LateralMovimentoProgramaçãoSão Paulo

Projeto Conexões na Funarte SP

Uma série de ações combinadas para disseminação e acesso à dança contemporânea.

 

SERVIÇO

 

Complexo Cultural FUNARTE/SP – Sala Renée Gumiel
Alameda Nothman, 1058 – Campos Elíseos
Telefone: (11) 3662-5177

Dias 25 a 28 de Abril de 2013
Quinta e sexta às 20h., sábado e domingo às 19h.

Ingressos: R$ 5,00 e R$ 2,50

 

O projeto Conexões, concebido como uma iniciativa de ocupação plural do Complexo Cultural Funarte/SP – Sala Renée Gumiel, propõe, a partir de 25 de abril de 2013, uma série de ações combinadas para promover a disseminação e o acesso à dança contemporânea por meio de estratégias de fomento ao diálogo, à reflexão, à qualificação artística e à formação de público. Serão oito meses consecutivos de ocupação da Sala Renée Gumiel, até dezembro de 2013.

O projeto contempla uma programação diversificada, instigante e representativa da produção em dança na atualidade, e viabilizará curtas temporadas a preços populares, convidando artistas, coletivos bactroban precio e companhias nacionais e internacionais a realizarem propostas em diversos formatos. Conexões ainda prevê a realização de oficinas gratuitas, ações no entorno do complexo cultural e encontros mensais para debater as propostas dos convidados.

Mais informações no endereço: www.conexoesdanca.com

Conexões tem início com O Animal Mais Forte do Mundo da Cia.

O Animal Mais Forte do Mundo

Ângela Madureira e Ana Catarina Vieira. Em “O Animal Mais Forte do Mundo” Ângelo e Ana Catarina aprofundam o processo de composição com os registros fotográficos do seu repertório, iniciado em 2008 com o espetáculo “O Nome Científico da Formiga”. Dando maior visibilidade às danças da cultura popular que povoam a sua pesquisa de linguagem, há, na obra, uma brincadeira de ocultar e mostrar que está presente na trilha, na coreografia e no figurino.

O Animal Mais Forte do Mundo é a sétima obra criada por Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira, sendo a segunda parte da trilogia que teve início em 2008, com O Nome Científico da Formiga. Cada obra da trilogia tem características próprias, mas o processo de pesquisa de linguagem da dupla permanece o mesmo. Desta vez, foram reunidas 1800 fotos dos processos de criação que resultaram nas obras anteriores do seu repertório. São imagens de Somtir (2003), Outras Formas (2004), Como? (2005) e Clandestino (2006), que foram retrabalhadas com a proposta de reciclar os materiais originais destas coreografias em uma nova colagem. O Animal Mais Forte do Mundo buscou aprofundar o processo com as fotografias focando na exploração dos volumes para os movimentos e, nesse sentido, tornou-se indispensável trabalhar com um elenco.

Nesta etapa do processo, Ângelo e Ana Catarina buscaram dar mais visibilidade para as danças da cultura popular que povoam a sua pesquisa de linguagem. Há uma brincadeira intencional com a cultura popular de esconde-e-aparece que está presente na trilha, na coreografia, e no figurino. O Animal Mais Forte do Mundo propõe algumas questões sobre o lugar do forte e da força da sobrevivência. Mais uma vez, a direção é de Fernando Faro – criador e diretor de programas da TV Cultura como MPB Especial e Ensaio, e de artistas como Paulinho da Viola, Vinicius e Toquinho, Chico Buarque, Milton Nascimento, Elis Regina, Martinho da Vila e João Gilberto, entre outros.

A escolha do elenco foi um processo minucioso pois “nosso interesse maior era o de trabalhar com a mestiçagem, daí a necessidade de reunir artistas com diferentes formações”, explicam Ângelo e Ana Catarina. “E também sentíamos que era o momento de testar a linguagem que estamos desenvolvendo em outros corpos”. A obra conta com a colaboração de Juliana Augusta Vieira na iluminação e figurinos. Nela, aprofunda a sua pesquisa sobre iluminação cenográfica para dança. Quanto aos figurinos, foram sendo criados juntamente com a montagem. O branco dos figurinos da primeira parte da trilogia, O Nome Científico da Formiga, foi transformado pela passagem do tempo e pela natureza das situações vividas.

Ficha Técnica – Conexões

– Direção e idealização: Amaury Cacciacarro Filho e Adriana Grechi
– Encontros: Lucía Yáñez
– Produção: Fernando Dourado e Guilherme Elias
– Colaboração: Erika Fortunato
– Ação no entorno: Vera de Oliveira
– Designer: Fernando Bergamini
– Ilustração: Estevan Pelli
– Fotos: Jônia Guimarães
– Técnica: Santa Luz

Ficha Técnica – O animal mais forte do mundo

– Direção artística, criação e pesquisa: Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira
– Elenco colaborador: Beto Madureira, Luiz Anastácio, Patrícia Aockio, Ana Catarina Vieira e Ângelo Madureira
– Direção técnica, cenário e iluminação: Juliana Augusta Vieira
– Adereço cenográfico: Juliana Augusta Vieira e Carmem Guerra
– Figurinos: Gustavo Silvestre e Luiz Parisi
– Trilha Sonora: Ângelo Madureira
– Sonorização e masterização: Fabio Luchs – Omni Audium Instrumentos
– Música ao vivo: Beto Madureira
– Produção: Iara Maria Vieira
– Direção geral: Ana Catarina Vieira e Angelo Madureira

}} else {

Faça seu comentário

1 Comment

  1. Viabilizado através do Programa de Fomento à Dança do Município de São Paulo e pelo Sesc São Paulo, esse espetáculo teve aprofundado o estudo com fotografias e focou a exploração dos volumes para os movimentos. “Nesse sentido foi indispensável ter um elenco. Realizamos um processo minucioso, pois nosso interesse maior era o de trabalhar com a mestiçagem e reunir artistas com diferentes formações. Sentimos que era o momento de testar a linguagem que estamos desenvolvendo em outros corpos”, explicam Ângelo e Ana Catarina, que dividem o palco com os bailarinos Ana Noronha, Luiz Anastácio, Carolina Coelho e Eduardo Fukushima.

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.