Nova York) e, aos 13, com Pablo De Leon (spalla e solista de violino da Orquestra Municipal de São Paulo). Na mesma idade, integrou a Orquestra Experimental de Repertório, tornando-se o mais jovem músico a ser aprovado em audição da orquestra. Atualmente, com 22 anos, é membro do Moravian Theatre Olomouc e da Bohuslav Martinu Philharmonic, na República Tcheca.

 

José Batista Junior

José Batista Junior (viola)
Atualmente é o principal viola da Israel Chamber Orchestra, sediada em Tel Aviv. Após passar pela Escola Municipal de Música do Estado de São Paulo, Universidade Estadual Paulista e pelo Instituto Baccarelli, para tocar na Orquestra Sinfônica Heliópolis, foi aprovado com bolsa integral na Buchmann Mehta School of Music, em Israel, onde cursou bacharelado na classe de Miriam Hartman. Durante esse período, tocou na Filarmônica de Israel, sob regência de maestros renomados como Zubin Mehta, Gustavo Dudamel, sir András Schiff, Christoph von Dohnanyi. Com apoio do Mozarteum, ingressou na academia da Deutsche Symphonie-Orchester Berlin, tocando com esse renomado grupo durante a temporada 2014-2015. A próxima etapa do jovem violista é o início do mestrado na Frankfurt University of Music and Performing Arts, na classe de Ingrid Zur.

 

Julio Nogueira

Julio Nogueira (contrabaixo)
O paulistano é apaixonado por música desde criança e louco por rock’n’roll. Logo decidiu que queria ser músico e, com isso, iniciou seus estudos aos 13 anos, no Instituto Pão de Açúcar de Desenvolvimento Humano, por meio do Método Jaffé de Ensino Coletivo de Cordas. Atualmente é músico da Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro, professor de música e de contrabaixo, e tem a tão sonhada banda de rock, na qual toca o contrabaixo acústico. Estudou na Escola Municipal de Música e cursou bacharelado em Contrabaixo na Unesp. Em 2017, foi contemplado com uma bolsa de estudos, concedida pelo Mozarteum Brasileiro, para o curso de verão Collegium-Musicum, em Pommersfelden, na Alemanha. No mesmo ano, a convite do maestro Benoît Fromanger, atuou como músico convidado na Sinfônica de Bucareste, em concertos realizados em Trancoso (BA). Em 2018, foi músico convidado nos concertos da Orquestra Sinfônica Estatal Russa Evgeny Svetlanov, em São Paulo, sob regência do maestro Terje Mikkelsen.

 

Marcela Rahal

Marcela Rahal (mezzo-soprano)
Natural de Jaciara/MT, é formada em Canto Lírico pela USP e atualmente trabalha no Coro Filarmônico de Campinas. Participou de diversas academias de canto no Brasil, como a Academia da Ópera de São Pedro (2016 a 2017) e o Canto em Trancoso (2015 e 2016). Em 2018, venceu o concurso Jovens Solistas da Osesp. Principais papéis da sua carreira: Príncipe Orlofsky (ópera O Morcego, de Strauss), Segunda Dama (A Flauta Mágica, Mozart), Marchesa Melibea (Il Viaggio a Reims, Rossini), Miss Jessel (A Volta do Parafuso, Britten), Miss Todd (The Old Maid and the Thief, Menotti).

 

Vinicius Costa

Vinicius Costa (barítono)
Paulista, 23 anos, iniciou seus estudos como trompista no Programa Guri Santa Marcelina, em 2009, e, em 2014, na mesma instituição, começou a estudar canto. No ano seguinte ingressou na Escola Municipal de Música de São Paulo no curso de canto e, no mesmo ano, ingressou no Coral Jovem do Estado – Emesp Tom Jobim. Em 2016 foi aprovado no Coral Acadêmico da Osesp, sob regência de Marcos Tadeu. Vinícius participou da segunda e terceira edições da academia Canto em Trancoso, sob direção do maestro Rolf Beck. No Canto em Trancoso de 2017 foi solista da obra Carmina Burana, de Carl Orff, e, ao final da academia, foi contemplado com uma bolsa de estudos na Chorakademie Lübeck, na Alemanha, onde foi aprovado para o curso de bacharel em Canto na Hochschule für Musik, em Basel (Suíça). Em agosto de 2018, no papel de Zuñiga, participou da ópera Carmen, de Bizet, no Teatro Bradesco, em São Paulo.

 

Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro

A OAMB é outra iniciativa do Mozarteum Brasileiro, que anualmente seleciona jovens músicos para integrarem a orquestra. Este ano sua formação é composta por 66 bolsistas e 16 músicos profissionais, que também atuam como tutores.

A OAMB já tem uma história consolidada de apresentação em grandes concertos, além de participar do Festival Música em Trancoso. Desde sua criação, em 2016, vem conquistando público, além de elogios da crítica. Já dividiu o palco com aclamadas estrelas do cenário erudito internacional, como a soprano alemã Diana Damrau, uma das maiores cantoras líricas da atualidade, e, em agosto, a soprano russa Anna Netrebko, apontada pela crítica como a mais bela voz do mundo. Com essa bagagem, a experiência e o alto nível da orquestra e dos solistas, o espetáculo promete ser surpreendente.

Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro

 

PROGRAMA:

Abertura Vittoria
Carlos Eduardo Moreno

Wolfgang A. Mozart (1756-1791)
Non più andrai, de As Bodas de Fígaro
Vinicius Costa, barítono

Giovanni Bottesini (1821-1889)
Grand duo concertante para violino e contrabaixo | 1º movimento – Alegro Maestoso
Eder Grangeiro, violino
Julio Nogueira, contrabaixo

Giacomo Puccini (1858-1924)
Sì, mi chiamano Mimì, de La Bohème
Camila Rabelo, soprano

Charles Gounod (1818-1893)
Ah! Lève-toi, soleil!, de Romeu e Julieta
Gabriel Henrique, tenor

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Romance em fá maior, Op. 50
Geisa Santos, viola

Vicenzo Bellini (1801-1835)
Se Romeo t’uccise un figlio, de I Capuleti ed i Montecchi
Bruno de Sá, soprano

Eduardo Frigatti
Aquarela Trancoso (estreia mundial)

Dmitri Shostakovich (1906-1975)
Concerto n. 1 para violino | 4º movimento – Burlesque
Jessé Reis, violino

Georges Bizet (1838-1875)
Habanera, de Carmen
Marcela Rahal, mezzo-soprano

Ernest Bloch (1880-1959)
Suíte Hébraique | 3º movimento – Affirmation
José Batista Júnior, viola

Franz Lehár (1870-1948)
Yours is my heart alone, de O país do sorriso
Ian Spinetti, tenor

Giuseppe Verdi (1813-1901)
Brindisi, de La Traviata
Todos

*Programa sujeito a alterações

 

Foto do post: Marcos Hermes

 

SERVIÇO:

 

Concerto “Noite das Estrelas”

 

Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro

Solistas de canto e instrumentos

Carlos Moreno, regência

 

8 e 9 de outubro, segunda e terça-feira, às 21h

Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos – São Paulo. Tel.: 11 3367-9500)

 

Ingressos: R$ 500 (setor A), R$ 400 (setor B), R$ 250 (setor C) e R$ 150 (setor D), com meia-entrada para estudantes e pessoas com mais de 60 anos

 

Faça seu comentário