Escrito por em 15 out 2018 nas áreas Cinema, Festival, Lateral, Ópera, Programação, Rio de Janeiro

Festival leva 12 récitas inéditas para o Parque Lage, de 27 de outubro a 8 de novembro.

 

Integrado à agenda cultural carioca, o Festival Ópera na Tela, em sua quarta edição, retorna ao Parque Lage, na zona sul do Rio de Janeiro, exibindo 12 óperas inéditas e recentes (2017/2018) em um telão em uma tenda cristal ao ar livre montada especialmente para o evento. De 27 de outubro a 8 de novembro, o público pode assistir a montagens clássicas e célebres apresentadas em teatros de Paris, Milão, Roma, Barcelona, Praga, Berlim, Salzburgo e Bayreuth, entre outros grandes palcos líricos.

O festival dá ao público mais uma vez a oportunidade de se emocionar com os maiores cantores do mundo: com destaques este ano para Anna Netrebko (presente em três óperas: Aída, Macbeth e Andrea Chénier), Plácido Domingo (Macbeth), Aida Garifullina (Romeu e Julieta e La Bohème), Anja Harteros (Tosca) e o tenor brasileiro Atalla Ayan (La Bohème). Também estão presentes regentes lendários, como Riccardo Muti (Aída), Daniel Barenboim (Macbeth), Plácido Domingo (Don Giovanni), Riccardo Chailly (Don Pasquale e Andrea Chénier) e Christian Thielemann (Tosca e Tristão e Isolda).

Entre os destaques deste ano estão Don Giovanni, dirigida por Plácido Domingo, em uma reconstituição da regência de Mozart no Teatro dos Estados de Praga há 230 anos; Tristão e Isolda, apresentada no Festival de Bayreuth, evento concebido pelo compositor Wagner; La Bohème, em uma versão futurista que se passa na Lua, vista na Ópera Nacional de Paris, e Carmen, em uma montagem que reflete a crise de imigração e se passa na fronteira entre México e Estados Unidos.

Nesta edição, as obras Boris Godunov, Don Pasquale, Turandot, Andréa Chenier, Tristão e Isolda e Romeu e Julieta são apresentadas pela primeira vez no âmbito do Festival.

Após as exibições no Parque Lage, os filmes do festival chegarão aos cinemas de mais de 20 cidades brasileiras, nas quais ficarão em cartaz até outubro de 2019.

No Rio de Janeiro, além da programação a céu aberto e nos cinemas, haverá uma masterclass de canto lírico com Raphaël Sikorski, renomado técnico vocal francês, responsável pelo treinamento dos principais nomes da ópera da atualidade. A atividade é gratuita e ocorre no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. (Saiba mais)

Estão programadas também ações educativas coordenadas pelo maestro Ricardo Prado, especialista em educação musical. No ano passado foram oferecidas quatro sessões para cerca de 200 alunos de escolas públicas e particulares. Este ano estão previstas quatro sessões, sempre no Cine Odeon Net Claro, na Cinelândia.

 

Destaques

Don Giovanni é um dos principais destaques da programação da quarta edição do Festival Ópera na Tela. A montagem, dirigida por Jiří Nekvasil, foi regida pelo famoso tenor lírico e maestro espanhol Plácido Domingo no Teatro dos Estados de Praga, em uma reconstituição perfeita da primeira regência de Mozart da peça de sua autoria, feita há 230 anos no mesmo local, quando este se chamava Teatro Nostitz. A produção levou cinco anos até sair do papel desde que Domingo a idealizou como uma homenagem ao compositor austríaco.

Neste ano, a mostra de filmes no Parque Lage exibe pela primeira vez uma ópera apresentada no exclusivo Festival de Bayreuth, local concebido por Richard Wagner e que se tornou uma meta de peregrinação dos entusiastas de sua obra. O público pode assistir a uma montagem de Tristão e Isolda dirigida por Katharina Wagner, bisneta do compositor. Isso sem a espera de até sete anos por um ingresso, como ocorre para as apresentações do festival na cidade alemã.

O tenor brasileiro Atalla Ayan poderá ser visto em uma versão inventiva passada na Lua em La Bohème, no papel de Rodolfo, um dos protagonistas da história dos jovens artistas que vivem na penúria. A seu lado, a soprano australiana Nicole Carr, no papel de Mimi, e a russa Aida Garifullina, que cantou com Robbie Williams na abertura da Copa do Mundo da Rússia, no papel de Musetta. A montagem dirigida por Claus Guth e sob a batuta de Gustavo Dudamel, um dos principais regentes de sua geração, foi apresentada na Ópera Nacional de Paris.

