CríticaEspírito SantoFestivalLateralMúsica sinfônica

Um festival de vida longa

Festival de Música Erudita do Espírito Santo leva arte de qualidade aos capixabas pela sexta vez.

 

Havia fila na porta do pequeno Teatro Carlos Gomes, no centro de Vitória, na noite de 3 de novembro, para o concerto de abertura do 6º Festival de Música Erudita do Espírito Santo – evento realizado pela Cia. de Ópera do Espírito Santo (Coes), que tem direção geral de Tarcísio Santoro, direção artística de Natércia Lopes e consultoria musical do pianista Fabio Bezuti e do maestro Helder Trefzger. Em uma programação que se estende até 24 de novembro constam 20 apresentações, de 12 concertos e uma ópera, além de exposição e atividades pedagógicas (confira).

Conduzida pela jornalista Daniela Abreu, o evento começou com os agradecimentos das autoridades e dos realizadores, e, em seguida, as homenagens. Em âmbito nacional, o Festival rendeu homenagens ao maestro carioca Roberto Duarte. Já a personalidade capixaba laureada pela produção foi o compositor e professor paranaense Alceu Camargo, falecido em Vitória em 28 de setembro de 2001, aos 94 anos, e representado na noite pela viúva, Vera Camargo.

Roberto Duarte dirige-se ao público do Teatro Carlos Gomes

 

A Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo (Oses) acomodou-se no pequeno palco e recebeu, na batuta, o maestro homenageado Roberto Duarte. A primeira peça do programa foi a estreia mundial da Sinfonia n. 2, do compositor e professor carioca Roberto Macedo – presente no teatro, ao lado do também compositor e professor João Guilherme Ripper e do maestro Gabriel Rhein-Schirato. Ripper é autor e Schirato, regente, de outra atração do Festival: a ópera O Diletante (apresentada nos dias 8, 9 e 11/11).

Antes das primeiras notas, o maestro Duarte pediu que fossem desligados os barulhentos aparelhos de ar-condicionado instalados na sala. A nova sinfonia – cujo subtítulo é Brasileira – começou com uma Abertura bastante percussiva. O segundo movimento, Seresta, frases líricas e melódicas, de grande beleza. No movimento final, Choro, a Oses apresentou boa dinâmica, nas pecou na afinação das cordas.

A canção Nostalgia, composta por Alceu Camargo e dedicada a Natércia Lopes, foi interpretada pela própria, em conjunto com a Sinfônica do ES e o maestro Duarte (arranjo de Helder Trefzger). A voz da soprano foi amplificada – segundo ela, para dar melhor projeção às notas graves da melodia –, mas o microfone falhou e a cantora, de forma intempestiva, jogou-o ao chão. A apresentação prosseguiu, e o bonito timbre da experiente Natércia chegou a todos os cantos do Teatro.

A soprano Natércia Lopes à frente da Oses

 

O harmônico programa da noite encerrou-se com as Bachianas Brasileiras n. 7, de Heitor Villa-Lobos. De caráter neoclássico e composta em 1942 (integrando um conjunto de nove obras, escritas entre 1932 e 1945), esta peça é dividida em quatro movimentos: O Prelúdio (Ponteio), A Giga (Quadrilha Caipira), A Toccata (Desafio) e A Fuga (Conversa). Infelizmente, mesmo sob a firme regência de Duarte, a execução desta Bachiana Brasileira revelou as fragilidades da Sinfônica do ES. O conjunto mostrou pouca homogeneidade e “atravessou” diante das exigências rítmicas da partitura.

Os deslizes, no entanto, não têm importância diante do valor de levar música de qualidade à ilha de Vitória, espalhando Villa-Lobos, Alceu Camargo, Roberto Macedo, João Guilherme Ripper, Bach, Vivaldi, Telemann, Britten, Ernesto Nazareth, Rossini, Verdi, Mascagni, Bizet, Edino Krieger, Mario Tavares, Radamés Gnattali, Ronaldo Miranda, Alberto Nepomuceno, Ernest Mahle, Marlos Nobre, Marcelo Rauta, Henrique Oswald, Wilson Fonseca, Dvořák e Schumann por terras capixabas. Nossos votos sinceros de vida longa ao Festival de Música Erudita do Espírito Santo!

 

Fotos: Fabrício Zucoloto

 

Faça seu comentário
Fabiano Gonçalves
Publicitário e roteirista (formado no Maurits Binger Film Institute - Amsterdã). Corroteirista do longa O Amor Está no Ar e de programas de TV (novela Chiquititas - 1998/2000). Redator na revista SuiGeneris, no site Escola24horas e no Departamento Nacional do Senac. Um dos fundadores do movimento.com, escreve também sobre televisão para o site teledossie.com.br. - E-mail: fabiano@movimento.com