Escrito por em 5 abr 2019 nas áreas Amazonas, Lateral, Notícia, Ópera

Evento celebra o centenário de nascimento de Cláudio Santoro


A 22ª edição do Festival Amazonas de Ópera (FAO) acontecerá entre os dias 26 de abril e 30 de maio em Manaus. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (2) pela Secretaria de Estado de Cultura (SEC). Neste ano, o evento celebra o centenário de nascimento de Cláudio Santoro, importante compositor e maestro amazonense, com a apresentação da ópera “Alma” e de um recital com canções compostas por Santoro.

É uma honra homenagear um dos maiores nomes da arte amazonense no festival que já é tradição do nosso Estado. Teremos mais de um mês de programação com muito talento, emoção e reflexão sobre os caminhos da cultura e as possibilidades da economia criativa. O Festival Amazonas de Ópera vem imperdível”, afirmou o secretário de Estado de Cultura, Marcos Apolo Muniz.

“Ernani”, de Giuseppe Verdi, abrirá a programação, em forma de concerto, no Teatro Amazonas, no dia 26 de abril, às 20h, com o Coral do Amazonas, Orquestra de Câmara do Amazonas e Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica, sob regência de Luiz Fernando Malheiro. Baseada na obra de Victor Hugo, a história se passa na Espanha do início do século XVI e conta a dramática história de amor de Ernani e Elvira, permeada por atribulações, encontros e desencontros.

Segunda obra a ser encenada no FAO 2019, “Maria Stuarda”, de Gaetano Donizetti, é baseada na peça de Friedrich Schiller e narra a rivalidade entre as primas Mary, rainha da Escócia, e Elizabeth, rainha da Inglaterra. O espetáculo faz parte de uma trilogia – “Elisabetta al Castello di Kenilworth”, “Maria Stuarda” e “Roberto Devereux” – que tem Elizabeth I como personagem principal. Será a estreia brasileira da edição crítica da obra, representada pelo Coral do Amazonas e Amazonas Filarmônica, sob regência do maestro Marcelo de Jesus.

Já “Tosca”, de Giacomo Puccini, é sobre a trágica história da célebre cantora Floria Tosca e seu amado, o pintor Mario Cavaradossi, que viviam na Roma de 1800, no fim do período dominado por Napoleão. A montagem será encenada pelo Coral do Amazonas, Coral Infantil do Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro e Amazonas Filarmônica, sob a regência de Luiz Fernando Malheiro.

Seguindo a programação, temos o Laboratório de Ópera Barroca – que há três edições faz parte das atrações do FAO –, com “Mater Dolorosa”, baseada na cantata “Stabat Mater Dolorosa”, de Giovanni Pergolesi, que reflete sobre o sofrimento de Maria durante a Paixão de Cristo. O espetáculo contará com o Balé Experimental do Corpo de Dança do Amazonas, Grupo Vocal dos Corpos Artísticos e Orquestra de Câmara do Amazonas, com direção musical de Átila de Paula.

Homenagem

A grande homenagem a Cláudio Santoro acontecerá com a estreia da versão revisitada de “Alma”, ópera em quatro atos do compositor amazonense, baseada na primeira parte da trilogia “Os condenados”, de Oswald de Andrade. A história se passa na São Paulo dos anos 20 e mostra a conturbada relação da protagonista com o cafetão Mauro, por quem é apaixonada. O espetáculo terá o Corpo de Dança do Amazonas, Coral do Amazonas, Amazonas Filarmônica, com regência de Marcelo de Jesus e Otávio Simões.

Diretor artístico adjunto do festival, Marcelo de Jesus destaca a diversidade do programa do FAO 2019. “O festival está muito eclético esse ano. Além da importante homenagem a Cláudio Santoro, com a estreia da nova edição de ‘Alma’ – com várias correções que ele fez nas partituras – temos ‘Tosca’, um título que faz muito sucesso, repertório de todas as casas de ópera; ‘Ernani’, que é do início da carreira de Verdi, com todo o simbolismo de ser executada pela Orquestra Experimental, uma orquestra jovem; ‘Maria Stuarda’ estreando no Brasil com a edição revisada dessa que é uma obra muito importante no repertório do bel-canto; e o experimento barroco ‘Mater Dolorosa’, a música mais antiga que a gente vai ter no festival, mas talvez a mais contemporânea de concepção”, comenta.

Luiz Fernando Malheiro, diretor artístico do FAO, também ressalta a qualidade do elenco, que conta com artistas locais, nacionais e internacionais. “Estamos com um elenco importante. A ópera que vai abrir o Festival, ‘Ernani’, terá um elenco expressivo no cenário internacional, inclusive com dois brasileiros: o carioca Luiz Ottavio-Faria, que há muitos anos está nos principais teatros de ópera da Europa, e o Rodolfo Giugliani, barítono de São Paulo que também tem uma carreira fora bastante interessante”, comenta. “E ainda a mexicana Maria Katzarava, que foi vencedora de concurso ‘Operalia’, organizado por Plácido Domingo; e o protagonista Enrique Bravo, que é chileno de nascimento, mas mora em Manaus há 20 anos, e que merece um destaque”, pontua.

Os ingressos para o FAO 2019 já estão disponíveis na bilheteria do Teatro Amazonas e no site, com valores que vão de R$ 2,50 a R$ 60.

Ópera Mirim

O projeto “Ópera Mirim” apresentará “L’enfant et les Sortilèges” (O Menino e os Sortilégios), de Maurice Ravel, em português e feita com fantoches pelos artistas do Pequeno Teatro do Mundo. Trata-se de uma metáfora sobre a infância e o amadurecimento, contada por meio da história de um menino, que, com a ajuda de objetos encantados, encontra uma forma de viver mais generosa. Haverá apresentações no hall do Teatro Amazonas, em bairros nas quatro zonas da cidade e em dois municípios do interior: Santa Isabel do Rio Negro e Benjamin Constant.

 

Faça seu comentário