A montagem de Carmen dirigida por Valentina Carrasco ao ar livre nas Termas de Caracalla, em Roma, transpôs o drama passional vivido pela cigana e o soldado Don José na fronteira entre México e Estados Unidos. A proposta é refletir sobre a crise de imigração e debater questões contemporâneas por meio de uma mise-en-scène moderna e engajada, porém respeitando fielmente a partitura original.

Entre as outras óperas da programação estão títulos conhecidos pelo grande público – com nova montagem – como Romeu e Julieta, de Charles Gounod, dirigida por Stephen Lawless e regida por Josep Pons, encenada no Grande Teatro do Liceu de Barcelona, com Aida Garifullina e Saimir Pirgu nos papéis-título; e Macbeth, de Giuseppe Verdi, apresentada na Ópera do Estado de Berlim, com direção de Harry Kupfer e regência de Daniel Barenboim, com Anna Netrebko e Placido Domingo interpretando o casal principal. Ambas são inspiradas na obra teatral de William Shakespeare.

Os amantes das obras italianas terão mais opções de óperas cantadas na língua do país onde o gênero surgiu. De Giacomo Puccini, o festival apresenta Tosca, encenada no Festival de Páscoa de Salzburgo e dirigida por Michael Sturminger, com Anja Harteros como protagonista; e Turandot, apresentada no Teatro Regio di Torino com direção espetacular de Stefano Poda. Há também Aída, dirigida pela cineasta iraniana Shirin Neshat no Festival de Páscoa de Salzburgo, com Anna Netrebko no papel-título; Andrea Chénier, dirigida por Mario Martone no Teatro Nacional da Baviera, e Don Pasquale, dirigida por Davide Livermore, em uma encenação digna de Fellini, no Teatro alla Scala de Milão.

Já para os entusiastas das óperas cantadas em russo, a opção é Boris Godunov, de Modest Mussorgsky, obra emblemática da ópera russa, baseada em livro homônimo de Alexander Pushkin, que reflete a respeito da solidão do poder por meio do reino trágico de Boris, czar de todas as Rússias entre 1598 e 1605. A peça lírica foi apresentada na Ópera Nacional de Paris, com direção de Ivan van Hove, regência de Vladimir Jurowski, e o famoso baixo Ildar Abdrazakov no papel de Boris.

Os ingressos no Parque Lage, no Rio de Janeiro, têm valores acessíveis a todos os públicos (R$ 24, inteira) e nos cinemas valores praticados de acordo com a bilheteria.

 

Programação

Sábado, 27 de outubro

Tosca, de G. Puccini
Ópera em três atos (2h45)
Festival de Páscoa de Salzburgo
Regência: Christian Thielemann
Direção: Michael Sturminger
Orquestra Estatal de Dresden
Elenco: Anja Harteros, Aleksandrs Antonenko, Ludovic Tezier, Andrea Mastroni, Mikeldi Atxalandabaso, Rupert Grössinger, Matteo Peirone
Sinopse: A cantora Floria Tosca e o pintor Mario Cavaradossi se apaixonam. O chefe da polícia de Roma, o barão Scarpia, que deseja possuir Tosca, persegue um prisioneiro político que se esconde na casa de Cavaradossi. Carpia manda que Cavaradossi seja torturado até que Tosca aceite se entregar a ele. Tido como um traidor, Cavaradossi deve morrer. Scarpia promete a Tosca que a execução será apenas simulada.

Tosca

 

Domingo, 28 de outubro

Macbeth, de G. Verdi
Melodrama em quatro atos (3h)
Ópera do Estado de Berlim
Regência: Daniel Barenboim
Direção: Harry Kupfer
Elenco: Plácido Domingo, Anna Netrebko, Kwangchul Youn, Fabio Sartori, Florian Hoffmann
Sinopse: Depois de ter vencido uma batalha importante, o comandante Macbeth é informado sobre uma profecia segundo a qual um dia se tornará Rei da Escócia. Influenciado por sua mulher, ele se mostra disposto a tudo – mesmo a cometer um assassinato – para que a profecia se cumpra. Porém logo cairá vítima de seu próprio cinismo e de sua insaciável sede de poder.

