Escrito por em 18 abr 2019 nas áreas Lateral, Ópera, Programação, São Paulo

Direção musical de Felix Krieger e encenação de Caetano Vilela

Conspirações, intrigas e paixões. O Theatro São Pedro – instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado sob a gestão da Santa Marcelina Cultura – apresenta a montagem da ópera La Clemenza di Tito, uma das últimas obras escritas por Mozart e que conta a história da determinada Vitellia, que passa a conspirar contra o imperador Tito Vespasiano (39-81) após ser preterida como sua esposa. A estreia acontece no dia 26 de abril e ao todo serão cinco récitas até 5 de maio, sempre às 20h exceto aos domingos, mais cedo, às 17h. Os ingressos custam de R$ 30 a R$ 80 (inteira) e podem ser adquiridos pela internet ou na bilheteria do teatro.

A direção musical é de Felix Krieger, que comandará a Orquestra do Theatro São Pedro e a Academia de Ópera do Theatro São Pedro, que forma o coro. Com concepção, encenação e iluminação de Caetano Vilela, a ópera terá os figurinos assinados pelo estilista Fause Haten e os adereços de cena criados pelo artista Bosco Bedeschi. Lívia Camargo (Tiça) assina a caracterização e maquiagem e Fernando Passetti completa o time como cenógrafo associado.

Repleta de árias e duetos, a ópera dá destaque às vozes femininas, com dois personagens em travesti, com mulheres em papeis masculinos – aqui a cargo das mezzosopranos Luísa Francesconi (Sesto) e Luciana Bueno (Annio) interpretando dois homens apaixonados. O personagem principal, o imperador romano Tito Vespasiano, estará com o tenor Caio Duran – presente na montagem de Alcina, de Händel, realizada em 2018 no São Pedro. Elenco também conta com as sopranos Gabriella Pace (Vitellia) e Marly Montoni (Servilia) e o baixo-barítono Saulo Javan (Publio).

La Clemenza di Tito é uma ópera séria dividida em dois atos, com libreto do poeta e escritor italiano Pietro Metastasio, adaptado por Caterino Mazzolà. Para esta montagem, a tradução para o português foi feita por Ligiana Costa, escritora, pesquisadora e cantora lírica. Em 2018, Ligiana recebeu o Ennio Flaiano de Literatura, uma das mais importantes premiações literárias da Itália, pelo livro O Corego, sobre as artes cênicas na Itália no século XVII.

 

A montagem

Com uma concepção moderna de reconstrução da antiguidade romana, período histórico onde se passa a narrativa da ópera, Caetano Vilela brinca com elementos presentes na contemporaneidade, trazendo para o palco estruturas fixas e móveis de andaime muito características dos centros turísticos da Itália de hoje – alicerces que escoram e dão sustentação aos monumentos históricos símbolos por toda a Itália.

Durante o espetáculo, os solistas irão circular por essas estruturas que estão em planos diferentes e o público terá uma ampla noção de profundidade

Para Caetano Vilela, a montagem está mais focada no drama da história e menos em elementos de cenografia. “É uma ópera com muito teatro, muitos recitativos e a produção baseia-se no trabalho do ator e cantor, mesmo”, destaca. Caetano já trabalhou em dezenas de produções no Brasil e no exterior e em 2018, abriu a temporada do São Pedro com O Matrimônio Secreto, de Domenico Cimarosa e assinou a iluminação da premiada Sonho de Uma Noite de Verão, de Benjamin Britten.

O ouro é a cor do espetáculo e está muito presente nos figurinos do imperador Tito Vespasiano e nos adereços de composição de cena, como as peças de obra de arte e no pêndulo fixado no teto que traz uma simbologia muito forte do espetáculo: a representação da atração e repulsão.

Para construir a caracterização dos personagens, o estilista Fause Haten – que trabalhou com Caetano em O Matrimônio Secreto – parte da utilização de materiais modernos como o jeans para sair da referência de época, mas sem deixar de trazer os cortes, as famosas saias, sandálias e os capacetes dos soldados romanos. No trabalho do artista Bosco Bedeschi, esculturas, espadas e vasos ‘banhados a ouro’ fazem alusão à riqueza e ao cenário cultural-artístico do Império Romano à época.

O maestro alemão Felix Krieger destaca a estética musical de La Clemenza di Tito: “Os experimentos harmônicos que Mozart propõe nesta obra são diferentes de qualquer coisa já feita por ele antes. Talvez isso seja o mais fantástico de tudo”, afirma. Krieger tem se destacado na Europa com apresentações regulares no Teatro Comunale di Bologna, uma das mais importantes casas de ópera da Itália, e pelo seu trabalho à frente da Berliner Operngrupp, a sociedade de ópera sediada em Berlim da qual é fundador e diretor artístico.

 

A história

Vitellia, filha do antigo imperador, está furiosa porque Tito Vespasiano, dono do trono romano, irá se casar com uma princesa estrangeira. Então ela pede a Sesto, apaixonado por ela, que prove seu amor matando Tito. Informada por Annio, que é apaixonado por Servilia, de que o imperador mudou de ideia, ela manda Sesto esperar. Tito decide se casar com sua irmã, Servilia, que também ama Annio.

