Escrito por em 12 dez 2018 nas áreas Lateral, Notícia, Rio de Janeiro

Dedicada ao fundador da OPES maestro Armando Prazeres, falecido há 20 anos

Dedicada ao fundador da OPES maestro Armando Prazeres, falecido há 20 anos, temporada clássica recebe grandes artistas como o pianista Nélson Freire, o violoncelista Antônio Meneses e os maestros Neil Thomson e Enrique Arturo Diemecke.

Os 100 anos de nascimento de Cláudio Santoto, os 60 anos de falecimento de Villa-Lobos e o aniversário de 80 anos de Marlos Nobre são algumas das efemérides que marcam a temporada 2019 da Orquestra Petrobras Sinfônica, que tem início em abril. Trazendo obras clássicas e grandes nomes, a temporada também ressalta talentos mais jovens e composições inéditas, unindo tradição e renovação em oito grandes concertos – quatro da série Portinari e quatro da série Djanira – no palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A renovação das assinaturas acontece entre 9 de janeiro e 4 de fevereiro, pelos telefones (21) 4042-9192 e (21) 4042-9540, e a pré-venda de 11 a 28/2.

Cada reinício apresenta desafios. A maior parte deles nasce da necessidade de contemplar o público com novas propostas, artistas de qualidade e o vislumbre de um repertório que circule livremente entre o passado, presente e, por que não, também o futuro. O ano de 2019 não será diferente, à espera da comemoração maior de 2020, os 250 anos de nascimento do genial Beethoven. Como preâmbulo a esse período, construímos um repertório baseado em artistas convidados de grande empatia com o público e obras que pudessem refletir a preocupação em aliar tradição e renovação.  Vale ressaltar nosso desejo em dedicar essa temporada ao fundador da Orquestra Petrobras Sinfônica, maestro Armando Prazeres, falecido há 20 anos – ele foi a pedra angular na consolidação de um grupo que viria a se tornar uma das mais importantes orquestras do país.”, comenta o maestro Isaac Karabtchevsky, Diretor Artístico e Regente titular da Orquestra Petrobras Sinfônica.

A temporada abre no dia 13/04, com a série Portinari, que acontece aos sábados, às 16h. Com Karabtchevsky como regente, o primeiro concerto tem programa com aberturas icônicas de Richard Wagner e, homenageando os 70 de anos de morte do compositor Ricardo Strauss, a obra “Assim falava Zarathustra”, mundialmente conhecida como tema musical do filme “2001: Uma odisseia no espaço”.

A série conta ainda com os regentes convidados Neil Thomson, britânico, Diretor Artístico e Regente titular da Orquestra Filarmônica de Goiás; e Enrique Arturo Diemecke, mexicano, Diretor Artístico do Teatro Colón há 12 temporadas ininterruptas. O concerto com Thomson tem duas das maiores pianistas brasileiras da atualidade, Lilian Barretto e Linda Bustani, e a apresentação com Diemecke conta com o pianista Alexandre Dossin, brasileiro professor da Universidade de Oregon, nos EUA. Fechando a série Portinari há um encontro especial do maestro Karabtchevsky com o renomado pianista Nélson Freire, com obras de Beethoven e Brahmns.

Já a série Djanira, que acontece sempre às sextas-feiras, às 20h, abre no dia 17/05, com o maestro Isaac Karabtchevsky e o solista Cristiano Alves (clarineta), músico da Petrobras Sinfônica e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Na sequência, a série apresenta um encontro com grandes artistas da nova geração – o regente Eduardo Strausser e o pianista Cristian Budu -, com obras de Chopin, homenageando seus 170 anos de morte, e de Shostakovich.

O regente espanhol de destaque no cenário internacional Francisco Valero-Terribas também integra a série Djanira, em concerto com o trombonista João Luiz Areias, músico da Orquestra Petrobras Sinfônica e professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), que interpreta peça composta para ele por Marisa Rezende. E fechando a série, Isaac Karabtchevsky recebe um dos principais violoncelistas do mundo, Antônio Meneses, em concerto formado exclusivamente por obras de compositores brasileiros, como Cláudio Santoro (que completaria 100 anos em 2019), Heitor Villa-Lobos (no marco dos 60 anos de sua morte) e compositores da atualidade, como Marlos Nobre (80 anos de nascimento), Ernani Aguiar e Ronaldo Miranda. O programa conta com peça composta este ano por Marlos Nobre (“Concerto para violoncelo”), em um pool formado pela Orquestra Petrobras Sinfônica, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e a Filarmônica de Goiás, e que tem sua estreia em 2019.

Em paralelo à temporada do Mundo Clássico, a Orquestra Petrobras Sinfônica realiza uma série de iniciativas com o intuito de popularizar a música clássica e renovar o público do gênero, através dos Mundos Pop e Urbano. Para saber mais, acesse www.petrobrasinfonica.com.br.


