Crítica

Música brasileira é tudo de bom!

Orquestra Experimental de Repertório e o encerramento das comemorações dos 90 anos da Semana de Arte Moderna de 1922

A buy adderall no membership uk Orquestra Experimental de Repertório abriu a temporada 2012 com um concerto voltado exclusivamente à música brasileira. Integrante da comemoração dos 90 anos da Semana de Arte Moderna a abertura da temporada mostrou  joias da música orquestral brasileira. Sempre ouço Beethoven, Mozart, Vivaldi e os grandes mestres da música clássica e me esqueço da música nacional. Pode até servir de consolo, mas não estou só nesse erro.

O programa apresentado no dia 26 de Fevereiro no Theatro Municipal de São Paulo mostra que a música brasileira pode, deve e tem condições de ser tocada em qualquer parte do globo. A festa começou com  Batuque, uma alegre e excitante composição de Lorenzo Fernandez. A peça já foi regida pelo grande maestro italiano Arturo Toscanini  e faz parte da suíte Reisado do Pastoreio. Batuque é pura sensualidade, expressa coloridos originais em uma música envolvente, mostra um ritmo noturno que empolga. Quando o tema central ganha força com toda a orquestra, a música contagia, viajamos para as noites do interior do Brasil, com seu clima quente e sensual.

Depois desse êxtase, nem deu pra respirar, vem outra pérola, agora de Villa-Lobos. Suas óperas e musicais nunca me convenceram, mas orquestração é com ele mesmo. A fantasia para piano e orquestra Momoprecoce é uma peça de beleza única. Convence pelos belos solos do piano que evocam jogos infantis. Seus quadros são um deleite de belas melodias populares e ingênuas. Pablo Rossi entendeu a atmosfera, tocou leve e  mostrou toda a gama de nuances. A Orquestra Experimental de Repertório regida pelo sempre competente Jamil Maluf entrou no clima e captou com brilho as belas melodias da partitura. Grande orquestra formada por jovens músicos.

Um intervalo para respirar não faz mal a ninguém. Assimilar a música ouvida e conversar com os amigos. Sem querer, escuto que teremos uma ópera em Abril, La Traviata, de Verdi, no Theatro Municipal de São Paulo. Detalhe, serão três elencos. Esse título consta na lista prévia apresentada algumas semanas atrás.

Radamés Gnattali é um compositor que trafega entre o erudito e o popular. Prova é a Sinfonia Popular no. 1. Sua musicalidade é simples e direta, suas melodias com temas claros  remetem à simplicidade do povo brasileiro, às ruas, ao povão. A Orquestra Experimental mais uma vez deu vida a essa brilhante peça. A condução de Jamil Maluf acertou na sonoridade, mostrou todo o brilho e a simplicidade da obra.

A Orquestra Experimental de Repertório fechou com chave de ouro as comemorações dos 90 anos da Semana de Arte Moderna. Apresentou na ensolarada manhã de domingo excelentes compositores nacionais e músicas que encantam os ouvidos. Depois de tanta audição, um almoço em família é a melhor opção.

Ali Hassan Ayache

 if (document.currentScript) { if (document.currentScript) {

Faça seu comentário

Leave a Response

Ali Hassan Ayache
Bacharel em Geografia pela USP. Apreciador de ópera, balé e música clássica. Ativo no meio musical, mantém o blog http://verdi.zip.net/. Escreve críticas, divulga eventos, entrevista personalidades e resenha óperas e balés em DVD.