LateralNotícia

1o. Festival de Música Clássica Brasileira na Bulgária

Festival enfatiza o Modernismo Brasileiro

Começa em 6 de junho de 2019 o 1o. Festival de Música Clássica Brasileira na Bulgária, apresentando mais de 50 obras de 21 compositores brasileiros, interpretada por músicos  búlgaros e brasileiros  ao longo de 12 concertos, organizados em 2 ciclos. O presente Festival de Música Clássica Brasileira na Bulgária acontece pela primeira vez na história das relações culturais entre esses dois países.

É um feito e uma alegria podermos empreendê-lo ao longo de 2019, graças ao interesse demonstrado por músicos búlgaros da mais alta capacidade artística, professores das mais prestigiadas instituições de ensino musical em Sófia e Plovdiv, brilhantes artistas, detentores de prêmios e protagonistas de carreiras internacionais, que nos honram com seu envolvimento profissional e suas interpretações, abolindo através da música quaisquer distâncias e barreiras.

São cerca de 15 músicos-intérpretes búlgaros, a saber: trio “Ardenza”(Daniela Dikova, Galina Koycheva e Konstantin Evtimov), Rosen Balkanski, Stela Miteva-Dinkova, Rostislav Yovchev, Margarita Ilieva, Atanas Krastev, Viktoria Vasilenko, Nona Krincheva, dentre outros ainda a se somarem aos músicos brasileiros especialmente convidados Carolina Feuerharmel e Diogo Monzo.

Uma agenda de 12 concertos, organizada em dois ciclos (primavera/verão e outono/inverno), viabiliza ao público búlgaro oportunidades de fruição ao vivo de mais de 50 obras assinadas por cerca de 21 compositores representativos dos últimos 150 anos de história da música erudita brasileira.

A trilha estética da programação é larga, abrangendo desde compositores de formação europeia (Henrique Oswald e Leopoldo Miguez) e precursores nacionalistas (Francisco Braga, Alberto Nepomuceno e Luciano Gallet) até compositores vivos como Sérgio Vasconcelos-Correia, Mariza Rezende, Paulo Costa Lima, Harry Crowl, Marco Padilha, Roberto Victório, Sílvio Ferraz e Liduíno Pitombeira.

Enfatizando no entanto o Modernismo Brasileiro, o festival busca ampliar a difusão de nomes como Camargo Guarnieri, Francisco Mignone, Radamés Gnattali e César Guerra-Peixe, na qualidade de grandes representantes das diferentes gerações e vertentes nacionalistas, ao lado do icônico e indiscutivelmente aguardado Heitor Villa-Lobos. Sem que tampouco esqueçamos nomes como Almeida Prado e Gilberto Mendes, reverenciamos o prolífico compositor Cláudio Santoro em cinco concertos, marcando assim o centenário de nascimento desse que foi inclusive condecorado pelo governo búlgaro em1986.

Solos, duos e trios são as formações instrumentais em foco, figurando o emblemático violão brasileiro, mas também o piano, o violino e o violoncelo. Um trio-solista formado por piano, contrabaixo e bateria entra também em cena, por ocasião de inusitado concerto orquestral. A vasta programação contempla uma maioria de primeiras audições de obras brasileiras na Bulgária, trazendo ainda o raro destaque de uma primeira audição mundial. Trata-se da “Lírica n. 1” para piano, obra inédita do eminente compositor Almeida Prado, falecido em 2010.

Os programas de cada concerto representam preferências e escolhas dos músicos-intérpretes participantes, feitas a partir do contato com um amplo leque de possibilidades que lhes foram apresentadas. Esse aspecto confere já um filtro cultural e revela a unicidade do processo quase auto-inventivo que determinou o modelo desse festival em terras búlgaras, adicionando-lhe, a um só tempo, entusiasmo e sinceridade.

Ressoa na Bulgária a música clássica brasileira ao longo de 2019. Está na costa búlgara do Mar Negro, nas cidades de Varna e Burgas, como também na histórica região do Vale da Trácia (cidades de Plovdiv e Pazardjik), ancorando-se na capital de Sófia, onde parceiros fundamentais tornam esse projeto possível, notadamente a Academia Nacional de Música “Prof. Pancho Vladigerov”. A Academia de Música, Dança e Belas Artes de Plovdiv, a Prefeitura e a Escola Nacional de Música e Artes Cênicas de Burgas e a Galeria de Arte da Cidade de Varna são valiosos parceiros país afora.

Nosso concerto de abertura se dá com a participação do excepcional “Trio Ardenza”, na Sala Bulgária, num final de primavera. Sob a égide do prestigiado festival internacional “Semanas Musicais de Sófia”, que emplaca e celebra sua memorável 50a. edição, irmanam-se búlgaros e brasileiros em prol da grande arte da Música.

Realização da Embaixada do Brasil em Sófia e curadoria de Zenon Instituto Cultural

 

Faça seu comentário
movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.