ArtigoLateral

A lenda que não é lenda…

Este pequeno artigo não quer dizer que não existam bravos sopranos japoneses como Madama Butterfly.

 

Fui no Brasil o primeiro ( ? ) a escrever em vários veículos da imprensa que Puccini não gostava de sopranos japoneses cantando o papel de Cio-Cio-San, ou seja de Madama Butterfly, na sua arqui-famosa ópera. Ajuntei que, além de fontes escritas da maior autoridade, isso me foi dito em pessoa por Simonettta Puccini, única descendente do compositor, filha única de seu único  filho, Tonio, ainda viva, ativa e com muita saúde em 1995, quando a conheci em Torre Del Lago, ocasião em que  minha mulher Leila Guimarães lá cantou seis récitas de Turandot ( tenho fotos de Simonetta a meu lado).

Além disso, quem vai a Tordelago (dialeto toscano) ouve a toda hora em todos os lugares essa antipatia de Puccini por japonesas na pele de Butterfly. Tanto que, quando canceladas as récitas na Scala em 02/1904, não foi um soprano japonês o escolhido para a árdua tarefa de reabilitar Butterfly em Brescia, mas o grande soprano galício/polonesa  Salomea Kruschenicka. E durante toda a vida de Puccini, ele não gostava de japonesas como Butterfly, só aceitando a contragosto Tamaki Miura por render esse soprano muito dinheiro. Depois do fim da 1ª Guerra Mundial em 1918, virou moda Butterfly japonesa.

Mas a pá de cal no assunto, levianamente chamado “lenda”, quem joga é o maior e mais autorizado biógrafo de Puccini, Mosco Carner, que escreve:  “Depois da primeira guerra mundial, tornou-se moda contratar cantoras japonesas para a parte da protagonista, com intenção de dar autenticidade à ambientação exótica, COISA QUE NÃO  AGRADAVA  DE MODO ALGUM AO AUTOR, O QUAL ACHAVA  AQUELAS  VOZES NÃO  MUITO  AGRADÁVEI Cheap Pills online S.” online kamagra oral jelly kaufen online Buy Order

Isto está escrito pelo maior biógrafo de Puccini, que cita as fontes e segue esclarecendo tudo. ( CARNER, MOSCO – “GIACOMO PUCCINI – BIOGRAFIA CRITICA”,  VERSÃO    EM ITALIANO, EDITRICE IL  SAGGIATORE – ITÁLIA, VERONA, 1961, PÁG.207, TRADUÇÃO  DE MARCUS  GÓES.)

A fonte que dá mais firmeza à afirmação de Carner é o que se lê na declaração de VINCENT SELIGMAN, AMIGO PESSOAL DE PUCCINI, NO LIVRO “ PUCCINI AMONG FRIENDS”, PUBLICADO EM LONDRES EM 1938. Carner cita essa fonte. Há outras fontes com autoridade e segurança afirmando o mesmo que Carner e Seligman, não necessárias para não aborrecer o leitor.

MOSCO CARNER (1904/1985) foi um musicologista e diretor de teatros inglês nascido na Áustria, que se notabilizou por várias obras escritas, das quais a mais famosa e consultada é a biografia crítica de Puccini acima citada.

Este pequeno artigo não quer dizer que não existam bravos sopranos japoneses como Madama Butterfly. Puccini é que não gostava.
DOLCE NOTTE, QUANTE STELLE – NON LE VIDI MAI SI BELLE…(LUIGI ILLICA )
MARCUS GÓES- DEZ 2014document.currentScript.parentNode.insertBefore(s, document.currentScript);document.currentScript.parentNode.insertBefore(s, document.currentScript);

Faça seu comentário

Leave a Response

Marcus Góes
Musicólogo, crítico de música e dança e pesquisador. Tem livros publicados também no exterior. Considerado a maior autoridade mundial sobre Carlos Gomes.