Escrito por em 26 nov 2018 nas áreas Canto, Lateral, Ópera, Programação, Rio de Janeiro

Destaque da tarde para “Árias, Duos e Trios de Óperas Célebres”

No próximo sábado, dia 1º de dezembro, acontece o 19º Concerto de Música Clássica na Paróquia dos Santos Anjos, uma série que traz ao público carioca músicos eruditos consagrados no Brasil e até internacionalmente. Desta vez, o destaque da tarde será “Árias, Duos e Trios de Óperas Célebres”, com as premiadas cantoras líricas Luciana Costa e Silva (mezzo-soprano), Marina Consídera (soprano) e Chiara Santoro (soprano coloratura), acompanhadas pela notável pianista Maria Luísa Lundberg. No repertório, obras consagradas de Monteverdi, Mozart, Puccini, Bizet, Delibes, Richard Strauss e Leonard Berstein.

 

PROGRAMA

Claudio Monteverdi (1567-1643)
L’incoronazione di Poppea: Pur ti miro, pur ti godo, 1642
– Chiara & Luciana

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Le Nozze di Figaro: Sull’aria,1786
– Chiara & Marina

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Così fan tutte: Prenderò quel brunettino,1790
– Luciana & Marina

Giacomo Puccini (1858-1924)
Tosca: Vissi d’arte,1878
– Marina

Léo Delibes (1831-1891)
Lakmé : Duo des fleurs,1883
– Chiara & Luciana

Georges Bizet (1838-1875)
Carmen: Habanera,1875
– Luciana

Leonard Bernstein (1918-1990)
West Side Story: A boy like that, 1957
– Chiara & Luciana

Giuseppe Verdi (1813-1901)
Rigoletto: Caro nome, 1851
– Chiara

Giacomo Puccini (1858-1924)
Madame Butterfly: Un bel di vedremo, 1904
– Marina

Giacomo Puccini
(1858-1924)
Madame Butterfly: Tutti i fior, 1904
– Luciana & Marina

Richard Strauss (1864-1949)
Der Rosenkavalier: Trio Final, 1911
– Chiara & Luciana & Marina

 


Chiara Santoro

É Bacharel em canto pela UNIRIO, com pós-graduação no Conservatório Santa Cecília de Roma. Concluiu o Biennio com nota máxima e menção de louvor. Estudou no Opera Studio da Accademia Nazionale di Santa Cecilia com Renata Scotto e na França com Teresa Berganza no Festival de Bougival. Obteve o 1º prêmio no VII Concorso Nazionale di Canto A.Gi.Mus em Roma e o prêmio de Melhor Interpretação no VII Concurso Principessa Trivulzio em Milão. Foi uma das vencedoras do Concurso Maria Callas 2013 em São Paulo.

Em suas performances destaca-se o repertório mozartiano: Zerlina em Don Giovanni (Rio, Roma e Paris respectivamente com a Orquestra da UFRJ, Rome Festival Orchestra e Festival de Bougival), Pamina na Flauta Mágica (Rome Festival Orchestra), Aminta em Il Re Pastore (OSB O&R),  Blondchen em O Rapto no Serralho (Projeto Ópera no Bolso), Susanna em As Bodas de Fígaro (Orquestra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro) e a parte solista no Requiem (Praga Simphonietta) e na Litaniae di Altaris  Venerabilis (Sinfônica de Karlovy Vary). Cantou também os papéis de Manon e Thais de Massenet na série lírica Finep-Rádio MEC. Fez parte da Academia de Ópera do Theatro São Pedro onde debutou como A Moça na ópera inédita O menino e a Liberdade de Ronaldo Miranda e como Nannetta em Falstaff de Verdi, entre outros inúmeros recitais e concertos.

 

Luciana Costa e Silva  

É Mestre em Ópera pela Royal Scottish Academy of Music and Drama, e Mestre em Voice Performance pela Guildhall School of Music and Drama. Obteve o 1º lugar nos Concursos de Canto: Amália Conde no Rio de Janeiro; Academia Vocalis Tirolensis em Wörgl e The Margret Dick Award em Glasgow. Foi regida por maestros de renome, destacando-se: Lígia Amadio, Christian Curning, Roberto Duarte, Isaac Karabitchevsky, Luiz Fernando Malheiro, Roberto Minczuk, Carlos Moreno, Guillermo Scarabino, Sílvio Viegas, Tobias Volkmann, dentre outros.

