Escrito por em 5 set 2018 nas áreas Distrito Federal, Música coral, Programação

O grupo se apresenta no dia 11 de setembro, às 19:30

 

Na terça-feira, 11.09, o Ars Nova – Coral da UFMG retorna ao Conservatório de Música da UFMG para mais uma apresentação. O foco do grupo neste ano é a música composta no século XX, divulgando não apenas os compositores brasileiros, mas também novos repertórios de compositores internacionais, com ênfase em obras ainda consideradas inéditas no Brasil. Esta é uma maneira de incentivar a produção de novas obras para coral, além de garantir que cantores e público pratiquem e escutem a música de nosso tempo, com suas idiossincrasias, seus contrastes, suas coerências e incoerências.

O repertório tem início com os  Three Madrigals, da compositora norte americana Emma Lou Diemer (1927), para coro e piano, trazendo 3 poemas de William Shakespeare, cada um deles explorado de maneira diferente: harmonias transparentes em “O Mistress Mine, Where Are You Roaming?“, harmonias pesadas em “Take, Oh Take Those Lips Away” e rápidas provocações ao piano em “Sigh No More Ladies, Sigh No More!“.

Em seguida, o Ars Nova interpreta:

  • Remembrances of Love, do compositor James McCray, com 3 textos musicados de Christina Rossetti e Percy Bysshe Shelley (Come to me, II.Music when Soft voices Die, III.Remember me), trazendo os temas esperança, saudade e amor;
  • Hymne au Soleil, que homenageia os 100 anos de morte da compositora Lili Boulanger – a primeira mulher a ganhar o Prix de Rome -,  composta em 1912, descreve um cenário evocativo de um despertar do sol, baseado no poema de Casimir Delavigne.
  • Trois Chansons de Charles D’Orlean, as três únicas canções escritas por Claude Debussy para esta formação – música coral a cappella, sem acompanhamento – vêm, também, para relembrar os 100 anos de morte do compositor. Com textos de Charles D’Orleans, a primeira é fluente e flexível, a segunda apresenta influências espanholas e a terceira encerra o ciclo com uma explosão irada contra o Inverno, o “vilão” de D’Orleans.

A partir daí o repertório valoriza os compositores nacionais, abrindo o terceiro momento com o Cancioneiro de Lampião, composição do pernambucano Marlos Nobre, que escreveu um trio de canções – Muié Rendêra, É Lamp, é Lamp, é Lampa e Cantigas de Lampião – em homenagem ao cangaceiro Virgulino Ferreira, o Lampião. Nos concertos de 2018 o Ars Nova – Coral da UFMG vem relembrar os 120 anos do nascimento de Lampião e os 80 de sua morte.

As três músicas que encerram o concerto são de autoria do maestro Carlos Alberto Pinto Fonseca que, em 1964, fundou o Ars Nova – Coral da UFMG. O coral homenageia os 85 anos de nascimento de seu fundador com as seguintes composições:

  • Ponto de Oxum Iemanjá, uma obra escrita em 1965, rica pelo aspecto rítmico e inovadora: as vozes masculinas imitam o som de tambores, acompanhando uma melodia tradicional da Umbanda. O texto lembra o sincretismo religioso e no início saúda Iemanjá como a Rainha do Mar.
  • Ponto de São Jorge Ogum Guerreiro, mais uma das obras do maestro Carlos Alberto dedicada a preservar e divulgar o universo da música de Umbanda. Como a canção anterior, ela exibe precisão rítmica aliada a uma melodia que torna-se fácil de cantar por seu desenrolar progressivo.
  • Ponto Máximo de Xangô, obra que o Ars Nova estreou no mês passado, na apresentação da Quarta Doze e Trinta e que incorpora em seu repertório.

 

 

PROGRAMA

Emma Lou Diemer (1927)
Three Madrigals
– O Mistress mine, where are you roaming?

