LateralMúsica sinfônicaProgramaçãoRio de Janeiro

“Sinfonia das Florestas”, de Ricardo Tacuchian

Estreia nacional pela Orquestra Sinfônica Nacional, na Sala Cecília Meireles

No ano em que se festeja os 80 anos do compositor e regente Ricardo Tacuchian, um dos mais prestigiados do país e membro da Academia Brasileira de Música, uma estreia de grande porte dá brilho a uma extensa agenda de comemorações ao logo de 2019. A saber dos profundos cortes no meio da música clássica (e no cultural, como um todo), é de se louvar a estreia nacional de sua Sinfonia das Florestas na Sala Cecília Meireles, no dia 12 de julho, sexta-feira, com a Orquestra Sinfônica Nacional da UFF, sob regência de Tobias Volkmann e com a participação da soprano Marianna Lima.

Escrita em 2012 em quatro movimentos para orquestra sinfônica e solo de soprano, a obra sinfônica só foi apresentada fora do país, em 2013, quando teve sua estreia mundial nas três cidades de Castilla e Léon (Espanha), pela Orquesta Sinfónica del Conservatorio Superior de Música de Castilla-León, sob a regência do Maestro Javier Castro e com a participação da soprano espanhola Sofía Pintor, com surpreendente resposta do público espanhol.

A obra está dividida em quatro movimentos: 1. Amazônia; 2. Cerrado; 3. Queimadas; e 4. Mata Atlântica. A “Sinfonia das Florestas” é uma obra que guarda algumas referências da forma Sinfonia. Apesar de reportar-se às florestas brasileiras, é, na realidade, uma metáfora de todas florestas do mundo que correm o risco de desaparecer.

Impossível não traçar paralelos com a atual política governamental de proteção ao meio ambiente. “Não se trata de uma obra folhetinesca”, afirma Tacuchian. “Seus objetivos são antes poéticos, embora se refira a um dos problemas mais marcantes da humanidade, na atualidade: a luta pela preservação das florestas do mundo como uma das formas de atenuar o aquecimento global e o prejuízo do bioma de nosso planeta”, completa.

Os textos dos poetas Thiago de Mello, no primeiro movimento, e de Gérson Valle, no quarto movimento, são apresentados numa aura de dor e êxtase. O terceiro movimento, Queimadas, é quase uma denúncia contra os desmatamentos e queimadas que degradam as nascentes fluviais, poluem o ambiente e ameaçam a biodiversidade. “No entanto, a obra é otimista e mostra que há ainda tempo para a volta ao bom senso pelas autoridades que governam o mundo e pelas pessoas comuns que nele habitam”, conclui o compositor.

A obra é dedicada ao Maestro JOSÉ SIQUEIRA, seu Professor de Composição na Universidade e quem o ensinou a amar o Cerrado. Aliás, várias obras de Tacuchian exploram a temática ecológica da Sinfonia das Florestas, como Dia de Chuva (1963), Estruturas Verdes (1976), Terra Aberta (1997) e Biguás (2009), entre outras.

A estreia da obra orquestral é uma das muitas atividades previstas ao longo do ano dentro das comemorações dos 80 anos do compositor. Serão lançados ainda diversos registros fonográficos de suas composições: “Pimenta Malagueta”, para violino solo, estará no CD do grupo Imago Mundi; a pianista Martha Marchena fez a gravação de “Il fait du soleil” para a Radio Nacional de Espana/Radio Clasica; o Duo Burajiru lançará um disco com sua obra completa para viola; “Gengibre” ganhará o registro no CD de Philip Doyle (trompa solo); e o saxofonista Pedro Bittencourt fará sua leitura para “Delaware Park Suite” (para saxofone e piano).

 


SERVIÇO

 

Orquestra Sinfônica Nacional da UFF estreia “Sinfonia das Florestas”, de Ricardo Tacuchian

Dia 12/07, sexta-feira, às 20h 

Sala Cecília Meireles (Largo da Lapa, 47, Lapa – 2332 9223)

Ingressos: R$ 40,00 inteira – R$20,00 estudantes e idosos.

Ingressos à venda na bilheteria da Sala e online através da Ingresso Rápido:

 

www.salaceciliameireles.rj.gov.br

www.ingressorapido.com.br

 

Ricardo Tacuchian

Ricardo Tacuchian

É regente, compositor, graduado em Piano, Composição e Regência pela UFRJ e Doutor em Composição pela University of Southern California. Sua obra (com mais de 250 títulos) já foi tocada no Brasil e em praticamente todos os países da Europa e das Américas, em cerca de duas mil apresentações ao vivo, além de programas radiofônicos, no Brasil, Estados Unidos e Europa. As principais orquestras brasileiras incluem sua obra em seus programas.

A Bibliografia geral sobre ele abrange inúmeros itens entre Livros, Dicionários, Livros de Referência, Artigos em Revistas Especializadas, Dissertações de Mestrado e Teses de Doutorado, de várias partes do mundo. Seu nome é verbete do Grove Music Dictionary II (2001), do Baker’s Biographical Dictionary of Musicians, 9th edition(2000) e do Die Musik in Geschichte und GegenwartMGG (2007), entre outras obras internacionais.

Nas comemorações pela passagem de seus 75 anos, a Biblioteca Nacional e a Academia Brasileira de Música lançaram, respectivamente, os livros Ricardo Tacuchian e sua Obra, Catálogos e notas biográficas (E. Higino e V. R. Peixoto, organizadoras. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2014), e Ricardo Tacuchian e o Violão (Humberto Amorim, Rio de Janeiro: ABM, 2014).

Sua Discografia alcança mais de 100 fonogramas em cerca de 50 diferentes CDs, inclusive gravações lançadas nos Estados Unidos, além das antigas gravações em LP (vinil). Dentre as posições que já exerceu destacam-se as de Professor Titular da UFRJ e da UniRio, Professor Visitante da State University of New York at Albany e da Universidade Nova de Lisboa, Consejero del Centro de Estudios Brasileños de la Universidad de Salamanca,  bolsista da Capes, CNPq, Other MindsAppolon Stiftung, Fulbright Commission e da Rockefeller Foundation.

Tacuchian regeu o maior conjunto instrumental de toda a história da música brasileira: uma banda com dois mil instrumentistas (Rio de Janeiro: Praça da Apoteose, 15/12/1985). Foi Regente Titular da Orquestra da UniRio (2002-4) e, em 2004, regeu, na cidade do Porto, um concerto coral sinfônico, todo ele dedicado à sua própria obra. Foi eleito, em 1981, membro da Academia Brasileira de Música, da qual foi Presidente em duas ocasiões. É também membro da Academia Brasileira de Arte.

Faça seu comentário
movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.