Escrito por em 26 maio 2019 nas áreas Lateral, Música sinfônica, Programação, Rio de Janeiro

Com regência do maestro Miguel Salmon Del Real, orquestra homenageará o México

No próximo dia 30 de maio, às 20h, o México será o centro das atenções no segundo concerto da Série Mundo. Sob o comando do maestro Miguel Salmon Del Real, a Orquestra Sinfônica Brasileira subirá ao palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro com um programa composto por obras dos mexicanos José Pablo Moncayo e Eduardo Gamboa, além da Sinfonia nº 8, de Dvořák.

A OSB conta com a Lei Rouanet e tem a NTS como mantenedora, Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras e Eletrobras como copatrocinadora. O concerto Série Mundo – México conta com o Consulado Geral do México no Rio de Janeiro como parceiro.

Abrindo o programa, “Tierra de Temporal”, de José Pablo Moncayo. Falecido em 1958, o compositor e percussionista mexicano ficou conhecido por escrever músicas que refletiam o espírito nacional mexicano, recorrendo a melodias, ritmos e harmonias típicas da música popular de seu país. Sua obra “Huapango” o tornou conhecido mundialmente.

Na sequência o público ouvirá “Cualiacan”, peça festiva de Eduardo Gamboa, composta em homenagem à cidade homônima há apenas 10 anos. Ao longo desta suite, o compositor retrata diferentes cenas da cidade, através de imagens sonoras que abrangem várias das suas tradições, lendas e paisagens. Completando o repertório, depois do intervalo, uma escolha do maestro Miguel Salmon Del Real: a Sinfonia nº 8, de Antonín Dvořák. “Trata-se de um verdadeiro compêndio de grandes melodias” – afirma o maestro, sobre a obra do compositor tcheco.

Será a estreia do regente à frente da OSB e em um palco carioca, o que para ele é motivo de grande alegria. “Receber o convite para estrear nesta cidade lendária, com a Orquestra Sinfônica Brasileira, me encheu de entusiasmo. Espero que esta celebração musical, que com tanto esforço foi gerida por ambos os governos, continue a estreitar o vínculo histórico que há entre o Brasil e o México” – afirma, entusiasmado.

 

PROGRAMA

José Pablo Moncayo
Tierra de Temporal (Terra de Temporal)

Eduardo Gamboa
Culiacán para Orquestra Sinfônica

Antonín Dvořák
Sinfonia nº 8

 

 

SERVIÇO

 

Orquestra Sinfônica Brasileira (Série Mundo – México)

Dia 30 de maio, quinta-feira, às 20h

Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Praça Floriano, s/nº – Cinelândia/Centro – Rio – 2332 9191)

Ingressos:

Frisa/Camarote: R$ 100,00 (R$50 meia)

Plateia: R$ 100,00 (R$50 meia)

Balcão Nobre: R$ 100,00 (R$50 meia)

Balcão Superior: R$ 50,00 (R$25 meia)

Balcão Superior Lateral:  R$ 40,00 (R$20 meia)

Galeria Central: R$ 30,00 (R$15 meia)

Galeria Lateral: R$ 20,00 (R$10 meia)

(à venda na bilheteria do Municipal e no site Ingresso Rápido)

 

 

Orquestra Sinfônica Brasileira – OSB

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 78 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia.

Nas últimas sete décadas, a OSB revelou nomes como Nélson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Meneses, e esteve à frente, maestros e compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, Eleazar de Carvalho, Cláudio Santoro, Francisco Mignone e Camargo Guarnieri. Também faz parte de sua história a colaboração de alguns dos maiores artistas do cenário internacional como Leonard Bernstein, Arthur Rubinstein, Mstislav Rostropovich, Igor Stravinsky, Claudio Arrau, Zubin Mehta, Lorin Maazel e Kurt Masur, entre muitos outros.

Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Rouanet, tem a NTS – Nova Transportadora do Sudeste como mantenedora e a Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras e Eletrobras como copatrocinadora, além de um conjunto de apoiadores culturais e institucionais.

 

Miguel Salmon Del Real

Miguel Salmon del Real

Maestro titular da Orquestra Sinfónica Sinaloa de las Artes, Miguel Del Real já se apresentou como regente convidado em países da Europa como Alemanha, Polônia, França, Rússia, Reino Unido, Espanha, Holanda. Também no Brasil, além de 18 outras orquestras no México. Estreou uma centena de obras do século XXI de compositores de vários países, além de alguns resgates de obras do século XIX e XX. É considerado um dos maestros de maior solidez de sua geração. Compositor, musicólogo e pesquisador, possui diplomas e cursos de mestrado em Direção de Orquestra, Direção Coral, Composição, Musicologia e canto gregoriano do México, Itália, Holanda, França e Suíça.

Sua tese de mestrado na Holanda (“Novas ideias antigas na composição musical – um compêndio de noções desconhecidas de e sobre Julian Carrillo”), foi concluída em 2009 e tem sua base no estudo integral dos escritos e obras do compositor. Em 2012, foi vencedor, por decisão unânime, do primeiro concurso para diretores Mexicanos da Orquestra Sinfônica de Sinaloa das Artes.

 

Faça seu comentário