Escrito por em 28 nov 2018 nas áreas Lateral, Ópera, Programação, São Paulo

Academia de Ópera e Orquestra Jovem do Theatro São Pedro 

No primeiro fim de semana dezembro, a Academia de Ópera e a Orquestra Jovem do Theatro São Pedro – instituição da Secretaria da Cultura do Estado, gerida pela organização social Santa Marcelina Cultura – apresentam As Alegres Comadres de Windsor, em formato pocket ópera. Uma obra do compositor e maestro alemão Carl Otto Nicolai adaptada da comédia de William Shakespeare.

Sob direção cênica de Mauro Wrona e Norma Gabriel, e regência do maestro Gabriel Rhein-Schirato – um dos nomes da nova geração de maestros brasileiros – os grupos artísticos de formação em canto lírico e interpretação do repertório operístico respectivamente, sobem ao palco do Theatro São Pedro nos dias 1 e 2 de dezembro. No sábado, o espetáculo é às 20h e no domingo, mais cedo, às 17h. Os ingressos custam de R$ 15 a R$ 40 (inteiras).

Com libreto de Salomon Hermann Mosenthal, a ópera estreou em março de 1849. A trama se passa durante o reinado de Henrique IV (1553-1610) e gira em torno de um cavaleiro decadente chamado Sir John Falstaff que tenta levar vantagem sobre duas mulheres casadas, tentando seduzi-las para depois aplicar um golpe. Porém, as duas amigas, Sra. Fluth e Sra. Reich, colocam Falstaff em diversas situações embaraçosas e, muitas vezes, ridículas.

Para Mauro Wrona, a obra dialoga diretamente com alguns ideais feministas e sua força está nas três mulheres que a protagonizam. “O mais incrível de Shakespeare é que ele sempre vai ser muito atual. Mesmo sendo uma história escrita no começo do século XVII, fica muito claro o intuito de salientar o juízo do empoderamento da mulher diante da sociedade dominada pela figura do homem galanteador”, afirma. E com a música de Nicolai, isso fica mais evidente.

A Academia de Ópera do Theatro São Pedro tem o compromisso de contribuir para a formação de novos cantores líricos brasileiros, atualmente conta com 16 bolsistas e sua proposta pedagógica contempla uma grade contínua de atividades, como aulas, workshops e montagens de pocket ópera, com o objetivo de preparar os alunos para o mundo profissional. Dessa forma, a Academia promove oportunidades práticas de desenvolvimento artístico aos jovens cantores por meio de espetáculos encenados com orquestra e formações de câmara.

A Orquestra Jovem do Theatro São Pedro faz parte do núcleo de Grupos Artísticos de Bolsistas da EMESP Tom Jobim, integrando ainda mais o plano artístico e pedagógico da escola, uma das marcas da gestão da Santa Marcelina Cultura.

 

FICHA TÉCNICA

Gabriel Rhein-Schirato, regência
Mauro Wrona e Norma Gabriel, direção cênica
Alexsander Ribeiro de Lara e Wesley Rocha, pianistas preparadores
Anderson Bueno, visagismo

Elenco

Frau Fluth | Laís Assunção/Daiane Scales
Frau Reich | Nathalia Serrano/ Fernanda Nagashima
Anna Reich | Elisa Braga/Luíza Aguiar
Sir John Falstaff | Anderson Barbosa
Herr Reich | Gustavo Lassen
Fenton | Rodrigo Kenji
Junker Spärlich | Eduardo Gutierrez
Dr. Cajus | Nelmon Henrique
Herr Fluth | Charles Miyazaki

 

PROGRAMA

 Carl Otto Nicolai
As Alegres Comadres de Windsor (1849)

 


SERVIÇO  

 

Dias 01 de dezembro, sábado, às 20h e 02 de dezembro, domingo, às 17h

Theatro São Pedro (Rua Barra Funda, 161 – Barra Funda, São Paulo/SP – (11) 3661-6600 )

Ingressos: R$ 15 a R$ 40 (inteiras)
Plateia: R$ 40 inteira | R$ 20 meia
1º Balcão: R$ 25 inteira | R$ 12,50 meia
2º Balcão: R$ 15 inteira | R$ 7,50 meia

Duração: 95 minutos com intervalo de 20 minutos

Classificação indicativa: livre

Acessibilidade: Sim

Vendas pela internet: ingressorapido.com.br

 

Ponto de Venda sem Taxa de Conveniência

Endereço: Rua Barra Funda, 171, Barra Funda (esquina com a Rua Albuquerque Lins, próximo ao Metrô Marechal Deodoro) – São Paulo/SP

Telefone: (11) 3661-6600

Horário de atendimento ao público:

Quarta a sexta-feira: das 12 às 17h

Sábado: das 10 às 14h

Domingo, segunda-feira, terça-feira e feriados: somente quando houver apresentação.