Macbeth

 

Segunda-feira, 29 de outubro

Don Giovanni, de W. A. Mozart
Drama jocoso em dois atos (3h)
Teatro dos Estados de Praga
Regência: Plácido Domingo
Direção: Jiří Nekvasil
Elenco: Simone Alberghini, Irina Lungu, Dmitry Korchak, Julia Novikova, Kateřina Kněžíková, Jiri Bruckler, Adrian Sampetrean
Sinopse: Caracterizado ora como um libertino obcecado por sexo, ora como um campeão da liberdade, Don Giovanni encarna ao mesmo tempo o mito do sedutor punido e o protesto contra uma concepção antiquada da moral e da vida. Intemporal, a obra marca também uma transição musical entre as fórmulas associadas à ópera do passado e aquelas do drama musical moderno.

Don Giovanni

 

Quarta-feira, 31 de outubro

Boris Godunov, de M, Mussorgsky
Drama em um prólogo e quatro atos (2h30)
Ópera Nacional de Paris
Regência: Vladimir Jurowski
Direção: Ivan van Hove
Coro, balé e orquestra da Ópera Nacional de Paris
Elenco: Ildar Abdrazakov, Evdokia Malevskaya, Ruza nMantashyan, Alexandra Durseneva, Maxim Paster
Sinopse: Rússia, séculos 16-17. Para conquistar o poder, Boris Godunov manda assassinar Dimitri, filho de Ivan, o Terrível, e herdeiro legítimo do trono. Consegue, então, ser coroado com o aval da aclamação popular. Contudo, cinco anos depois, o país se vê castigado pela peste e pela fome. Boris passa a ser recriminado por ter atraído essas desgraças. Grigori, um jovem monge que se faz passar por Dimitri, convence o rei da Polônia a invadir a Rússia, e Boris, atormentado pelo remorso e pela culpa, mergulha na loucura, enquanto Grigori usurpa seu poder.

Boris Godunov

 

Quinta-feira, 1° de novembro

Tristão e Isolda, de R. Wagner
Ópera em três atos (4h10)
Festival de Bayreuth
Direção: Katharina Wagner
Elenco: Stephen Gould, René Pape, Petra Lang, Iain Paterson, Raimund Nolte, Christa Mayer
Sinopse: Morold, noivo de Isolda, filha do rei da Irlanda, é morto por Tristão, sobrinho do rei da Cornualha. Porém Tristão é ferido pela espada envenenada de Morold. Isolda, por sua vez, que é a única a dispor do antídoto, decide se vingar do homem que lhe roubou o seu grande amor. Tristão e Isolda, contudo, acabam por se apaixonar. Dividida entre o ódio, a vergonha de ser assim entregue ao vassalo de seu pai por aquele que matou seu noivo e ainda o amor impossível que ela nutre por Tristão, Isolda decide se unir a ele na morte.

Tristão e Isolda

 

Sexta-feira, 2 de novembro

Turandot, de G. Puccini
Ópera em três atos (2h)
Teatro Regio de Turim
Regência: Gianandrea Noseda
Direção: Stefano Poda
Orquestra e coro do Teatro Regio di Torino
Elenco: Rebeka Lokar, Jorge de León, Erika Grimaldi, In-Sung Sim, Antonello Ceron, Marco Filippo Romano, Luca Casalin, Mikeldi Atxalandabaso
Sinopse: A princesa Turandot, filha do imperador Altum, da China, odeia todos os homens e jura que jamais se entregará a um deles. Essa aversão tem sua origem no estupro e assassinato da princesa Lo-u-Ling, fato que a deixou traumatizada para sempre. Sob a pressão do pai, ela aceita se casar. Porém impõe uma condição: ela proporá três enigmas a todos os candidatos, que serão decapitados caso não consigam desvendá-los. Desse modo, ela somente se casará com aquele que decifrar as três dificílimas charadas.

Turandot

 

Sábado, 3 de novembro

La Bohème, de G. Puccini
Ópera em quatro atos (2h10)
Ópera Nacional de Paris
Regência: Gustavo Dudamel
Direção: Claus Guth
Orquestra e coro da Ópera Nacional de Paris
Elenco: Nicole Car, Aida Garifullina, Atalla Ayan, Artur Ruciński
Sinopse: Inspirado em Scènes de la vie de bohème, de Murger, esta ópera coloca em cena jovens artistas que vivem na penúria e que sonham com uma outra vida. Puccini nos oferece, através da relação entre o poeta Rodolfo e a frágil Mimi, uma história de amor comovente e algumas de suas mais belas páginas no universo da ópera. A montagem dessa nova produção situa o drama em um futuro sem esperança, no qual o amor e a arte se tornam o derradeiro caminho para a transcendência.

