Escrito por em 15 mar 2019 nas áreas Lateral, Música de câmara, Programação, São Paulo

Protagonistas: Duo Cerri-Botelho e Renato Figueiredo (piano)

 

Caros/as amigos/as, colegas, o CENTRO de MÚSICA BRASILEIRA, dando sequência à sua programação da TEMPORADA 2019, os convida a assistir à sua 333ª apresentação, no Sábado – dia 23 de Março, às 20h. Será também uma homenagem a Osvaldo Lacerda, fundador do CMB, que estaria aniversariando neste dia.

Osvaldo Lacerda

Osvaldo Lacerda

Foi um grande compositor brasileiro com um refinado nacionalismo, fruto de extenso conhecimento das características da música brasileira, aliado a sólido domínio das técnicas modernas de composição. Dividiu experiências com Camargo Guarnieri de quem foi aluno por dez anos. Em 1963 estudou nos Estados Unidos com Vittorio Giannini e Aaron Copland. Foi membro efetivo da Academia Brasileira de Música, onde ocupava a Cadeira nº 9, cujo patrono é Tomaz Cantuária.

Ganhou vários prêmios: Prêmio “Melhor Revelação como Compositor em 1962” pela Associação de Críticos do Rio de Janeiro; Primeiro Prêmio no Concurso Nacional de Composição “Cidade de São Paulo” (pela Prefeitura Municipal de São Paulo, em 1962); Primeiro Prêmio no Concurso de Composição de Obras Sinfônicas (promovido pela Rádio Ministério da Educação e Cultura, do Rio de Janeiro, em 1962) e Segundo Prêmio no Concurso de Composição “A Canção Brasileira” (promovido pela Rádio Ministério da Educação e Cultura, do Rio de Janeiro, em 1962); Primeiro Prêmio no Concurso de Composição e arranjos para Coro Misto a Quatro Vozes (promovido pela Universidade Federal da Paraíba, em 1967); Primeiro Prêmio no I Concurso Nacional de Composição para Instrumentos de Sopro-Trompa e Fagote (promovido pelo Sindicato dos Músicos Profissionais do Município do Rio de Janeiro, em 1984); prêmios APCA nos anos de 1978, 1997, 1981, 1986 e 2012 e Troféu Guarani pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, em 1997.

Em 1984. fundou o Centro de Música Brasileira que tem o objetivo principal defender e difundir a música erudita brasileira.

 

Primeira parte 

Duo Cerri-Botelho – Sérgio Cerri ( flauta ) e Flávia Botelho ( piano )

Duo Cerri-Botelho

Foi iniciado em 1999 visando à divulgação do vasto repertório de câmara para flauta e piano. Desde sua criação, o duo tem atuado em diversas cidades brasileiras, nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Destacam-se as apresentações nas seguintes séries de música de câmara e festivais: “Quarta Erudita” (Belo Horizonte – Sala Juvenal Dias/Palácio das Artes); “Segunda Musical” (TV Assembleia de Minas Gerais); “Música Comentada” (Escola de Música da UEMG); Série Destaques” (Rio de Janeiro – Sala Gilberto Freire/FUNARTE); “Mini Festival de Música de Câmara”, “Concertos do Advento” e “Festival de Inverno” (Rio Claro/SP); “Festival de Inverno” (Jacareí/SP); “Concerto no Mosteiro” (Mosteiro de São Bento – Vinhedo/SP); “Arte Explanada” (SESI/MINAS de Uberaba), Projeto Prelúdio e Projeto Intermezzo (UFU – Uberlândia); Festival de Música de Ourinhos – SP, Musica na Capela (Universidade Mackenzie), Projeto Tom Maior (USP São Carlos) e Centro de Música Brasileira (Auditório Cultura Inglesa SP), Festival Música Nova. O repertório apresentado pelo Duo Cerri-Botelho é bastante eclético e engloba desde a música barroca até a música contemporânea escrita para flauta e piano, incluindo a música brasileira. Em 2019 o Duo Cerri-Botelho comemora 20 anos de formação.

 

PROGRAMA

Ary Ferreira
Noturno

Savino de Benedictis
Romanza

Osvaldo Lacerda
Momento Musical n. 1
Romântica

Breno Blauth 
Sonata T.5
– Allegro
– Andante
– Allegro con Brio

Rafael dos Santos
Tardes Goianas

César Guerra-Peixe
A Inúbia do Cabocolinho

 

Segunda parte

Renato Figueiredo (piano)

Renato Figueiredo

“[…] o piano de Renato Figueiredo é impecável.” Victor Giudice.

“Uma atuação memorável”. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, sábado, 8 de abril de 1995.

“Renato Figueiredo, tem uma placidez bem-humorada que se mostra em seu toque cuidadoso, refletido, muito adequado a Widmer, Lachert, Genge e Virgil Thomson, […]” Gilberto Mendes.

“A jovem pianolatria santista”. A Tribuna. Santos, sábado, 16 de fevereiro 1991.

“Rara aptidão para a ‘Neue Musik’ de Stockhausen, a revelada por Renato Figueiredo, detalhista, muito controlado.” Gilberto Mendes.

“25 anos de Música Nova”. A Tribuna. Santos, sábado, 19 de setembro de 1987.

Apontado entre os mais versáteis artistas de sua geração, solista, camerista, pesquisador de música brasileira e contemporânea, é Mestre em Musicologia pela USP, onde defendeu, sob orientação de Flávia Toni, a dissertação “O piano de Miguez: subsídios para um resgate interpretativo” – pesquisa pioneira na qual recuperou e divulgou a obra desse importante compositor romântico. Bacharel e Licenciado em Música também pela USP, é pianista do Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo.