Orquestra Petrobras Sinfônica

Aos 46 anos, a Orquestra Petrobras Sinfônica se consolida como uma das mais conceituadas do país e ocupa um lugar de prestígio entre os maiores conjuntos musicais da América Latina. Criada pelo maestro Armando Prazeres, a orquestra conta com uma formação de mais de 80 instrumentistas e tem como Diretor Artístico e Regente Titular o maestro Isaac Karabtchevsky, o mais respeitado regente brasileiro e um nome consagrado no panorama internacional.

Modelo de gestão: A Associação Orquestra Pró Música do Rio de Janeiro, entidade que administra a orquestra, possui uma proposta administrativa inovadora, sendo a única orquestra do país gerida por seus próprios músicos.

Sobre a PETROBRAS: A Petrobras completa 31 anos de patrocínio da Orquestra Petrobras Sinfônica em 2018. Através do Petrobras Cultural, a companhia busca contribuir para o fortalecimento das oportunidades de criação, produção, difusão e fruição da cultura brasileira, para a ampliação do acesso dos cidadãos aos bens culturais e para a formação de novas plateias. Esta parceria é essencial para manter a Orquestra Petrobras Sinfônica entre os principais conjuntos da América Latina, sempre desenvolvendo um importante trabalho de democratização da música clássica e de renovação do público do gênero.

 

SERVIÇO

 

Renovação de assinaturas: 9/01/2019 a 4/02/2019, pelos telefones ((21) 4042-9192 e (21) 4042-9540 – de segunda a sexta, das 10 às 17h.
Pré-venda: 11 a 28/02/2019

Assinaturas 2019 – Série Vesperal Portinari ou Série Noturna Djanira (4 concertos) –  preços com 15% de desconto
Galeria – R$ 35 / R$ 70
Balcão Superior – R$ 85 / R$ 170
Plateia e Balcão Nobre – R$ 165 / R$ 330
Frisas e Camarotes – R$ 990 / R$ 1980

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

SÉRIE VESPERAL PORTINARI

PORTINARI 1 – 13/04 – 16h

Isaac Karabtchevsky, regente

RICHARD WAGNER
Rienzi, WWV.49
Abertura

Tristão e Isolda, WWV.90
Vorspiel und Liebestod (Prelúdio e Morte de Isolda)

Tannhäuser, WWV.70
Abertura

RICHARD STRAUSS
Also Sprach Zarathustra, Op.30 (Assim falava Zarathustra)

 

PORTINARI 2 – 08/06 – 16h

Neil Thomson, regente
Lilian Barretto e Linda Bustani, piano

ROBERT SCHUMANN
Abertura, Scherzo e Finale, Op.52

MAX BRUCH
Concerto para dois pianos, em Lá bemol maior, Op.88a

JOHANNES BRAHMS
Sinfonia nº 1, em dó menor, Op.68

 

PORTINARI 3 – 20/07 – 16h

Enrique Arturo Diemecke, regente
Alexandre Dossin, piano

LEONARD BERNSTEIN
Sinfonia nº 2: The Age of Anxiety (A era da ansiedade)

RICHARD STRAUSS
Aus Italien, TrV.147, Op.16 ([Sinfonia] Da Itália)

 

PORTINARI 4 – 16/11 – 16h

Isaac Karabtchevsky, regente
Nélson Freire, piano

LUDWIG VAN BEETHOVEN
Concerto para piano nº 5, em Mi bemol maior, Op.73 “Imperador”

JOHANNES BRAHMS
Sinfonia nº 2, em Ré maior, Op.73

 

SÉRIE NOTURNA DJANIRA

DJANIRA 1 – 17/05 – 20h

Isaac Karabtchevsky, regente
Cristiano Alves, clarineta

CARL MARIA VON WEBER
Concerto para clarineta e orquestra nº 2, em Mi bemol maior, Op.74

GUSTAV MAHLER
Sinfonia nº 9, em Ré maior

 

DJANIRA 2 – 05/07 – 20h

Eduardo Strausser, regente
Cristian Budu, piano

FRÉDÉRIC CHOPIN
Concerto para piano nº 1, em mi menor, Op.11

DMITRI SHOSTAKOVICH
Sinfonia nº 10, em mi menor, Op.93

 

DJANIRA 3 – 02/08 – 20h

Francisco Valero-Terribas, regente
João Luiz Areias, trombone

HEITOR VILLA-LOBOS
Bachianas brasileiras nº 4
Prelúdio

MARISA REZENDE
Liame para trombone e orquestra (estreia mundial)

SERGUEI RACHMANINOFF
Sinfonia nº 3, em lá menor, Op.44

 

DJANIRA 4 – 20/09 – 20h

Isaac Karabtchevsky, regente
Antônio Meneses, violoncelo

CLÁUDIO SANTORO
Música para cordas

MARLOS NOBRE
Concerto para violoncelo

ERNANI AGUIAR
Sinfonietta seconda, “Carnevale”

RONALDO MIRANDA
Ponteio e dança

HEITOR VILLA-LOBOS
Choros nº6

 

 

Faça seu comentário