Em dias de apresentações, a bilheteria será aberta 2 horas antes do início da apresentação.

Descontos: estudantes, pessoas acima dos 60 anos e professores da rede pública estadual, devidamente identificados, têm desconto de 50%.

 


Gabriel Rhein-Schirato,
regência

 Atualmente é coordenador do Opera Studio do Theatro Municipal de São Paulo na Escola Municipal de Música de São Paulo. Estreou regendo a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo em uma das récitas comemorativas dos 45 anos de fundação do Ballet da Cidade, em setembro de 2013. Em setembro de 2016 fez sua estreia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro à frente da Orquestra Sinfônica da UFRJ, em concerto com os cantores da Academia de Ópera Bidu Sayão. Entre 2011 e 2014, foi Maestro-Assistente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais no Palácio das Artes – Belo Horizonte.

Iniciando seus estudos e sua carreira musical como pianista, concluiu sua graduação em piano e regência no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo sob orientação de Gilberto Tinetti, Aylton Escobar, Benito Maresca e Marco Antônio da Silva Ramos. Ao final do curso, foi congratulado com a “Láurea por Excelência Acadêmica”, concedida pelo reitor aos melhores alunos da universidade dentre todos os cursos. Prosseguiu por quatro anos seus estudos de especialização (Weiterbildungstudium) e pós-graduação (Künstlerische Ausbildung Zusatstudium) nas cidades de Stuttgart e Bremen (Alemanha), sob orientação de Patrick o’Byrne, tendo concluído seus exames finais com notas máximas.

 

Mauro Wrona, direção cênica

Coordenador do Ópera Estudio da Emesp, desde 2004, em 2017 assumiu a coordenação da Academia de Ópera do Theatro São Pedro. Atuou durante trinta anos como cantor lírico (tenor) no Brasil e na Europa, onde permaneceu durante vinte anos. De volta ao Brasil em 1997, iniciou intensa atividade na direção cênica de óperas, destacando-se nas produções das séries Ópera do Meio-Dia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (2000-01) e no Theatro São Pedro, de São Paulo (2004-07). Foi diretor cênico residente da Cia. Brasileira de Ópera, dirigida pelo M. John Neschling (2010). Laureado em regência pela Faculdade Santa Marcelina, regeu a série Ópera Café no Centro de Cultura Judaica (2008-2010). Desde 2011 dirige o Festival de Ópera do Theatro da Paz, de Belém do Pará.

 

Norma Gabriel, direção cênica

Atualmente é professora da EMESP Tom Jobim (Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim), na Academia de Ópera do Theatro São Pedro sob coordenação de Mauro Wrona. Norma Gabriel Brito é Pós-Graduada pela Escola de Teatro Célia Helena em Direção Teatral. Participou do CPT (Centro de Pesquisas Teatrais) no espetáculo Drácula e Outros Vampiros sob direção de Antunes Filho, na montagem de Sonho de Uma Noite de Verão (Willian Shakespeare) e na remontagem de Ubu (Alfred Jarry) com direção de Cacá Rosset. Realizou o espetáculo Os Lusíadas, de direção de Iacov Hilel e o espetáculo Sábado, Domingo e Segunda (Nicete Bruno Produções Artísticas) com a direção de Marcelo Marchioro.

Tem formação em dança clássica com as professoras Cecília Kerche e Greice Kerche na Escola Irmãs Kerche, formação de dança moderna no Ballet Stagium e dança contemporânea com João Andreazzi. Estudou canto lírico com a professora Efigênia Côrtes e participou do espetáculo As Troianas-Vozes da Guerra, com direção de Zé Henrique de Paula com indicação de 2 Prêmios Shell 2009 para melhor direção cênica e musical para Fernanda Maia. Premiada pela APCA em 2012, como melhor atriz na categoria Teatro Infantil pelo Grupo As Meninas do Conto com o espetáculo Bruxas, Bruxas…e Mais Bruxas, se formou em 2013 no curso de Canto-Lírico pela Faculdade FIAM-FAAM.

 

Santa Marcelina Cultura

Criada em 2008, a Santa Marcelina Cultura é uma associação sem fins lucrativos, qualificada como Organização Social, qualificada como Organização Social de Cultura pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura do Estado. É responsável pela gestão do Guri da capital e região Metropolitana de São Paulo e da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP Tom Jobim). O objetivo da Santa Marcelina Cultura é desenvolver um ciclo completo de formação musical integrado a um projeto de inclusão sociocultural, promovendo a formação de pessoas para a vida e para a sociedade. Desde maio de 2017, a Santa Marcelina Cultura também gere o Theatro São Pedro, desenvolvendo um trabalho voltado a montagens operísticas profissionais de qualidade aliado à formação de jovens cantores e instrumentistas para a prática e o repertório operístico, além de se debruçar sobre a difusão da música sinfônica e de câmara com apresentações regulares no Theatro.

 

 

Faça seu comentário