Escrito por em 10 dez 2018 nas áreas Música sinfônica, Rio de Janeiro

 Concertos serão nos dias 15 e 16 de dezembro, na Sala Cecília Meireles


No próximo fim de semana a Orquestra Sinfônica Brasileira estará de volta à Sala Cecília Meireles em companhia especial. O aclamado violinista carioca Daniel Guedes é o solista convidado dos concertos de 15 e 16 de dezembro, que contarão com a regência do maestro Lee Mills. A OSB conta com a Lei Rouanet e tem a NTS como mantenedora, Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras.

Ambos os concertos terão início com uma peça de Cláudio Santoro estreada com a Orquestra Sinfônica Brasileira em 1951: Canto de Amor e Paz. Na noite de sábado, o programa terá sequência com o Concerto para Violino em Ré Maior, de Johannes Brahms, com a participação de Daniel Guedes, e a Sinfonia nº 5 em Dó menor, de Ludwig van Beethoven. “O Concerto para Violino de Brahms é um dos meus favoritos. Já toquei com muitas orquestras, mas será a primeira vez com a OSB”, adianta o violinista. Daniel Guedes tem uma longa relação com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Aos 13 anos de idade ele atuou como solista pela primeira vez, em 2003 foi spalla do grupo e, desde então, foi solista convidado em diversas ocasiões.

No domingo, o primeiro movimento do Concerto para Violino de Brahms (também com participação do violinista), Escenas del Sur | No hace muchos años, en un lugar del sur… (Cenas do Sul | Não faz muitos anos, num lugar do sul…), de Efrain Oscher, e os movimentos III e IV da 5ª Sinfonia de Beethoven completam o repertório de mais um Concerto da Juventude. Na ocasião, os músicos da OSB Samuel Passos (viola) e Waldir Bertipaglia (contrabaixo) também atuarão como solistas. Apresentado pela atriz Laura Proença, o concerto tem caráter didático e os ingressos têm preços populares: R$10 (R$5 meia).


Orquestra Sinfônica Brasileira

Reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes da música nacional, a Orquestra Sinfônica Brasileira soma mais de cinco mil concertos ao longo de seus 78 anos de atuação, revelando diversos talentos e promovendo, através de seus projetos educacionais e concertos públicos, a democratização do acesso à cultura.

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira foi pioneira não só na forma de levar a música sinfônica e de concerto para todos os cantos do Brasil e outros países, como também no incentivo à formação de novos talentos e difusão da cultura no território nacional.


Lee Mills

Lee Mills

Maestro Residente da Orquestra Sinfônica Brasileira e vencedor da bolsa da Fundação Solti dos Estados Unidos em 2017 e 2014, o regente americano Lee Mills é conhecido internacionalmente como um maestro apaixonado e enérgico. A lista de artistas com quem ele compartilhou recentemente o palco inclui Simone Porter, Conrad Tao, Eliane Coelho, o Trio Smetana, entre outros. Além da Orquestra Sinfônica Brasileira, o maestro já regeu a Orquestra Sinfônica Nacional dos Estados Unidos, a Filarmônica de Los Angeles, as Orquestra Sinfônicas do Estado de São Paulo, de Saint Louis, de Baltimore, e de Bozeman, o Gran Teatro La Fenice, e Concert Artists of Baltimore com o Ballet Moscow.

Lee Mills foi contratado como maestro Assistente na Orquestra Sinfônica Brasileira em Setembro de 2014, e, apenas 18 meses depois, foi promovido à posição de Maestro Residente. Em 2017, Mills foi semifinalista no Concurso Internacional de Regência de Georg Solti, em Frankfurt, e no verão de 2014, Maestro Mills foi indicado por David Robertson e Carnegie Hall para ser o Maestro Assistente para a Orquestra Jovem Nacional dos Estados Unidos, onde ele regeu em ensaios e também em concerto numa turnê nacional. Da Diretora Musical da Orquestra Sinfônica de Baltimore, ele ganhou o BSO-Peabody Institute Conducting Fellowship em 2011.

 

Daniel Guedes

Daniel Guedes

Violinista, violista, camerista, regente e professor da UFRJ, o carioca Daniel Guedes foi aluno de Detlef Hahn na Guildhall School of Music de Londres e aperfeiçoou seus estudos cursando o bacharelado e mestrado da Manhattan School of Music de Nova Iorque, na classe de Pinchas Zukerman e Patinka Kopec.

Após vencer o Waldo Mayo Memorial Award (2000), apresentou-se no Carnegie Hall tocando o Concerto n° 1 de Max Bruch. Já regeu orquestras como a OSUSP e a Sinfônica de Campinas, e integra o lendário Quarteto da Guanabara.


PROGRAMA

Dia 15/12 (sábado), às 20h

Lee Mills, regência
Daniel Guedes, violino

Cláudio Santoro
Canto de Amor e Paz

Johannes Brahms
Concerto para Violino em Ré Maior, Op. 77
I. Allegro non troppo
II. Adagio
III. Allegro giocoso; ma non troppo vivace

Ludwig van Beethoven
Sinfonia Nº 5 em Dó menor, Op.67
I. Allegro con brio
II. Andante con moto
III. Allegro
IV. Allegro


Dia 16/12 (domingo), às 11h – Concerto da Juventude

Lee Mills, regência
Daniel Guedes, violino
Samuel Passos – viola
Waldir Bertipaglia – contrabaixo

Cláudio Santoro
Canto de Amor e Paz

Johannes Brahms
Concerto para Violino em Ré Maior, Op. 77
I. Allegro non troppo

Efrain Oscher
Escenas del Sur | No hace muchos años, en un lugar del sur… (Cenas do Sul | Não faz muitos anos, num lugar do sul…)

Ludwig van Beethoven
Sinfonia Nº 5 em Dó menor, Op.67
III. Allegro
IV. Allegro

 


SERVIÇO

 

Orquestra Sinfônica Brasileira na Sala Cecília Meireles

Dia 15 de dezembro, sábado, às 20h

Ingressos: R$40 (R$20 meia)

Dia 16 de dezembro, domingo), às 11h

Concertos da Juventude

Ingressos: R$10 (R$5 meia)

Sala Cecília Meireles (Rua da Lapa, 47 – Centro – Rio – 21 2332 9223)

Ingressos a venda na bilheteria da Sala e no www.ingressorapido.com.br

Faça seu comentário