Escrito por em 7 fev 2019 nas áreas Lateral, Ópera, Programação, São Paulo

Composição é baseada no poema de Sousândrade

A ópera-pregão O Inferno de Wall Street será apresentada pela primeira vez, no Espaço Cênico do Sesc Pompeia nos dias 9 e 10 de fevereiro, sábado às 21h30 e domingo às 18h30. Criado por Lívio Tragtenberg, o espetáculo baseia-se no poema homônimo de Sousândrade, de 1976. No palco além de Lívio estarão performers (multi-instrumentistas e vozes) e haverá também a interferência de vídeos, imagens e sons enviados por colaboradores de diversos países.

Na performance musical, Tragtenberg (teclado, voz e clarone) utiliza elementos da música eletrônica e da tradição da música popular brasileira, para ao lado de Emerson Boy (saxofones, cítara e cavaquinho), Wellington Tibério (glass harmônica), Celso França (percussão) e Márcio Barreto (voz e trompete), costurar vozes que se sobrepõem e que apresentam o texto e suas vocalidades, em dimensões polifônicas.

O Inferno de Wall Street (1876) é um texto do poeta Joaquim de Sousândrade (1833-1902) no qual testemunha, na Nova Iorque do final do século XIX, a efervescência da bolsa de valores num quadro de falcatruas, escândalos políticos, morais e religiosos, que moldam o inferno das financeiras norte-americano. O texto faz parte do poema épico “O Guesa”, em que Sousândrade incorpora a mitologia Inca, e conta a trajetória de um menino oferecido em sacrifício aos deuses. Como seu alter-ego, o Guesa, escapa dos sacerdotes do sacrifício e penetra na cidade norte-americana, onde encontra o Inferno da usura.


Lívio Tragtenberg

Compositor, produtor musical e saxofonista, Lívio Tragtenberg prefere autodefinir-se como um de-compositor. Frequentemente, suas obras unem a música com outras linguagens, como teatro, cinema, poesia e artes visuais e transitam em diferentes fronteiras – o erudito e o popular, o jazz e a música contemporânea, o acústico e o eletrônico. Sua obra se caracteriza pela variedade de formas (operística, sinfônica, camerística), materiais (instrumental, vocal, eletroacústico) e meios (disco, concerto, peça, filme, vídeo, instalação).

Sócio-fundador da Sociedade Brasileira de Música Eletroacústica, Tragtenberg explora frequentemente a manipulação sonora. A improvisação e a interatividade também são marcas de seu trabalho, que busca a colaboração de não músicos. Para compor O Inferno de Wal Street, o artista recebeu bolsa da VITAE, em 1986, e em 1991, a bolsa da Guggenheim Foundation, NY, para composição de uma segunda ópera sobre o Gusa, o episodio indígena, Tatuturema, que se chama U-TUPIA, ainda inédita.

 


SERVIÇO

 


O Inferno de Wall Street
, de Lívio Tragtemberg

Dias 9 e 10 de fevereiro de 2019, sábado às 21h30 e domingo às 18h30

Sesc Pompeia – Espaço Cênico (Rua Clélia, 93)

Entrada franca – Retirada de ingressos 1h antes do início da apresentação

Não há estacionamento.

 

Foto: Rita M Tragtenberg

Faça seu comentário