Escrito por em 5 dez 2018 nas áreas Canto, Lateral, Pernambuco, Programação

Depois de 15 grandes recitais, projeto encerra o ano

RELICÁRIOS: MEMÓRIAS DO SOM

A partitura é o relicário da música
O instrumento é o relicário do som
O músico abre o relicário e liberta os sons
Os sons preenchem o Museu, relicário da arte
Em festa, imagens sagradas e sons – sagrados
Pelos ouvidos, pelos olhos, pelo tato
Viram memória no corpo – relicário da alma.

(Maria Aída Barroso)

 

O projeto Relicários: memórias do som chega ao seu final no próximo domingo. Depois de 15 grandes recitais entre o Museu de Arte Sacra de Pernambuco e o Museu do Trem, esta iniciativa incentivada pelo FUNCULTURA, FUNDARPE e Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco teve resultados bastante positivos e mostrou que o público gosta e prestigia a música clássica quando tem a oportunidade de apreciá-la.

Neste domingo, o Duo Luiz Kleber Queiroz & Rachel Casado, ele na voz, ela no piano, apresentarão algumas canções Brasileiras com temática sobrenatural, como pontos de Jurema, lendas indígenas e cantos assombrados; e uma segunda parte voltada para o repertório operístico, com árias de compositores do período romântico, como Antônio Carlos Gomes, Giuseppe Verdi e Amilcare Ponchielli.

A Estação Central Capiba – Museu do Trem vai receber os dois músicos que contarão com um convidado especial, que fará uma apresentação especial com peças de Schumann, Villa-Lobos, Schubert, Ernesto Nazareth e Marlos Nobre. Os ingressos custam R$2,00 (meia a R$1,00) com renda revertida para o Lar Fabiano de Cristo e começa às 11h.

 

Partituras preciosas guardadas em um relicário

A ideia do projeto Relicários foi a de apresentar um conceito de “museu vivo do som”, já que a partitura preserva, em si, a música de diversas épocas e estilos, da mesma maneira que um relicário guarda objetos preciosos.

Cada concerto teve uma hora de duração, apresentando peças para diferentes formações instrumentais e abrangendo as diversas famílias de instrumentos (cordas friccionadas, cordas percutidas, cordas pinçadas, sopros, voz, teclas e percussão). A maioria dos grupos e músicos são professores, alunos e ex-alunos da UFPE, e foram selecionados por sua atuação no meio cultural brasileiro.

Já entre os grupos que se apresentaram nestes quase sete meses estão o Duo Paula Bujes e Pedro Huff, Consort de Flautas, Grupo Instrumental Brasil, Grupo de percussão LaptoP, Grupo vocal Opus 4, Grupo Canção Brasil, Quarteto Variante e Quarteto Encore. O projeto também contou a participação do conjunto instrumental A Trupe Barroca, de Vitória (ES).

 

PROGRAMA

César Guerra-Peixe (1914-1993)
Linhas de Catimbó
– Júlio Gomes
– Nanuê-Nanuá

Waldemar Henrique (1905-1995)
Foi Boto, Sinhá
Curupira
Matinta Pereira

Francisco Mignone (1897-1986)
Assombração

Edino Krieger (1928 )
Balada do Desesperado

Joaquin Turina (1882-1949)
El Fantasma

Schumann/Liszt
Widmung (Liebeslied)

Giuseppe Verdi (1813-1901)
Per me Giunto – Ária da ópera Don Carlo

Antônio Carlos Gomes (1836-1896)
Era um Tramonto d’oro – da ópera Colombo

Amilcare Ponchielli (1834-1886)
Ah! Pescator affonda l’esca – da ópera La Gioconda

Gaetano Donizetti (1797-1848)
Bella siccome un angelo – da Ópera Don Pasquale
Ah! Un foco insolito mi sento adesso – da Ópera Don Pasquale
Cheti, Cheti, Imantinenti – Dueto da Ópera Don Pasquale
– Participação de Anderson Rodrigues

 

 

SERVIÇO

 

Relicários – memória do som / Duo Luiz Kleber Queiroz & Rachel Casado

Dia 09 de dezembro, domingo, às 11h

 

Estação Central Capiba – Museu do Trem (R. Floriano Peixoto, s/n – São José, Recife – PE)

 

Ingresso: R$2,00 (meia a R$1,00) com renda revertida para o Lar Fabiano de Cristo

 

Faça seu comentário