Apresentou-se em diversos festivais de música clássica, entre eles: Festival Internacional de Sarrebourg na França; Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora; Festival Vale do Café no Rio de Janeiro; Festival Amazonas de Ópera em Manaus.

Dentre os inúmeros papéis em óperas que executou, destacam-se: Mensageira em L’Orfeo, de Monteverdi; Orfeo, em Orfeo ed Euridice de Glück; Cherubino, em Le Nozze di Figaro de Mozart; Hermia, em A Midsummer Night’s Dream de Britten; Smèraldine, em L’Amour des Trois Oranges de Prokofiev; Sertaneja e Íris, em Chagas de Sílvio Barbato e Alexandre Schubert. Em concerto, atuou em: Gloria, de Vivaldi, Stabat Mater, de Pergolesi, Messiah, de Händel, Missa em Si Menor, de Bach, Requiem, de Mozart, Nona Sinfonia, de Beethoven, Lobgesang, de Mendelssohn, El Amor Brujo, de De Falla, Les Noces, de Stravinsky.

Também gravou alguns CD’s e DVD’s no Brasil e na França, entre eles Modinhas Imperiais para a série de CD Comemorativo da Chegada da Família Real – III, com direção musical de Marcelo Fagerlande e o DVD Família Real com a Orquestra Sinfônica Nacional-UFF sob regência de Lígia Amadio.

 

Marina Consídera

É Bacharel em Canto pela UNIRIO e Mestra pela UFRJ. Entre 2007 e 2010, foi integrante do Opera Studio da Accademia Nazionale di Santa Cecília, sob orientação de Renata Scotto, Anna Vandi e Cesare Scarton. Durante sua estadia em Roma, cantou no Auditorium Parco della Musica, na Fundação Tito Gobbi e no Teatro Stabile di Abruzzo. Sua estreia profissional havia ocorrido em 2006 na ópera “A Carta”, sob regência de Henrique Morelembaum.

Em 2012, nos Concertos FINEP-Rádio MEC, protagonizou “Norma”, de Bellini, “Maria Tudor”, de Carlos Gomes, e “La Forza Del Destino”, de Verdi. Com a OSB – O&R, estreou no Theatro Municipal do Rio de Janeiro-TMRJ, recebendo elogios da crítica especializada: “a soprano Marina Considera, intérprete expressiva da Casta Diva, é um dos novos valores” (Luiz Paulo Horta –O GLOBO).

Em 2013, foi Rossweisse na ópera A Valquíria, de Wagner no TMRJ, e Rosália, na ópera Jupyra de Antônio Francisco Braga, no Teatro Municipal de São Paulo-TMSP. Em 2014, participou como solista na 9ª Sinfonia, de Beethoven, na Sala São Paulo; solou a Quarta Sinfonia, de Mahler, sob regência de John Neschling no TMSP, e foi o soprano solista em um concerto em homenagem a Carlos Gomes, em Campos de Jordão, sob regência de Luiz Malheiro.

Foi protagonista na ópera Tosca, de Puccini, em Porto Alegre, e na ópera I Pagliacci, de Verdi, no TMSP.  Em 2015, protagonizou Suor Angelica, de Puccini, no Festival da Music Academy International, em Trentino (Itália), regência de Elaine Rinaldi, e interpretou, com grande sucesso, a Condessa em As Bodas de Fígaro, de Mozart, regência de T. Volkmann, no TMRJ. Em 2016, foi a Musetta em La Bohème, de Puccini, sob regência de Eduardo Strausser, no TMRJ, e Ceci em Il Guarany, de Carlos Gome,s no Palácio das Artes, sob direção de Sílvio Viegas. Em 2017, foi Donna Anna na ópera Don Giovanni, de Mozart, no Theatro da Paz sob regência de Sílvio Viegas e direção de Mauro Wrona.