Quando Servilia revela ao imperador que não o ama, ele, generoso, retira sua proposta de matrimônio. Vendo a alegria de Servilia, Vitellia acha que mais uma vez perdeu Tito e ordena que Sesto mate o Imperador. Quando descobre que foi escolhida para ser sua noiva, Roma já arde. Sesto retorna com a notícia da morte de Tito.

Mais tarde, Sesto descobre que o Imperador não está morto e confessa seu crime a Annio, que o exorta a pedir o perdão a Tito. Vitellia sugere a Sesto que fuja, mas ele é preso pela traição. Incrédulo, Tito quer ouvir de Sesto uma confissão, mas este pede apenas para ser perdoado antes de morrer.

Sozinho, Tito assina a sentença de morte, mas logo em seguida a destrói. Sem saber da suspensão da pena, Annio e Servilia imploram a Vitellia que interceda. Já cheia de remorso, ela confessa a Tito sua participação na trama. Perplexo, ele pergunta: “Quantos de vocês me traíram?”, mas magnânimo, perdoa a todos.

 

Curiosidades

Mozart escreveu La Clemenza di Tito enquanto ainda trabalhava na ópera A Flauta Mágica. É sua penúltima ópera e estreou no ano de sua morte, em 1791, no Teatro Estates, em Praga. Convidado a compor em curto prazo para a coroação de Leopoldo II como rei da Boêmia, o músico austríaco concluiu a partitura em menos de três semanas.

O personagem principal, Tito Vespasiano, é um recorte do histórico Tito César Vespasiano, imperador romano entre os anos de 79 e 81 d.C.. Uma de suas ações mais importantes como líder à época foi inaugurar a obra que seu pai Vespasiano iniciou, embora ainda estivesse incompleta, que foi o anfiteatro Flaviano, mais conhecido como Coliseu.

O escritor Pietro Metastasio é considerado um dos mais influentes libretistas do século XVIII, escreveu vários textos em estilo opera seria entre os anos de 1723 a 1771, dentre os quais destacam-se títulos relacionados à Antiguidade Clássica como Diddone Abbandonata (1724), Siroe rè di Persia (1726), Catone in Utica (1728).

A mezzo Luísa Francesconi que vai interpretar Sesto atuou com destaque nas óperas Kátia Kabanová, do tcheco Leos Janácek, e O Cavaleiro da Rosa, ambas em 2018 no Theatro São Pedro e no Municipal de São Paulo, respectivamente. Na montagem do Municipal ela também deu voz a um personagem masculino, Octavian, e chamou a atenção da crítica especializada.

Ficha técnica

Felix Krieger: Direção Musical
Caetano Vilela: Concepção, Encenação e Iluminação
Fause Haten: Figurino
Lívia Camargo (Tiça): Caracterização e Maquiagem
Bosco Bedeschi: Arte Adereços
Fernando Passetti: Cenógrafo associado

 Elenco

Caio Duran (Tito Vespasiano), tenor
Gabriella Pace (Vitellia), soprano
Marly Montoni (Servilia), soprano
Luísa Francesconi (Sesto), mezzo-soprano
Luciana Bueno (Annio), mezzo-soprano
Saulo Javan (Publio), baixo-barítono

 


SERVIÇO

 

La clemenza di Tito (1791), de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)

 

Ensaio geral: 24 de abril, 19h (entrada gratuita)

Dias 26 de abril, 1º, 3 de maio, às 20h
Dia 28 de abril e 05 de maio, domingo, às 17h  

 

Theatro São Pedro (Rua Barra Funda, 161 – Barra Funda – São Paulo – 11 3667 0499)

 

Ingressos

Plateia central: R$ 80,00 (inteira) e R$ 40,00 (meia)
1º Balcão: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia)
2º Balcão: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)
Vendas: bilheteria e internet theatrosaopedro.byinti.com

Formas de pagamento: Dinheiro e Cartões de Débito e Crédito

Classificação indicativa: 12 anos

Acessibilidade: Sim

 

 

Santa Marcelina Cultura

Criada em 2008, a Santa Marcelina Cultura é uma associação sem fins lucrativos, qualificada como Organização Social de Cultura pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura do Estado. É responsável pela gestão do Guri da capital e região Metropolitana de São Paulo e da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP Tom Jobim). O objetivo da Santa Marcelina Cultura é desenvolver um ciclo completo de formação musical integrado a um projeto de inclusão sociocultural, promovendo a formação de pessoas para a vida e para a sociedade. Desde maio de 2017, a Santa Marcelina Cultura também gere o Theatro São Pedro, desenvolvendo um trabalho voltado a montagens operísticas profissionais de qualidade aliado à formação de jovens cantores e instrumentistas para a prática e o repertório operístico, além de se debruçar sobre a difusão da música sinfônica e de câmara com apresentações regulares no Theatro.

Faça seu comentário