Balé/DançaLateralProgramaçãoSão Paulo

São Paulo Companhia de Dança em Campinas

Criada pelo coreógrafo espanhol Goyo Montero, “Anthem” compõe o programa de três obras que a SPCD apresenta na cidade. Obra “Agora”, de Cassi Abranches, também será apresentada

A São Paulo Companhia de Dança (SPCD), corpo artístico da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela Associação Pró-Dança e dirigida por Inês Bogea, apresenta pela primeira vez “Anthem“, do coreógrafo espanhol Goyo Montero. A estreia acontece no Teatro Municipal João de Castro Mendes, nos dias 11 e 12 de outubro, às 20h.

Anthem é a primeira criação de Goyo para uma companhia brasileira. A obra traz uma reflexão sobre o processo de construção e desconstrução de identidades coletivas. Segundo o coreógrafo “há ciclos que se repetem e cometemos sempre os mesmos erros, de pensar que estamos separados, que somos diferentes quando, na realidade, todo ser humano é um e, no momento em que perdemos essa unidade, os problemas começam. Este é um traço da história humana”. A criação é uma das estreias da Temporada de novembro da SPCD no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo.

Além de Anthem, o repertório da noite será formado por outras duas obras: “Suíte para Dois Pianos” (1987), de Uwe Scholz com remontagem de Giovanni Di Palma que traz movimentos inspirados nas reflexões do artista plástico Wassily Kandinsky e na música do russo Sergei Rachmaninoff; e “Agora” (2019) de Cassi Abranches, obra que aborda a palavra tempo em seus possíveis significados: musical com dinâmicas e sonoridades; cronológico com lembranças e expectativas, temperatura com diferentes graus e intensidades.

Realizar apresentações nas diversas cidades do nosso Estado é uma das missões da São Paulo, uma oportunidade para disseminar a arte da dança – sejam obras clássicas ou contemporâneas – aos mais variados públicos”, comenta Inês Bogea, diretora da Companhia.

Os ingressos antecipados custam R$ 40,00 (inteira) e R$20 (meia), disponíveis na bilheteria no Teatro Castro Mendes. Nas datas das apresentações, 11 e 12 de outubro, os valores são R$50 (inteira) e R$25 (meia).

As coreografias 

Anthem (2019) – Estreia

Coreografia: Goyo Montero
Música: Owen Belton
Iluminação: Nícolas Fischtel
Figurino: Fábio Namatame
Organização: Carlos Iturrioz Mediart Producciones SL (Espanha)

Anthem é a primeira criação do espanhol Goyo Montero para uma companhia brasileira. A obra traz uma reflexão sobre o processo de construção e desconstrução de identidades coletivas. Segundo o coreógrafo: “Há ciclos que se repetem e cometemos sempre os mesmos erros, de pensar que estamos separados, que somos diferentes quando, na realidade, todo ser humano é um e, no momento em que perdemos essa unidade, os problemas começam. Este é um traço da história humana”, comenta o coreógrafo.

A trilha é do canadense Owen Belton, com quem Goyo já criou mais de nove obras. A inspiração da música vem de canções que se tornam hinos – sejam de nações, pessoas com preferências parecidas ou indivíduos de uma mesma geração. Por isso, o nome escolhido para a obra: Anthem, hino em inglês. Para Montero, “A voz humana se converte em uma canção e esta canção se converte em algo com a qual nos identificamos”.

Suíte para Dois Pianos (1987)

Coreografia, figurino e cenário: Uwe Scholz (1958-2004)
Músicas: Suíte para Dois Pianos, Opus 17 de Sergei Rachmaninoff (1873-1943), interpretada por Martha Argerich e Nélson Freire
Iluminação: André Boll
Remontagem: Giovanni Di Palma

Em Suíte para Dois Pianos, o coreógrafo alemão Uwe Scholz criou movimentos inspirados nas reflexões do artista plástico Wassily Kandinsky e na música do russo Sergei Rachmaninoff. Quatro obras de Kandinsky são projetadas ao fundo da cena, ampliando a relação entre as diferentes artes. Uwe foi um coreógrafo que espelhou na dança a estrutura, as dinâmicas e as intensões da música.

 

Obra Agora, de Cassi Abranches – Crédito: Silvia Machado

Agora (2019)

Coreografia: Cassi Abranches
Música: Sebastian Piracés
Iluminação: Gabriel Pederneiras
Figurino: Janaína de Castro

A terceira criação de Cassi Abranches para a São Paulo explora a palavra tempo em seus possíveis significados: musical com dinâmicas e sonoridades; cronológico com lembranças e expectativas, temperatura com diferentes graus e intensidades. A coreógrafa esculpe os movimentos no corpo de cada bailarino a partir dos ritmos musicais da trilha composta por Sebastián Piracés, que utiliza bateria e elementos de percussão afro-brasileiras, misturados ao rock contemporâneo e canto.

SERVIÇO

São Paulo Companhia de Dança

Dia 11 de outubro, sexta-feira, às 20h
Dia 12 de outubro, sábado, às 20h  

Teatro Municipal João de Castro Nunes (Rua Conselheiro Gomide, 62 – Campinas – SP)

Ingressos:
Antecipado | R$ 40,00 (inteira); R$ 20,00 (meia: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência)
Nos dias das apresentações | R$ 50,00 (inteira); R$ 25,00 (meia: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência)

 

São Paulo Companhia de Dança  
Direção Artística e Executiva | Inês Bogea

Criada em janeiro de 2008, a São Paulo Companhia de Dança (SPCD) é um corpo artístico da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela Associação Pró-Dança e dirigida por Inês Bogea, doutora em Artes, bailarina, documentarista e escritora. A São Paulo é uma Companhia de repertório, ou seja, realiza montagens de excelência artística, que incluem trabalhos dos séculos XIX, XX e XXI de grandes peças clássicas e modernas a obras contemporâneas, especialmente criadas por coreógrafos nacionais e internacionais.

A difusão da dança, produção e circulação de espetáculos é o núcleo principal de seu trabalho. A SPCD apresenta espetáculos de dança no Estado de São Paulo, no Brasil e no exterior e é hoje considerada uma das mais importantes companhias de dança da América Latina pela crítica especializada. Desde sua criação, já foi assistida por um público superior a 720 mil pessoas em 17 diferentes países, passando por 142 cidades, em mais de 900 apresentações. Desde sua criação, a Companhia já acumulou 30 prêmios, nacionais e internacionais. Além da Difusão e Circulação de Espetáculos, a SPCD tem mais duas vertentes de ação: os Programas Educativos e de Formação de Plateia e Registro e Memória da Dança.

Inês Bogea – Direção Artística e Executiva – é doutora em Artes (Unicamp, 2007), bailarina, documentarista, escritora, professora no curso de especialização Arte na Educação: Teoria e Prática da Universidade de São Paulo (USP) e autora do “Por Dentro da Dança” com a São Paulo Companhia de Dança na Rádio CBN. De 1989 a 2001, foi bailarina do Grupo Corpo (Belo Horizonte).

Foi crítica de dança da Folha de S. Paulo de 2001 a 2007. É autora de diversos livros infantis e organizadora de vários livros. Na área de arte-educação foi consultora da Escola de Teatro e Dança Fafi (2003-2004) e consultora do Programa Fábricas de Cultura da Secretaria de Cultura do Estado (2007-2008). É autora de mais de quarenta documentários sobre dança.

 

Crédito: Sílvia Machado

Faça seu comentário
movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.