LateralProgramaçãoRio de Janeiro

Pianista Monique Aragão lança novo álbum

Na ocasião serão conhecidos os vencedores do “Concurso Melhor Sem Palavras”.

No dia 11 de setembro, às 20h, a pianista e compositora carioca Monique Aragão subirá ao palco da Sala Cecília Meireles para apresentar as doze faixas de seu novo álbum “Melhor Sem Palavras”. Todas as obras são para piano solo, sendo algumas inéditas e outras já gravadas, rearranjadas para o formato.

Ao final da apresentação, serão anunciados os vencedores do concurso promovido pela pianista, para premiar as melhores interpretações das peças do disco. Os ingressos custam a partir de R$20 (a meia) e estão à venda na bilheteria da Sala e no site Ingresso Rápido.

De acordo com Monique, “Melhor Sem Palavras” trafega na contramão da cultura fugaz e pretende capturar o ouvinte para uma experiência de puro lirismo. Desde seu primeiro disco, a compositora planejava gravar um repertório apenas com piano, mas acabava se rendendo ao desejo de convidar outros instrumentistas. Em seu novo álbum ela realiza o desejo de anos de trabalho. “Talvez, no fundo, eu menosprezasse a grandiosidade do meu instrumento. Pensava que o repertório era muito intimista e que eu não teria a escuta dedicada que essas peças precisavam” – revela.

Monique também conta que as próprias músicas lhe convenceram de que não seria necessário acrescentar letras: “Pensei em colocar letras que caberiam perfeitamente nas melodias, mas elas não queriam. A música fala direto à alma e há momentos em que ela fica melhor sem palavras“. Desta conclusão nasceu o título da primeira música, que também batiza o álbum. “Melhor Sem Palavras” abre o programa do recital, seguida por “Tentando Voar” e “Solilóquio” – também inéditas. “Elas surgiram inteiras em três dias consecutivos. ‘Melhor Sem Palavras’, como o nome já diz, trata do não dito. ‘Tentando Voar’, talvez seja a metáfora daqueles momentos em que não se pode caminhar. ‘Solilóquio’ é uma ode à conversa mais verdadeira que alguém pode estabelecer” – explica a compositora.

As releituras de “Em Torno da Lagoa” e “Pas des Deux” dão prosseguimento ao espetáculo. “El Toro”, sexta obra a ser apresentada na noite, foi uma encomenda. “Um amigo pediu uma música de presente, mas nada vinha e eu estava protelando há vários meses. Até que durante uma brincadeira, um outro amigo criou um apelido para ele: El Toro. A brincadeira me inspirou e a música fluiu” – relembra.

Na sequência, o público ouvirá “Marcas da Expressão”, “Prelúdio da Manhã” (originalmente composta para coral) e “Estudo nº 5”. A inédita “Tap Dance”, inspirada nos antigos musicais, precede as releituras de “Nazaretheando” composta originalmente para o espetáculo de dança “O Rio Carioca” e inspirada no Rio Antigo de Ernesto Nazareth. O programa se encerra com “Canoas” e seu perfume impressionista harmonizado com o sabor do baião brasileiro.

 

PROGRAMA

Monique Aragão
Melhor Sem Palavras”
“Tentando Voar”
“Solilóquio”
“Em Torno da Lagoa”
“Pas des Deux”
“El Toro”
“Marcas da Expressão”
“Prelúdio da Manhã”
“Estudo 5”
“Tap Dance”
“Nazaretheando”
“Canoas”

 

SERVIÇO

 

Monique Aragão – Concerto de lançamento do álbum “Melhor Sem Palavras”

Dia 11 de setembro, quarta-feira, às 20h

Sala Cecília Meireles (Largo da Lapa, 47 – Centro – Rio – 2332 9223)

Ingressos: R$40 | R$20 meia 
À venda na bilheteria da Sala e no site www.ingressorapido.com.br

 


Concurso Melhor Sem Palavras

Promover um concurso sem toda a tensão que permeia as competições tradicionais de piano foi o objetivo de Monique Aragão. Ao longo de um mês, os candidatos enviaram vídeos interpretando uma música de livre de escolha do álbum “Melhor Sem Palavras”. Dez finalistas, escolhidos pelo júri formado Tim Rescala e Linda Bustani, foram submetidos ao voto popular e serão conhecidos ao final do concerto do dia 11/09, no palco da Sala Cecília Meireles. Além de prêmios em dinheiro, os três primeiros colocados ganharão uma sessão de gravação no Estúdio da Glória, com piano de cauda. Os dez finalistas receberão partituras da Irmãos Vitale Editores e uma apresentação no palco do Estúdio Eco Som.


Monique Aragão

Pianista, compositora e escritora carioca, Monique Aragão nasceu na zona sul do Rio de Janeiro em novembro de 1960. Aos 10 anos, foi premiada no concurso Alcina Navarro. Outros prêmios se seguiram, como nos concursos Liddy Mignone (1973), Lúcia Branco (1976), Prêmio Sharp (1992) e Prêmio Mulher do Ano (categoria Música, em 2009), pelo Conselho Nacional de Mulheres do Brasil da Academia Brasileira de Letras.

Monique é formada em música pela Universidade do Rio de Janeiro e em sua discografia autoral estão os álbuns “Monique Aragão” (1991 – Perfil Musical); “Canoas” (1993 – Perfil Musical); “Ventos do Brasil” (1995 – selo francês Buda Musique), com distribuição mundial; “Os Olhos de Cristal” (1997 – Vitale Records), para crianças; “Marcas da Expressão” (1999 – Kuarup); “Suíte do Rio” (2006 – Delira Música); “As Cores do Poeta” (2016 – Cendi Music) e “Melhor Sem Palavras” (2019 – Delira Música).

Compôs trilhas originais para o longa metragem “O Filme da Minha Vida” (de Alvarina Souza e Silva – 1991), para os espetáculos de dança “O Rio Carioca” (1994), “Requiem para a Floresta” (1996), e “Callas” (1998) – da Companhia de Dança do Rio, além do musical infantil “Balbino & Bento” (de Elizabeth Araújo) e da peça teatral “Flor de Obsessão” (de Robert Guimarães).

Seus trabalhos também foram lançados nos álbuns de partituras Coral Hoje (1989), O Melhor de Ernesto Nazareth (1997) e Seis Estudos para a Mão Esquerda (1997 – editora Irmãos Vitale), assim como nos livros Música, Mente, Corpo e Alma – Interpretação e a Comunicação Através da Música – (Editora ROCCO, 2011) e Eu, a Criança e o Demônio (KDP Amazon, 2017). É também autora do texto, músicas e direção da comédia musical “Sucesso”.

Monique Aragão participou do corpo de julgadores do Carnaval Carioca, nas séries A e Especial, foi professora da Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO) entre 1999 e 2001 e professora de interpretação e técnica vocal nos programas FAMA (2002 a 2004) da Rede Globo de televisão. Foi indicada ao prêmio Rival-Petrobrás (2006) como Melhor Arranjador pelo CD “Suíte do Rio”.

Suas composições e performances figuram também nos álbuns de diversos artistas, foi diretora musical e arranjadora de diversos espetáculos teatrais; se apresentou nos melhores teatros da América do Sul e Europa, como pianista solista ou acompanhando artistas da MPB. Atua em produções de TV como produtora musical e desenvolve um trabalho único como professora em diversas áreas da música.

www.moniquearagao.com.br

Faça seu comentário
movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.