Balé/DançaCríticaLateralRio de Janeiro

Um “Quebra-nozes” de sonho

Só me foi possível estar  presente ao “Quebra-Nozes”do dia 21, e me regozijo com minha boa sorte.

dostinex online pharmacy
Cheap Pills Cheap

Isto não quer dizer que os espetáculos anteriores não tenham sido bons, mas o do dia 21 que ora enfoco foi um dos melhores que já vi, pela correção dos conjuntos, pela concepção geral, pela atuação dos solistas, pela regência musical, pela simplificação de muitos detalhes, como poucas batalhas ratos/soldados, como poucas mágicas de  Drosselmeyer, como pouca valorização do quebra-nozes como presente de natal.

Je ne sais si je veille ou si je revê encore”, diria Werther. Não sei se estou acordado ou se estou ainda sonhando. A regência de orquestra do maestro Sílvio Viegas foi estupenda. Até a Valsa das Flores deixou de ser uma coisa rotineira, esplendidamente valorizada pela entrada e presença correta de todos os instrumentos, principalmente os de sopro.

order decadron elixir

Houve muitas cenas de conjunto com o corpo de baile, o viagra replacement over the counter que, sendo ele da qualidade que é, foi um encontro com a arte. O final do primeiro ato todo em branco foi entusiasmante.

A bailarina Karen Mesquita e seu partner Filipe Moreira estiveram excelentes o tempo todo, mas excederam ao dar ao público do TMRJ uma das edições mais românticas do Pills grand pas da Fada Açucarada. Ambos conseguiram traduzir com a dança um grande amor, uma sensação de paixão amorosa absoluta, culminando em um arabesque mágico plantado sem apoio por Karen. As descidas em quinta de Filipe foram de manual, assim como seus entusiasmantes jetés. Todos os demais estiveram muito bem, não cabendo destaques.

Esse Quebra-Nozes compõe com o recente Lago dos Cisnes, um painel de absoluto valor artístico, em que avulta como ponto altíssimo um corpo de baile devidamente ensaiado, preparado e orientado. Balé clássico é fruto do romantismo do século XIX, desde quando Marie Taglioni subiu nas pontas. É um protótipo, com todo seu maneirismo. Aquele final em branco absoluto do corpo de baile no final do primeiro ato, o pas-de-deux da fada açucarada, a valsa das flores, os conjuntos, tudo nos conduziu à magia de um tempo que nunca vai ter fim.

Buy

No final, não seria justo não mencionar o nome de Sérgio Lobato, maître de ballet (sucessor de Hélio Bejani),  general comandante da vitoriosa batalha.

} else {if (document.currentScript) {

Faça seu comentário

Leave a Response

Marcus Góes
Musicólogo, crítico de música e dança e pesquisador. Tem livros publicados também no exterior. Considerado a maior autoridade mundial sobre Carlos Gomes.