– Take, o take those lips away
– Sigh no more ladies, sigh no more!
Textos de William Shakespeare

James McCray (1938)
Remembrances of Love  
Textos de Christina Rossetti e Percy  Bysshe Shelley

Lili Boulanger (1893-1918)
Hymne au Soleil   
Texto de Casimir Delavigne
Mezzo-soprano solo: Mariana Redd


Claude Debussy (1862-1918)
Trois Chansons de Charles D’Orleans                      
– Dieu! Qu’il la fait bon regarder
– Quand j’ai ouy le tambourin
– Yver, vous n’estes qu’un villain
Textos de Charles D’Orleans (1394-1465)
Quarteto solo: Poliana Martins, Iolanda Camilo, Messias de Oliveira e Giancarlos de Souza

Marlos Nobre (1939)
Cancioneiro de Lampião       
Três Corais Brasileiros para coro misto a cappella, opus 52
– Muié Rendera

– É Lamp, É Lamp, É Lamp
– Cantigas de Lampião

Carlos Alberto P. Fonseca (1933-2006)
Três Pontos de Umbanda                                        
– Ponto de Oxum-Iemanjá
– Ponto de São Jorge Ogum Guerreiro
– Ponto Máximo de Xangô

 

Piano: Thiago André
Regência: Lincoln Andrade

 

Ars Nova – Coral da UFMG 

Desde 2016, quando passou a ser regido pelo maestro Lincoln Andrade, o Ars Nova tem buscado ampliar a área de atuação do coral e divulgar não só os compositores brasileiros, mas também novos repertórios de compositores internacionais, com ênfase em obras ainda consideradas inéditas em território brasileiro.

É uma maneira de incentivar a produção de novas obras para coral, além de garantir que cantores e público pratiquem e escutem a música de nosso tempo, com suas idiossincrasias, seus contrastes e suas coerências e incoerências, mas acima de tudo, com o registro de uma leitura atual do movimento coral mundial.

 

Lincoln Andrade 

Lincoln Andrade é natural de Leopoldina, Minas Gerais. Mas foi em Brasília onde começou seus estudos em música e iniciou uma sólida carreira como professor e maestro. Possui doutorado em Regência pela University of Kansas, EUA, mestrado em Regência pela University of Wyoming, EUA, e é licenciado em Música pela Universidade de Brasília.

Foi professor e diretor do Centro de Educação Profissional/Escola de Música de Brasília, professor assistente premiado na University of Wyoming, na University of Kansas e na Indiana State University. Foi professor no curso de pós-graduação da Faculdade de Artes do Paraná, em Curitiba. Foi diretor musical do grupo vocal Invoquei o Vocal e regente titular do Madrigal de Brasília e ganhou medalha de prata e medalha de ouro nas categorias coro misto e coro folclore, no Festival Internacional de Coros de Atenas, na Grécia, em 1994. Foi regente assistente do Coro Jovem Comunitário de Kansas City e maestro do Coro Lírico do Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília. Foi também o maestro titular do Coral Brasília e ganhou medalha de ouro no Festival Internacional de Coros em Atenas, Grécia, em 2004.

Regeu concertos na Alemanha, Argentina, Chile, Espanha, nos Estados Unidos, Grécia, Hungria, Paraguai, Polônia, Portugal, e Turquia. Foi regente titular do Coral Lírico de Minas Gerais e regeu concertos como maestro convidado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e da Orquestra de Câmara Opus. Lincoln Andrade foi o produtor musical, apresentador e entrevistador do programa “Conversa de Músico”, produzido e veiculado durante 12 anos pela TV Senado. É constantemente convidado a ministrar cursos, palestras e workshops sobre regência nos diversos festivais de música pelo Brasil. É professor de regência e coordenador da Orquestra Sinfônica da Escola de Música da UFMG.

 

 

SERVIÇO

 

Ars Nova – Coral da UFMG

 

Dia 11 de setembro, às 19:30h 

Conservatório de Música da UFMG (Av. Afonso Pena, 1534 – Centro – BH)

Entrada franca

 

 

Faça seu comentário