 

Maria Luísa Lundberg

É Bacharel em piano, tendo-se aperfeiçoado com Marcelo Verzoni, Olga Kiun, Sônia Vieira, Luiz Senise e atualmente trabalha sob orientação da pianista Lícia Lucas. Concluiu pós-graduação em Música de Câmara, tendo como orientador o violoncelista David Chew em 2012 e no ano seguinte, concluiu a pós-graduação em Piano de Acompanhamento, tendo como orientadora Maria Teresa Madeira, ambas pelo Conservatório Brasileiro de Música.

Como professora, trabalhou durante 34 anos no Rio de Janeiro e em Macaé, tendo diversos alunos premiados em concursos nacionais de piano. Em 2014, foi aprovada em concurso público para pianista acompanhadora na UniRio, tendo assumido o cargo no ano seguinte. Integra o Duo Renascer com a cantora Jurema Fontoura, o Le Grand Duo com o violoncelista Luiz Daniel Sales, e trio Gaubert com Guilherme Andreas e Luiz Daniel desde 2014. Toca regularmente com a violinista Taís Soares e o flautista Lincoln Sena.

Já se apresentou no Conservatório Brasileiro de Música-CBM, no Clube de Engenharia, no Centro Cultural da Justiça Federal, no Museu da República, na Escola de Música da UFRJ, na Sociedade Hebraica, na Igreja da Santíssima Trindade, no Museu Nacional de Belas Artes, no teatro do CCBB, Primeira Igreja Batista do Estácio e Igreja Batista de Campo Grande (todos no Rio de Janeiro), em Belém, João Pessoa e Curitiba. Como camerista, se apresenta regularmente com a cantora Neti Szpilman nos projetos “Chiquinha Gonzaga” e “ De João a Pedro”, tendo realizado em 2015 uma tournée pelo Nordeste, (João Pessoa, Maceió, Aracaju e São Cristóvão, na série Música no Museu).

Como integrante do Trio Guabert, apresentou-se na Escola de Música da UFRJ e no Teatro Municipal de Macaé. Como uma das pianistas solistas, participou da apresentação de Carmina Burana, de Carl Orff, com o Coro Polifonia Carioca sob direção do maestro Ueslei Banus no teatro da UERJ, em 2013, e ainda como correpetidora trabalhou na opereta Caso no Júri, de Gilbert e Sullivan, na UFRJ e no CBM com os mesmos integrantes. Participou de vários festivais como o de Vassouras, o Rio Cello-Encounter e o Festival Villa-Lobos.

Foi diretora artística e pianista da ópera Domitila, de João Guilherme Ripper, encenada no Teatro Municipal de Niterói, em julho de 2013, com a soprano Neti Szpilman no papel-título (recebendo crítica bastante favorável de Marcos Goes), voltando a apresentar-se no BNDES em 2105. Foi escolhida ainda em um segundo projeto da série organizada pela instituição, para tocar com o violinista Dhiego Lima (outubro de 2104). Em agosto de 2014, foi a pianista na estreia da ópera Plastic Flowers, de João MacDowell, tendo no papel principal a cantora Clarice Prieto.

Como camerista, ganhou o primeiro lugar no 2º Concurso Eduardo Tagliatti, em Juiz de Fora com Dhiego Lima, violinista (2012).  Durante 18 anos foi presidente da Sociedade Musical Macaense, entidade sem fins lucrativos, cuja finalidade é a organização de concertos de música erudita e instrumental brasileira em Macaé. Nomes importantes da música brasileira estiveram presentes em sua série, tais como Hermeto Pascoal, Baden Powell, Yamandú Costa, Eudóxia de Barros, Quarteto Maogani, Trio Madeira Brasil, entre outros. No Festival Villa-Lobos de 2013, foi contemplada juntamente com Guilherme Andreas com Menção Honrosa.

 

 

SERVIÇO

 

Árias, duos e trios de óperas célebres   

Dia 01 de dezembro, sábado, às 15:30h

 

Paróquia dos Santos Anjos (Av. Afrânio de Melo Franco, 300, esquina de Humberto de Campos, Leblon – 21 2239-1349/8043)

Ingresso: R$5,00 (cinco reais)
Gratuidade para maiores de 60 anos, professores e estudantes

 

 

Faça seu comentário