La Bohème

 

Domingo, 4 de novembro

Carmen, de G. Bizet
Ópera cômica em quatro atos (2h40)
Teatro dell’Opera di Roma – Termas de Caracalla
Regência: Ryan McAdams
Direção: Valentina Carrasco
Orquestra, Coro e Corpo de Baile do Teatro dell’Opera di Roma
Elenco: Veronica Simeoni, Roberto Aronica, Rosa Feola, Alexander Vinogradov, Alessio Verna, Daniela Cappiello, Anna Pennisi
Sinopse: O tradicional drama passional entre a cigana Carmen e o soldado Don José é aqui apresentado no contexto da crise em torno da questão da imigração na América do Norte e se desenrola na fronteira entre o México e os Estados Unidos. Enfaticamente contemporânea, nem por isso essa produção deixa de respeitar fielmente a partitura original.

Carmen

 

Segunda-feira, 5 de novembro

Andrea Chénier, de U. Giordano
Drama histórico em quatro atos (2h)
Teatro alla Scala de Milão
Regência: Riccardo Chailly
Direção: Mario Martone
Coro, balé e orquestra do Teatro alla Scala
Elenco: Yusif Eyvazov, Luca Salsi, Anna Netrebko, Annalisa Stroppa, Mariana Pentcheva
Sinopse: Durante o período do terror na Revolução Francesa, o tribunal revolucionário condena à morte o poeta Andrea Chénier. Este, contudo, decide não fugir, pois precisa descobrir quem está por trás das cartas que o denunciaram.

Andrea Chénier

 

Terça-feira, 6 de novembro

Don Pasquale, de G. Donizetti
Ópera-bufa em três atos (2h05)
Teatro alla Scala de Milão
Regência: Riccardo Chailly
Direção: Davide Livermore
Orquestra e coro do Teatro alla Scala de Milão
Elenco: Ambrogio Maestri, Rosa Feola, René Barbera, Mattia Olivieri
Sinopse: Don Pasquale prefere deserdar o sobrinho Ernesto a vê-lo casado com Norina, a quem considera “inadequada”. Decide então ele mesmo se casar, de modo a ter seus próprios herdeiros. O Dr. Malatesta propõe que ele se case com sua irmã, que vem a ser ninguém menos do que aquela por quem Ernesto está apaixonado, Norina, disfarçada como uma jovem tímida, saída de um convento. Logo a jovem se revela uma autêntica megera, a ponto de Don Pasquale se arrepender de sua decisão.

Don Pasquale

 

Quarta-feira, 7 de novembro

Romeu e Julieta, de C. Gounod
Ópera em cinco atos (2h30)
Grande Teatro do Liceu de Barcelona
Regência: Josep Pons
Direção: Stephen Lawless
Coro e orquestra do Liceu Opera Barcelona
Elenco: Aida Garifullina, Saimir Pirgu, Tara Erraught, Susanne Resmark, Isaac Galán, Ruben Amoretti, Nicola Ulivieri
Sinopse: Julieta foi prometida ao conde Páris, mas acaba se apaixonando por Romeu, cuja família está em conflito aberto com a sua. Frei Lourenço promete auxiliar os amantes na expectativa de que a união ajude a reconciliar as duas famílias. Contudo, é o oposto que acontece, com a rivalidade se exacerbando ainda mais. Frei Lourenço sugere uma estratégia, cujo fracasso terminará por levar os dois amantes à morte.

Romeu e Julieta

 

Quinta-feira, 8 de novembro

Aída, de G. Verdi
Ópera em quatro atos (2h30)
Festival de Páscoa de Salzburgo
Regência: Riccardo Muti
Direção: Shirin Neshat
Elenco: Anna Netrebko, Roberto Tagliavini, Ekaterina Semenchuk, Francesco Meli, Dmitry Belosselskiy, Luca SalsI
Sinopse: Mênfis e Tebas na época dos faraós. O rei do Egito se encontra em guerra com Amonasro, rei da Etiópia, cuja filha, Aída, é mantida prisioneira por seus inimigos, tendo se tornado escrava da bela Amnéris, filha do faraó. Ambas se apaixonam por um jovem oficial chamado Radamés, que deve liderar os soldados no ataque aos etíopes. Radamés ama Aída e ignora que é contra o pai dela que terá de combater.

Aída

 

Faça seu comentário