Deve sua formação pianística a Elisa Capocchi e a Gilberto Tinetti. Nos EUA, aperfeiçoou-se com Robert Brownlee, na Universidade de Houston, Texas. Aconselhou-se ainda com Paul Badura-Skoda, Yara Bernette, Jean Louis Steuerman, Moura Castro, Homero de Magalhães, Caio Pagano, Marco Antônio de Almeida, Achille Picchi e Edmundo Hora. De 2011 a 2014, foi periodicamente a Nova Iorque ter aulas com o grande mestre Germán Diez (discípulo de Claudio Arrau), influência indelével em sua expressão artística.

Realizou primeiras audições mundiais de Osvaldo Lacerda, Aylton Escobar, Gilberto Mendes, Willy Corrêa de Oliveira e Antônio Ribeiro (algumas dessas peças a ele dedicadas). Em memória dos 10 anos da morte de Camargo Guarnieri (2003), regeu concertos do Coral Paulistano no Teatro Municipal de São Paulo e, desse compositor, gravou música pianística para a TV Cultura de São Paulo no documentário “Piano e ganzá: o mundo musical de Mário de Andrade”. Seu atento olhar à cultura brasileira o fez enveredar por pesquisa musicológica sobre Mário de Andrade e Luiz Heitor Corrêa de Azevedo, estudando, no IEB-USP, essa correspondência recíproca.

Apresentou-se em diversos estados do Brasil, em recitais e como solista à frente de importantes orquestras sinfônicas, e sua larga prática camerística vem frutificando a colaboração com músicos de excelência, tais como Antônio Del Claro, Sidney Harth e Nai Yuan Hu. Em turnês pela Áustria, Grécia, Itália e Portugal, o amplo repertório de seus recitais incluiu primeiras audições europeias de compositores brasileiros, tendo também se apresentado, em Milão,como solista à frente da Orchestra Città di Vigevano.

Durante mais de três décadas, desempenhou intenso trabalho pedagógico, contribuindo para a formação das novas gerações de músicos, e alguns de seus alunos já refletem sua influência na Europa, onde estudam e atuam. Sua respeitada atividade artística ampliou o trajeto de seu magistério e o conduziu ao júri de concursos e ao corpo docente de escolas como a Faculdade Cantareira, a Faculdade de Música da FITO, a Escola Municipal de Música de São Paulo, o Conservatório Municipal de Guarulhos, e de festivais em Londrina, Campos do Jordão, Itu, Fortaleza, Juiz de Fora, Tatuí, Hermoupolis (Syros, Grécia) e Santa Margherita Ligure (Gênova, Itália).

Entre 2015 e 2017, dedicou-se a atender honroso chamado de Eudóxia de Barros e empreendeu o registro sonoro de parte substancial da obra pianística de Osvaldo Lacerda, integrando a caixa de 6 CDs lançada por Paulinas-COMEP.

 

PROGRAMA
Recital em memória de Vera Sílvia Camargo Guarnieri (21 Novembro 1939 — 7 Junho 2018)

Antônio Ribeiro
Cartão musical de Natal: adoração dos pastores

Osvaldo Lacerda
Toada opus 2 (1949)

Kilza Setti
Duas peças para piano
1. Roda
2. Tanguinho

Camargo Guarnieri
Valsa 9
Ponteio 46
Ponteio 48

As três graças :
1. Acalanto para Tânia
2. Tanguinho para Miriam
3. Toada para Daniel Paulo
Estudo 8

Aylton Escobar
Sonata

 

 

SERVIÇO

 

Centro de Música Brasileira – Duo Cerri-Botelho e Renato Figueiredo (piano)

Dia 23 de março, sábado, às 20h

Centro Brasileiro Britânico – Auditório CULTURA INGLESA (Rua Ferreira de Araújo, 741 – PINHEIROS – (11) 3039-0508)

Entrada franca

 


Como chegar ao CMB?

Proponho este caminho: ir pela Av. Pedroso de Moraes, sentido cidade-bairro; após passar a Rua Ferreira de Araújo, seguir em frente porque é contra-mão para a conversão à esquerda . No retorno, passar para o lado de lá e volta um pouco, sentido cidade, até o HABIB’S; entrar à direita, mas aí, muito cuidado porque é uma confluência praticamente de 3 ruas ; tomar a rua do meio, que se chama PADRE CARVALHO, e vai quase até o fim; ir até onde aparecer contra-mão, isto é, até a rua TUCAMBIRA; entrar à esquerda nessa rua, circundando a rotatória; depois entrar na primeira à direita, a rua FERNÃO DIAS; novamente à direita , que é a SUMIDOURO. Anda dois quarteirões e entra na segunda rua à direita que é a FERREIRA de ARAÚJO.
Ou então: descer a Rebouças até a Marginal, antes da ponte entrar à direita e quando chegar na Marginal entrar na 1º rua a direita que é a rua Pais Leme. Daí a Ferreira de Araújo é a 3ª a esquerda. Quando chegar no prédio (que fica a direita) já está ali a garagem para entrar e estacionar.
Há estacionamento pago no próprio local.

Centro de Música Brasileira

Ficaríamos muito gratos pela sua contribuição anual ao CENTRO de MÚSICA BRASILEIRA, sendo a anuidade de R$120,00 ( individual ) e R$180,00 (casal ) , bastando enviar o cheque para a Rua Santarém, 269, CEP 01251-040, em carta registrada ou depósito no Banco Bradesco, agência 297, conta nº 54134-6, CNPJ 54.240.023/0001-00.

Faça seu comentário